Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Por que no verão tem mais insetos?


Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

22/01/2012 | 07:00


No verão, o aumento de calor e umidade faz com que o ciclo de reprodução dos insetos (que vai da postura de ovos até o bicho se tornar adulto) seja mais curto. Se o ciclo natural de um mosquito é, por exemplo, de 12 dias, nesta estação pode diminuir para seis dias. É por isso que nascem mais insetos nesta época do ano.

É o que acontece com o pernilongo. Já notou que as picadas são bem comuns neste período? A fêmea (só ela pica) precisa de mais sangue para que os ovinhos (bota de 200 a 400 por gestação) se desenvolvam direito. Em geral, ataca à noite. As fêmeas ainda se alimentam de néctar e seiva de plantas, assim como os machos.

A mosca também se reproduz com mais velocidade no verão. Tem o olfato muito desenvolvido e é atraída por qualquer resto de alimento úmido, principalmente aqueles que ficam no fundo da lata de lixo.

BARATA - O ciclo de reprodução da barata - que dura de três meses a um ano, dependendo da espécie - pode ser reduzido pela metade na época do calor. Mas outro fator contribui para que seja mais vista nas ruas e casas. Em períodos de chuvas e enchentes, a barata de esgoto precisa sair do esconderijo para não morrer.

Gosta de ambientes quentes, úmidos e escuros. Alimenta-se de restos de comida e materiais em decomposição. Há milhares de espécies; duas que vivem no Brasil são consideradas perigosas: a barata de cozinha (ou alemã) e a barata de esgoto (americana). Podem transmitir doenças por meio de bactérias, fungos e vírus que ficam grudados em suas patas.

Para evitar a presença indesejada da barata não acumule lixo, peça para um adulto vedar os ralos e mantenha o ambiente sempre limpo.

Consultoria da bióloga Lucy Figueiredo, diretora técnica da Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas

Cuidado com a dengue!

Durante todo o ano e principalmente no verão, é preciso cuidar para que o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, não apareça. A Organização Mundial da Saúde calcula que, anualmente, de 50 milhões a 100 milhões de pessoas têm a doença, no mundo. Comum em regiões tropicais, como o Brasil, o inseto é diferente do pernilongo. Além de menor, é escuro e tem manchas brancas pelo corpo. Prefere depositar os ovos na água parada e limpa, mas já está se adaptando à poluída.

A doença é transmitida pela picada da fêmea infectada. Caso o doente seja contaminado pela segunda vez por outro tipo de vírus (são quatro no total), pode desenvolver a dengue hemorrágica, que pode matar.

Os principais sintomas são dores de cabeça, no fundo dos olhos e no corpo, moleza, febre alta e vômito. Podem ainda surgir manchas na pele. Como não há vacina contra a dengue, o melhor jeito de evitá-la é prevenir.

Para não formar criadouros do mosquito, não deixe água acumulada em terrenos baldios, quintais e dentro de objetos, como pneus velhos. Se morar em casa, peça para um adulto verificar se a tampa da caixa-d'água está completamente fechada. Guarde as garrafas viradas para baixo. Também não deixe água parada em pratinhos embaixo dos vasos de plantas.

Milhares de espécies

Os insetos são invertebrados com exoesqueleto (esqueleto externo) e corpo dividido em três partes: cabeça, tórax e abdômen. Há cerca de 675 mil espécies conhecidas. Com três pares de patas, a maioria tem asas (como baratas, mosquitos e moscas). As pulgas pertencem ao pequeno grupo que não pode voar.

Apesar de muita gente não gostar dos insetos, todos têm função na natureza. Entretanto, podem se tornar pragas quando ameaçam a saúde e causam danos ao homem.

Thalles Alexandre Ribeiro, 10 anos, de São Bernardo, já percebeu que há mais insetos, como baratas, pernilongos e moscas, no verão. O menino imagina que por causa do forte c-alor, os bichos saem dos locais em que vivem escondidos. "Nesta época do ano, costumam aparecer algumas baratas em casa."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Por que no verão tem mais insetos?

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

22/01/2012 | 07:00


No verão, o aumento de calor e umidade faz com que o ciclo de reprodução dos insetos (que vai da postura de ovos até o bicho se tornar adulto) seja mais curto. Se o ciclo natural de um mosquito é, por exemplo, de 12 dias, nesta estação pode diminuir para seis dias. É por isso que nascem mais insetos nesta época do ano.

É o que acontece com o pernilongo. Já notou que as picadas são bem comuns neste período? A fêmea (só ela pica) precisa de mais sangue para que os ovinhos (bota de 200 a 400 por gestação) se desenvolvam direito. Em geral, ataca à noite. As fêmeas ainda se alimentam de néctar e seiva de plantas, assim como os machos.

A mosca também se reproduz com mais velocidade no verão. Tem o olfato muito desenvolvido e é atraída por qualquer resto de alimento úmido, principalmente aqueles que ficam no fundo da lata de lixo.

BARATA - O ciclo de reprodução da barata - que dura de três meses a um ano, dependendo da espécie - pode ser reduzido pela metade na época do calor. Mas outro fator contribui para que seja mais vista nas ruas e casas. Em períodos de chuvas e enchentes, a barata de esgoto precisa sair do esconderijo para não morrer.

Gosta de ambientes quentes, úmidos e escuros. Alimenta-se de restos de comida e materiais em decomposição. Há milhares de espécies; duas que vivem no Brasil são consideradas perigosas: a barata de cozinha (ou alemã) e a barata de esgoto (americana). Podem transmitir doenças por meio de bactérias, fungos e vírus que ficam grudados em suas patas.

Para evitar a presença indesejada da barata não acumule lixo, peça para um adulto vedar os ralos e mantenha o ambiente sempre limpo.

Consultoria da bióloga Lucy Figueiredo, diretora técnica da Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas

Cuidado com a dengue!

Durante todo o ano e principalmente no verão, é preciso cuidar para que o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, não apareça. A Organização Mundial da Saúde calcula que, anualmente, de 50 milhões a 100 milhões de pessoas têm a doença, no mundo. Comum em regiões tropicais, como o Brasil, o inseto é diferente do pernilongo. Além de menor, é escuro e tem manchas brancas pelo corpo. Prefere depositar os ovos na água parada e limpa, mas já está se adaptando à poluída.

A doença é transmitida pela picada da fêmea infectada. Caso o doente seja contaminado pela segunda vez por outro tipo de vírus (são quatro no total), pode desenvolver a dengue hemorrágica, que pode matar.

Os principais sintomas são dores de cabeça, no fundo dos olhos e no corpo, moleza, febre alta e vômito. Podem ainda surgir manchas na pele. Como não há vacina contra a dengue, o melhor jeito de evitá-la é prevenir.

Para não formar criadouros do mosquito, não deixe água acumulada em terrenos baldios, quintais e dentro de objetos, como pneus velhos. Se morar em casa, peça para um adulto verificar se a tampa da caixa-d'água está completamente fechada. Guarde as garrafas viradas para baixo. Também não deixe água parada em pratinhos embaixo dos vasos de plantas.

Milhares de espécies

Os insetos são invertebrados com exoesqueleto (esqueleto externo) e corpo dividido em três partes: cabeça, tórax e abdômen. Há cerca de 675 mil espécies conhecidas. Com três pares de patas, a maioria tem asas (como baratas, mosquitos e moscas). As pulgas pertencem ao pequeno grupo que não pode voar.

Apesar de muita gente não gostar dos insetos, todos têm função na natureza. Entretanto, podem se tornar pragas quando ameaçam a saúde e causam danos ao homem.

Thalles Alexandre Ribeiro, 10 anos, de São Bernardo, já percebeu que há mais insetos, como baratas, pernilongos e moscas, no verão. O menino imagina que por causa do forte c-alor, os bichos saem dos locais em que vivem escondidos. "Nesta época do ano, costumam aparecer algumas baratas em casa."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;