Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Globo inicia série de filmes nacionais


Rodrigo Teixeira
TV Press

05/10/2003 | 18:18


De tempos em tempos, a Globo decide incluir uma leva de filmes nacionais na grade programação. Desta vez, a emissora vai exibir cinco produções brasileiras no Festival Nacional, que começa nesta segunda-feira e vai até sábado. Estão na grade Xuxa Requebra, Eu, Tu, Eles, Amores Possíveis, a minissérie Luna Caliente e Tolerância. Os únicos que podem ser considerados sucessos na tela grande são Xuxa Requebra, com mais de 2 milhões de espectadores, e Eu, Tu, Eles, que atingiu a casa dos 700 mil. No entanto, todas as produções contam com atores globais no elenco.

Eu, Tu, Eles, por exemplo, que será exibido na terça, após o Casseta & Planeta, Urgente!, reúne Regina Casé, Lima Duarte, Stênio Garcia e Luís Carlos Vasconcelos. O filme é baseado na história verídica de uma nordestina – a Darlene vivida por Regina Casé – que mora junto com três maridos. Eu, Tu, Eles tem direção de Andrucha Waddington e foi produzido em 2000.

O diretor está eufórico com o fato de Eu, Tu, Eles finalmente provar o seu alcance junto ao público da TV aberta. “É maravilhoso ter uma exibição na qual até 40 milhões de pessoas podem ver o filme. Afinal, filmes são feitos para serem vistos”, afirma Andrucha.

Já a comédia romântica Amores Possíveis está programada para quinta, dia 9, após A Grande Família. A produção é encabeçada por Murilo Benício e Carolina Ferraz – namorados na época. O roteiro é sobre Carlos, que há 15 anos havia ido ao cinema encontrar a colega de faculdade Júlia. Mas ela não aparece. A partir deste momento, a história passa a acompanhar três versões possíveis para a vida de Carlos.

Amores Possíveis teve um público de 380 mil espectadores e foi considerada a melhor produção latina no Festival Sundance, nos Estados Unidos. “Uma das vantagens do filme ser exibido na TV aberta é que vai atingir o público do interior do Brasil, onde o cinema não chega”, diz a diretora Sandra Werneck. “O filme ir para a TV aberta é uma espécie de final de rota, pois quer dizer que se cumpriu todas etapas de exibição”, completa.

Compacto – A Globo também resolveu exibir em apenas um dia a minissérie Luna Caliente, que em 1999 foi mostrada em três capítulos. A produção vai ao ar na sexta, dia 10, após o Globo Repórter. Na verdade, a idéia da emissora era levar Luna Caliente para o cinema, como já havia feito com O Auto da Compadecida.

Mas a Globo descobriu tardiamente que um escritor francês já havia comprado os direitos do livro e isso inviabilizou o projeto. Luna Caliente é protagonizada por Paulo Betti. O ator vive Ramiro, um advogado de 40 anos que volta ao Brasil após oito anos de exílio na França. O filme se passa no Brasil dos tempos de ditadura e tem como cenário uma pequenina cidade na fronteira do Brasil com a Argentina.

Com direção de Jorge Furtado, Luna Caliente conta no elenco com Ana Paula Tabalipa, Tonico Pereira, Paulo José, entre outros. “Vai ser muito bom a minissérie passar em um dia só, pois é um suspense e o espectador assistir sem a divisão em capítulos vai tornar a história mais envolvente”, afirma Paulo Betti.

Para fechar o Festival Nacional, a Globo aposta em Tolerância, de Carlos Gerbase. A trama é estrelada por Maitê Proença e Roberto Bomtempo e será exibida no sábado, dia 11, após o Zorra Total.

O filme acompanha a conturbada relação do casal de protagonistas Márcia e Júlio, que vivencia os limites da fidelidade e da liberdade dentro do casamento. Tolerância foi lançado em novembro de 2000 e teve 100 mil espectadores. “A audiência da TV aberta no Brasil é a prova de fogo de qualquer filme. Tenho certeza que Tolerância vai agradar”, diz Gerbase.

Apesar dos diretores e atores ficarem felizes com a “colher de chá” que a Globo está dando para os filmes nacionais na programação, todos acreditam que o espaço deveria ser bem maior.

“Precisamos ocupar nossas telinhas com mais filmes nacionais. Uma boa saída seria o Canal Brasil ser exibido em rede aberta”, sugere Betti. “Já está na hora de existir uma cota para a produção nacional na televisão”, afirma Andrucha.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Globo inicia série de filmes nacionais

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, acesse com:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;