Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

As novas armas de Paraisópolis


Willian Novais
Do Diário do Grande ABC

06/02/2011 | 07:16


A segunda maior favela da Capital, a Paraisópolis, com 80 mil habitantes, encravada entre prédios e casas luxuosas no bairro do Morumbi, Zona Sul, tem um inimigo declarado. Não é a Polícia Militar, facção criminosa, traficantes ou qualquer tipo de contravenção

Os moradores têm na ponta da língua a forma de acabar com ele. Até uma organização social foi criada exclusivamente para lidar com a questão. As grandes empresas também estão envolvidas. Personalidades públicas fizeram a sua parte, alguns doaram centenas de milhares de reais para ajudar a causa. O problema não tem cara, mas deixa um rastro avassalador: o analfabetismo.

A União dos Moradores de Paraisópolis atua desde 2003 na proposta de erradicá-lo. Um passo largo foi dado em 2007, com a criação do programa Escola do Povo. A meta é que os 15 mil analfabetos ou quase 20% da população local, recebam capacitação educacional. Até agora 5.000 já aprenderam a ler e a escrever. "Nossa luta é persistente, precisamos acreditar em nossos sonhos e trazer a educação para quem mais precisa", comentou Luzia Rosa de Deus, 24 anos, diretora e uma das primeiras professoras do programa.

 Outras grandes mudanças também alavancaram o desenvolvimento e a autoestima da comunidade, como a entrada de grandes empresas, a instalação de agências bancárias, lojas de varejo, caixas lotéricas, até a formação de um time de rúgbi. Sem contar os investimentos das três esferas governamentais em infraestrutura, Saúde, Educação, capacitação profissional, e a alteração da postura do crime organizado.

Passado sangrento

Em Paraisópolis já houve o período triste e sangrento, como na maioria das favelas brasileiras. "No passado era difícil morar por aqui. Eram muitas mortes bestas e outras violentas demais. Mas a gente não tinha condições de sair", relembrou o funcionário público Ricardo Vilela, 56 anos, mais conhecido como Maguila.

A Polícia Militar fez uma ocupação em 2009, com confrontos, mortes e a paz supostamente anunciada. A tranquilidade realmente existe para os moradores. A equipe do Diário passou um dia no local e foi abordada duas vezes por supostos marginais e ouviu o mesmo conselho dezenas de vezes da população: cuidado por onde anda.

Os moradores garantem que dormem tranquilamente, com as portas de casa abertas. "Quem é doido de roubar aqui dentro? Já foi o tempo em que a polícia esculachava todo mundo", contou o aposentado Pedro Morais, 65.

Os empresários também não se queixam da violência. É o caso da família Vilela. A filha Catarina, 26, abandonou o emprego de gerente de loja em shopping para, junto com a mãe, o pai e o marido, abrir um restaurante ao lado de casa. "Aqui está muito bom para viver e ganhar dinheiro", avaliou a cozinheira.

Hospital particular é referência

O nome do Hospital Albert Einstein impõe respeito, em qualquer lugar do País. Em 1998, o centro de Saúde que é sinônimo de excelência instalou uma unidade em Paraisópolis. Alguns acham que é brincadeira. A população não acha; ao contrário, os moradores adoram e aprovam a iniciativa que em 13 anos já realizou 3,5 milhões de atendimentos em crianças. Os números são colossais. Lembram um hospital de grande porte. O complexo inspira diariamente a sua coordenadora, a pedagoga e presidente do departamento de voluntários do Hospital Albert Einstein, Telma Sobolh. "É um sonho que virou realidade à custa de muito trabalho e disposição", contou Telma.

Atualmente o centro médico conta com 100 funcionários e 130 voluntários. No quadro há profissionais de todas as especialidades. "Se for necessário cirurgia ou remoção para o hospital é realizada em nossas ambulâncias", explicou a coordenadora.

"Isso é uma maravilha, além do atendimento eles dão cesta básica, brinquedo, remédio. Não existe coisa melhor. Toda criança é tratada com respeito", comentou o autônomo Ivanilson Souza, 30 anos.

Todos os meses a entidade distribui 10 mil cestas básicas e no Natal foram entregues 10 mil brinquedos. "Trabalhamos de forma global, no atendimento médico, na parte social e na geração de renda", completou Telma.

Rei da sucata sonha em construir helicóptero

 Berbela é um artista do ferro. Sem formação ou qualquer tipo de instrução técnica, é um dos milhares que não sabem ler ou escrever em Paraisópolis. O pernambucano utiliza a imaginação e sonhos para criar. Ele nasceu Antonio Ednaldo da Silva há 46 anos. O nome de batismo ficou só nos documentos.

Nas ruas de Paraisópolis, quando ele passa com as suas invenções, a maioria olha. As ‘berbelinhas' fazem sucesso. Elas são bicicletas equipadas com DVD, rádio, caixa de som e muitos apetrechos de ferro e solda.

No seu ateliê fica uma coleção impressionante. Borboletas, gatos, cães, ratos, máquinas e experimentos dividem o pequeno espaço do galpão onde funciona a serralheria. É ganha-pão da família, que chegou à favela em 2001, com um pouquinho de dinheiro e muita disposição. "Era necessário arriscar. Ficar no Interior não dava mais. A situação estava preta", lembrou Berbela.

A mulher já chegou a chamá-lo de doido. "Maluco vai ser quando eu construir um helicóptero de sucata."

Rúgbi é esporte popular na comunidade

O rúgbi é tradicionalmente um esporte de elite. Em Paraisópolis é diferente. Ali é um dos esportes preferidos de parte da garotada. Ninguém quer ser Ronaldinho ou Ronaldo. Mas todos sonham em participar da Seleção Brasileira.

O campo é o mesmo, a conhecida casa do Palmeirinha, o maior time de várzea da favela. Uma área de terra batida, com alambrado e refletores, onde mais de 1.000 jovens já praticaram a modalidade nos últimos seis anos, após um grupo de amigos da região do Morumbi decidiu criar o projeto Rúgbi para Todos.

"Somos um projeto educacional, onde o rúgbi é a ferramenta utilizada no desenvolvimento da cidadania através da prática de princípios, lemas e valores. Fazemos acompanhamento psicopedagógico e os alunos têm avaliação comportamental, fisicomotora e técnica em rúgbi", explicou o coordenador do projeto, Maurício Draghi.

No dia em que a equipe do Diário esteve em Paraisópolis havia chovido muito e essa é uma condição para cancelamento da aula. Obedientes, 11 garotos estavam com a bola e uniforme e entraram em campo apenas quando a equipe do Diário pediu para registrar as imagens. Em dois minutos os times estavam formados e começou a ‘pelada'.

Durante a semana, os meninos e meninas treinam três vezes e atualmente 300 crianças e adolescentes fazem parte de um time vencedor. No ano passado, a turma conquistou títulos e esteve entre os melhores clubes de São Paulo, inclusive sendo campeã.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;