Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Diadema e S.Bernardo superam Capital em inadimplência

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Desemprego, juros altos e lento crescimento econômico ampliam débitos em atraso


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

01/05/2015 | 07:11


A inadimplência em Diadema e em São Bernardo é mais alta que na Capital paulista, segundo estudo inédito realizado pela Serasa Experian. De acordo com o levantamento, na primeira cidade, 28,5% dos moradores têm dívidas com mais de 90 dias de atraso, enquanto, na segunda, são 25,9%. Já em São Paulo, os negativados somam 24,4% do total. Santo André e São Caetano têm taxas menores: respectivamente 22,8% e 19,1%.

O estudo, que leva em conta apenas débitos acima de R$ 200, faz correlação entre o percentual de atrasos e a renda da população. “Em cidades com renda mais baixa a inadimplência é maior. As classes mais pobres têm mais dificuldade de formação de poupança (reserva para eventualidades como o desemprego)”, diz o superintendente da Serasa, Júlio Leandro. Em período de crise econômica, a situação fica ainda mais complicada para as pessoas menos abastadas, pois com inflação e juros altos, o poder de compra, que já é menor, é diminuído, e sobra menos recursos para honrar com os pagamentos.

Isso explica, por exemplo, por que os moradores de Diadema têm dívidas de valores menores que nas outras cidades: cada consumidor possui débito não pago, em média, de R$ 4.220, o que representa 3,4 dívidas por inadimplente. Em São Bernardo, o valor sobe para R$ 5.334, o que também significa 3,4 dívidas por CPF negativado. Já em Santo André, a média chega a R$ 5.612, ou 2,9 débitos em atraso por inadimplente; enquanto em São Caetano, atinge R$ 7.657, ou 3,9 contratos não honrados por devedor.

O levantamento mostra ainda que, entre as quatro cidades da região pesquisadas, o perfil de público com maior percentual de atrasos são ‘jovens adultos de periferia’, que representam 41,7% do total. Esse grupo é composto por moradores adultos de até 35 anos que moram em bairros periféricos. Em segundo lugar, estão os ‘donos de negócios’, com 35,4%, que compreendem, predominantemente, homens na faixa entre 25 e 55 anos.

Ainda segundo Leandro, outros dados da Serasa mostram que, de forma geral no País, a taxa de inadimplência cresceu 15,8% no primeiro trimestre na comparação com mesmo período de 2014. “A gente avalia que, com a economia crescendo pouco ou até com pequena recessão, com juros subindo e inflação alta que corrói parte do poder de compra da população, tudo isso impacta”, diz. Ele acrescenta que falta também educação financeira. “O brasileiro tem muito que aprender para não estourar o orçamento”, cita.

Dados do SCPC (Serviço Central da Proteção de Crédito) da ACE (Associação Comercial e Empresarial) de Diadema também apontam tendência de aumento no número de débitos em atraso. Para a gerente geral da associação, Carla Bassi, isso se deve ao aumento do desemprego e das dificuldades de acesso à venda a crédito, por causa das restrições dos bancos à aprovação de financiamentos.


Serasa faz feirão ‘Limpa Nome’ até amanhã

A Serasa está realizando no bairro Jabaquara, na Capital, desde terça-feira, o Superfeirão Limpa Nome, que se encerra amanhã, e tem como meta aproximar consumidor e credor e facilitar a renegociação de dívidas atrasadas, com o objetivo de contribuir para diminuir a inadimplência e reabilitar o crédito dos devedores.

Interessados em renegociar suas pendências devem comparecer ao local (no CEU Caminho do Mar, localizado na Avenida Engenheiro Armando Arruda Pereira, 5.241) com CPF e identidade com foto, e poderão entrar em contato pessoalmente com empresas parceiras da iniciativa durante o evento. Participam Bradesco Cartões, Bradescard, Cartões American Express, Recovery, HSBC/Losango, Santander Financiamentos, Fundo de Renegociação de Débitos e Eletropaulo.

Além de poder colocar as contas em dia, os consumidores que forem ao CEU Caminho do Mar até amanhã poderão assistir a palestras gratuitas de educação financeira e contar com serviços de cidadania, como retirada de segunda via de certidões de nascimento, casamento e óbito, orientação jurídica, entre outros.

O inadimplente que quer regularizar sua situação financeira pode ainda optar pelo Superfeirão Online, que vai até dia 8 e que conta com a participação de 59 empresas credoras, como Vivo, TIM, Casas Bahia e GVT. Basta acessar o www.serasaconsumidor.com.br/limpa-nome-online e preencher cadastro.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diadema e S.Bernardo superam Capital em inadimplência

Desemprego, juros altos e lento crescimento econômico ampliam débitos em atraso

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

01/05/2015 | 07:11


A inadimplência em Diadema e em São Bernardo é mais alta que na Capital paulista, segundo estudo inédito realizado pela Serasa Experian. De acordo com o levantamento, na primeira cidade, 28,5% dos moradores têm dívidas com mais de 90 dias de atraso, enquanto, na segunda, são 25,9%. Já em São Paulo, os negativados somam 24,4% do total. Santo André e São Caetano têm taxas menores: respectivamente 22,8% e 19,1%.

O estudo, que leva em conta apenas débitos acima de R$ 200, faz correlação entre o percentual de atrasos e a renda da população. “Em cidades com renda mais baixa a inadimplência é maior. As classes mais pobres têm mais dificuldade de formação de poupança (reserva para eventualidades como o desemprego)”, diz o superintendente da Serasa, Júlio Leandro. Em período de crise econômica, a situação fica ainda mais complicada para as pessoas menos abastadas, pois com inflação e juros altos, o poder de compra, que já é menor, é diminuído, e sobra menos recursos para honrar com os pagamentos.

Isso explica, por exemplo, por que os moradores de Diadema têm dívidas de valores menores que nas outras cidades: cada consumidor possui débito não pago, em média, de R$ 4.220, o que representa 3,4 dívidas por inadimplente. Em São Bernardo, o valor sobe para R$ 5.334, o que também significa 3,4 dívidas por CPF negativado. Já em Santo André, a média chega a R$ 5.612, ou 2,9 débitos em atraso por inadimplente; enquanto em São Caetano, atinge R$ 7.657, ou 3,9 contratos não honrados por devedor.

O levantamento mostra ainda que, entre as quatro cidades da região pesquisadas, o perfil de público com maior percentual de atrasos são ‘jovens adultos de periferia’, que representam 41,7% do total. Esse grupo é composto por moradores adultos de até 35 anos que moram em bairros periféricos. Em segundo lugar, estão os ‘donos de negócios’, com 35,4%, que compreendem, predominantemente, homens na faixa entre 25 e 55 anos.

Ainda segundo Leandro, outros dados da Serasa mostram que, de forma geral no País, a taxa de inadimplência cresceu 15,8% no primeiro trimestre na comparação com mesmo período de 2014. “A gente avalia que, com a economia crescendo pouco ou até com pequena recessão, com juros subindo e inflação alta que corrói parte do poder de compra da população, tudo isso impacta”, diz. Ele acrescenta que falta também educação financeira. “O brasileiro tem muito que aprender para não estourar o orçamento”, cita.

Dados do SCPC (Serviço Central da Proteção de Crédito) da ACE (Associação Comercial e Empresarial) de Diadema também apontam tendência de aumento no número de débitos em atraso. Para a gerente geral da associação, Carla Bassi, isso se deve ao aumento do desemprego e das dificuldades de acesso à venda a crédito, por causa das restrições dos bancos à aprovação de financiamentos.


Serasa faz feirão ‘Limpa Nome’ até amanhã

A Serasa está realizando no bairro Jabaquara, na Capital, desde terça-feira, o Superfeirão Limpa Nome, que se encerra amanhã, e tem como meta aproximar consumidor e credor e facilitar a renegociação de dívidas atrasadas, com o objetivo de contribuir para diminuir a inadimplência e reabilitar o crédito dos devedores.

Interessados em renegociar suas pendências devem comparecer ao local (no CEU Caminho do Mar, localizado na Avenida Engenheiro Armando Arruda Pereira, 5.241) com CPF e identidade com foto, e poderão entrar em contato pessoalmente com empresas parceiras da iniciativa durante o evento. Participam Bradesco Cartões, Bradescard, Cartões American Express, Recovery, HSBC/Losango, Santander Financiamentos, Fundo de Renegociação de Débitos e Eletropaulo.

Além de poder colocar as contas em dia, os consumidores que forem ao CEU Caminho do Mar até amanhã poderão assistir a palestras gratuitas de educação financeira e contar com serviços de cidadania, como retirada de segunda via de certidões de nascimento, casamento e óbito, orientação jurídica, entre outros.

O inadimplente que quer regularizar sua situação financeira pode ainda optar pelo Superfeirão Online, que vai até dia 8 e que conta com a participação de 59 empresas credoras, como Vivo, TIM, Casas Bahia e GVT. Basta acessar o www.serasaconsumidor.com.br/limpa-nome-online e preencher cadastro.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;