Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Hortifrúti faz cesta básica ficar estável

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Preço da cebola liderou as altas, com reajuste de 9,89%, e o da batata teve retração de 28,08%


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

17/04/2015 | 07:17


As oscilações de preços dos hortifrúti colaboraram para que o custo da cesta básica ficasse praticamente estável no Grande ABC nesta semana, de acordo com pesquisa realizada pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André).

O valor do conjunto de 34 produtos de primeira necessidade teve queda de 0,44%, o que representou economia de R$ 2,09 no bolso do consumidor. Enquanto na semana passada os gastos mensais de família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) para adquirir esses itens – de higiene pessoal, limpeza doméstica, alimentação industrializada e in natura – somavam, em média, R$ 478,05, agora totalizam R$ 475,96.

Os hortifrúti se destacaram tanto entre as maiores altas quanto entre as principais baixas de preços. A cebola foi o item que mais subiu, com reajuste de 9,89%, passando a custar R$ 3,89 o quilo. É o maior valor deste e do ano passado. “Em 2014, não passou de R$ 2,50 o quilo”, disse o coordenador da pesquisa, o engenheiro agrônomo Fábio Vezzá De Benedetto. Ele acrescentou que o produto tem tendência de alta, já que é período da safra argentina e há o impacto de reajustes dos combustíveis, o que encarece o frete, e também da valorização do dólar, que eleva os preços dos importados. A alta do transporte também justifica, segundo o especialista, a disparada da alface. A hortaliça ficou 7,79% mais cara e é encontrada a R$ 2,63 a unidade. Também é o preço mais alto dos últimos dois anos.

Por sua vez, o valor da batata teve queda de 28,08%. Agora é encontrada a R$ 2,74 o quilo. “Chegou a custar R$ 5 no começo do ano”, disse De Benedetto. Ele citou que isso estimulou o produtor a plantar e, agora, com o clima mais favorável, a colheita foi favorecida. Com oferta abundante, o preço cai.

Outro item que ficou mais em conta foram os ovos. A dúzia, que agora custa em média R$ 5,36, vinha em forte elevação, por causa do custo do milho – que tem cotação internacional – e, apesar do recuo, está mais cara do que em todo o ano de 2014. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;