Cultura & Lazer Titulo
'Viva Pagu' celebra 100 anos de vida
Por
09/06/2010 | 07:00
Compartilhar notícia
Divulgação


Ela foi precoce em tudo. Aos 12 anos, conheceu o diretor do primeiro filme neorrealista brasileiro, "Fome" (1931), Olympio Guilherme, com quem teve sua primeira experiência sexual. Aos 19, começou um explosivo romance com o escritor Oswald de Andrade, levando-o a terminar seu casamento com a pintora Tarsila do Amaral. Aos 20 anos, militante, incendiou o bairro do Cambuci em protesto contra o governo provisório. E, aos 21, tornou-se a primeira mulher presa no Brasil por motivos políticos, substituindo num comício comunista um amigo estivador, morto em seus braços pela polícia.

Essa foi Patrícia Galvão, a Pagu (1910-1962), diva do movimento modernista brasileiro cujo centenário de nascimento é comemorado hoje com a abertura da programação "Viva Pagu", no Centro de Estudos Pagu Unisanta, em Santos.

A programação do centenário envolve várias cidades, entre elas Santos, Paraty (na Flip) e São Paulo (hoje serão apresentadas cartas inéditas suas na Casa das Rosas). No dia 1º, no mesmo local, será lançado o livro "Viva Pagu - Fotobiografia de Patrícia Galvão", de Lúcia Maria Teixeira Furlani e Geraldo Galvão Ferraz, seguido de exposição com imagens raras da também pioneira escritora militante: é dela o primeiro romance proletário publicado no Brasil, "Parque Industrial" (1931).

A fotobiografia, com documentos inéditos, será seguida (no fim do ano) por uma coleção de quatro livros que reúne toda a produção jornalística de Pagu. Associada à figura da extravagante garota que conquistou o inventor do modernismo e depois virou militante comunista, Pagu, parente de Frei Galvão, o primeiro santo brasileiro, foi amiga de intelectuais como Borges e Breton. Ela morreu em 1962 e traduziu autores importantes (Ionesco, Arrabal), formando dramaturgos como Plínio Marcos.

Pagu, também criou para o teatro. Foram peças curtas em um ato, como "Fuga e Variações", escrita em 1954. Ela resumiu assim esse seu trabalho: "Jovens colegiais em conflito com os pais, a própria condição, o ambiente, os estudos, os ideais, a religião, a verdade, a liberdade e a coação com o mundo."




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;