Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Desperdício nas prateleiras

Em meio à avalanche de lançamentos é muito comum
achar clássicos da literatura esquecidos e empoeirados


Luciane Mediato
Do Diário do Grande ABC

26/12/2011 | 07:00


As prateleiras das livrarias estão repletas de ''best-sellers'' como a saga ''Crepúsculo'', a trilogia ''Senhor dos Anéis'', ''Comer Rezar e Amar'', ''A Menina que Roubava Livros'', e ''O Monge e o Executivo'', que conquistaram milhões de leitores no mundo. Em meio a essa avalanche de títulos e lançamentos é comum encontrarmos clássicos da literatura esquecidos e empoeirados.

Grandes autores nacionais como Castro Alves, Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Manuel Bandeira, Mario Quintana, José de Alencar e Clarice Lispector, que, através das palavras construíram a história do romantismo e da ficção nacional - também registrando fatos históricos por meio da literatura -, são conhecidos e apreciados por poucas pessoas.

A literatura clássica, apesar de rejeitada por alguns com a justificativa de apresentar linguagem rebuscada e arcaica, se faz necessária. "O clássico é o texto que por sua originalidade força todo o sistema literário a se recompor. A própria ideia de literatura se altera - se torna outra - à luz de cada novo clássico. Uma obra só é clássica porque possui capacidade de continuar dizendo coisas novas a novos leitores independentemente do tempo e do espaço", explica o crítico literário Eduardo Sterzi.

Um dos grandes obstáculos para que obras como ''''O Quinze'''', ''''Vidas Secas'''', ''''Dom Casmurro'''', ''''Quincas Borba'''' e ''''Iracema'''' tenham destaque no século 21 é a falta de leitores. O Brasil é um País que assumidamente não lê.
Hoje, existem dois tipos de leitores: o que lê um livro de fácil assimilação, que não exige racionalidade para entender a obra, e o leitor que prefere um livro com conteúdo filosófico, que lhe acrescente algo e o faz refletir. Esse segundo tipo é o raro.

Esse fenômeno não é fruto da contemporaneidade e dos ''''best-sellers'''' vazios de conteúdo. "Se olharmos para o século 19, já era impressionante a quantidade de besteira que se publicava. Isso vem da formação de um público de massa para a literatura, o que antes nunca houve - e o que, com as facilidades sempre maiores trazidas pela tecnologia, só tende a aumentar", afirma Sterzi.

TEMPO
Outra justificativa para o ostracismo da literatura clássica brasileira é a falta de tempo. Para o crítico o que existe é a sensação de falta de tempo. "A literatura está no meio de uma competição dura com diversas outras atividades e distrações, o que só se ampliou com a internet (mas havia antes o cinema, o rádio, a televisão). Não dá para levar a sério quem reclama de falta de tempo para a literatura mas tem tempo para o Facebook."

Mas a internet não é a grande inimiga dos livros. Ela é uma fantástica biblioteca, que permite acesso à imensa maioria, se não à totalidade, dos clássicos da nossa e de outras literaturas. Para os estudiosos, é também uma conquista excepcional: não só os textos estão disponíveis, com mecanismos de busca que facilitam a pesquisa e o acesso a manuscritos e acervos digitalizados.

INOVAÇÃO
Seguindo a onda que começou nos Estados Unidos com o lançamento de ''Orgulho, Preconceito e Zumbis'', versão com mortos-vivos do clássico de Jane Austin escrito por Seth Grahame-Smith, e ''Razão, Sensibilidade e os Monstros Marinhos'', de Ben H. Winter, a Editora LeYa, através do selo Lua de Papel, lançou quatro ''mashups'' nacionais, misturando mortos-vivos, vampiros, bruxas e criaturas alienígenas às letras tradicionais de romancistas do porte de Machado de Assis e José de Alencar. Uma boa dica para que os jovens se apaixonem - e se habituem - pelos clássicos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;