Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Dekasseguis acusam empresário de golpe


Do Diário do Grande ABC

25/06/1999 | 20:23


Um grupo de descendentes de japoneses - dekasseguis - que trabalhou por muitos anos no Japao e aplicou o dinheiro ganho, quase R$ 1 milhao, na empresa New Brás Comércio e Representaçoes, que oferecia intermediaçao na franquia da Nipomed Serviços Médicos, está acusando o empresário Jesualdo Itsuo Osugi, de 40 anos, de aplicar-lhes um golpe. As pessoas disseram ter acreditado na conversa de Osugi, que as procuraram no Japao oferecendo sociedade. Todos acreditaram.

"Trabalhamos dia e noite, perdemos domingos e feriados em busca de melhor situaçao financeira para as nossas famílias e caímos no maior golpe", lamentou Edson Tsuyoshi Koga, de 36 anos, uma das vítimas. Dois inquéritos apuram a acusaçao contra Osugi. Um no 16.º Distrito Policial, em Vila Clementino, onde o empresário já está indiciado por estelionato. O outro foi aberto no 35.º DP, no Jabaquara, bairro onde está instalada a sede da New Brás, também por estelionato.

Terreno - Osugi defende-se dizendo nao ter aplicado nenhum golpe. Adiantou ter investido o dinheiro na compra de um terreno em Suzano, na Grande Sao Paulo, para a sede da New Brás e em material para a construçao. "Pretendo devolver o dinheiro assim que puder". A Nipomed, ao saber da acusaçao, rescindiu o contrato que tinha com a New Brás e ingressou com interpelaçao contra Osugi na 2.ª Vara Criminal do Jabaquara. Hoje, as 23 pessoas que acusam Osugi reuniram-se na sede da Associaçao dos Imigrantes no Brasil (Asibras), no centro de Sao Paulo.

Quando descobriram o golpe, em dezembro de 1998, as 23 pessoas procuraram a Asibras e o presidente, Sérgio Massanori Morinaga, encaminhou-as para a delegacia do Jabaquara. Segundo Morinaga, a esperança das vítimas de Osugi é que a Justiça consiga recuperar o dinheiro que entregaram a ele e ganharam com "sacrifício" trabalhando em fábricas do Japao.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dekasseguis acusam empresário de golpe

Do Diário do Grande ABC

25/06/1999 | 20:23


Um grupo de descendentes de japoneses - dekasseguis - que trabalhou por muitos anos no Japao e aplicou o dinheiro ganho, quase R$ 1 milhao, na empresa New Brás Comércio e Representaçoes, que oferecia intermediaçao na franquia da Nipomed Serviços Médicos, está acusando o empresário Jesualdo Itsuo Osugi, de 40 anos, de aplicar-lhes um golpe. As pessoas disseram ter acreditado na conversa de Osugi, que as procuraram no Japao oferecendo sociedade. Todos acreditaram.

"Trabalhamos dia e noite, perdemos domingos e feriados em busca de melhor situaçao financeira para as nossas famílias e caímos no maior golpe", lamentou Edson Tsuyoshi Koga, de 36 anos, uma das vítimas. Dois inquéritos apuram a acusaçao contra Osugi. Um no 16.º Distrito Policial, em Vila Clementino, onde o empresário já está indiciado por estelionato. O outro foi aberto no 35.º DP, no Jabaquara, bairro onde está instalada a sede da New Brás, também por estelionato.

Terreno - Osugi defende-se dizendo nao ter aplicado nenhum golpe. Adiantou ter investido o dinheiro na compra de um terreno em Suzano, na Grande Sao Paulo, para a sede da New Brás e em material para a construçao. "Pretendo devolver o dinheiro assim que puder". A Nipomed, ao saber da acusaçao, rescindiu o contrato que tinha com a New Brás e ingressou com interpelaçao contra Osugi na 2.ª Vara Criminal do Jabaquara. Hoje, as 23 pessoas que acusam Osugi reuniram-se na sede da Associaçao dos Imigrantes no Brasil (Asibras), no centro de Sao Paulo.

Quando descobriram o golpe, em dezembro de 1998, as 23 pessoas procuraram a Asibras e o presidente, Sérgio Massanori Morinaga, encaminhou-as para a delegacia do Jabaquara. Segundo Morinaga, a esperança das vítimas de Osugi é que a Justiça consiga recuperar o dinheiro que entregaram a ele e ganharam com "sacrifício" trabalhando em fábricas do Japao.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;