Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

‘Vinte e um vereadores são suficientes’

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

07/01/2015 | 07:00


Recém-empossado presidente da Câmara de Santo André para o biênio 2015-2016, Bispo Ronaldo de Castro (PRB) afirmou que não defende o aumento no número de vereadores, de 21 para 27 vagas, durante sua legislatura.

Em visita à sede do Diário, o parlamentar assegurou que o momento é desfavorável, lembrando que a Casa rejeitou a proposta em 2011. “Veio essa chance no passado de aumentar em mais seis cadeiras, mas não ocorreu, passou. Eu não vou encampar isso. Outro ponto é o que acontece na política de hoje, uma desmotivação grande. Vejo como mais que suficientes 21 vereadores”, justificou o republicano.

Como marca, Ronaldo prometeu revolucionar o trabalho na Casa, revelando que seu mandato vai ser mais ativo nas ruas da cidade, junto à população. “Vou proporcionar uma Câmara itinerante. O Legislativo ficará mais próximo da população, indo até o cidadão e as entidades da cidade. Eu creio que esse seja um trabalho diferenciado. Essa nova presidência vai a esses lugares para ouvir e vai se colocar à disposição para ajudar no quer for necessário”, considerou.

O novo chefe do Legislativo relatou os bastidores de sua vitória, ocorrida no mês passado, contra Elian Santana (Pros), por 12 votos a nove, admitindo que não tinha desejo de ser candidato. “Foi uma coisa que caiu no colo. Não tinha pretensão, mas é claro que se recebesse a chance não iria recusar. E eu recebi o convite”, argumentou.

Integrante da comissão que passou a vistoriar equipamentos de Saúde na cidade, o parlamentar revelou situação “desesperadora” nos PAs (Prontos Atendimentos) e destacou que uma das medidas seria a demissão do secretário da Pasta, Homero Nepomuceno Duarte. “Eu acho que tem de trocar o secretário. Não tenho nada contra, mas ele está omisso. Não sei se tem autonomia para agir”, determinou.

Confira entrevista completa

Qual será a principal mudança que o sr. pretende fazer à frente da Câmara?
Vou proporcionar uma Câmara itinerante. O Legislativo ficará mais próximo da população, indo até o cidadão e as entidades da cidade. Eu creio que este seja um trabalho diferenciado. Porque instituições sociais são fundamentais no município, cada um com seu valor e prestígio, e precisam ser ouvidas. Essa nova presidência vai a esses lugares para ouvir e se colocará à disposição para ajudar no quer for necessário.

Como partiu essa iniciativa de trabalho?
Eu já tinha esse pensamento. Mas tudo foi uma construção com os demais vereadores do G-12 (ala de vereadores independentes) e dialogando também com a população. Esse será o trabalho que precisa ser feito: a Câmara vai assumir a cidade, fiscalizando e tenho ciência dos problemas.

O sr. acredita em alguma dificuldade no trabalho na Casa por ter vencido o pleito em votação apertada e tensa?
O G-12 me escolheu. Eu nunca tinha participado com este bloco. É natural que, diante disso, divergências possam acontecer. São 21 parlamentares, cada um com uma cabeça, um pensamento. No entanto, tenho de focar no trabalho e vou ser o presidente de todos os vereadores. Democracia é assim. Estou tranquilo para o cotidiano da presidência. Eu costumo recorrer a uma frase: o derrotado sempre procura alguém para acusar, mas o vencedor não precisa dar explicações. Penso que tudo mais tenso que já ocorreu foi no calor da eleição.

Durante as semanas que antecederam a eleição, o sr. não era apontado nem como candidato. Como foi esse processo?
Foi uma coisa que caiu no colo. Não tinha pretensão. Mas é claro que, se recebesse a chance, não iria recusar. E eu recebi o convite do G-12. No outro bloco (governista), seria terceiro secretário, que é (função) inócua.

O sr. então não estava atrelado a nenhum dos grupos?
Isso. Conversava com os dois lados. E a proposta que surgiu, sem a presença do (prefeito, Carlos) Grana (do PT), foi a terceira secretaria, sem conversar. E já tinham me oferecido a primeira secretaria. Quer dizer, mudaram e sem avisar. Nem pergutaram. Faltou articulação. Não houve qualquer debate. Estava disposto a aceitar que outros poderiam ser presidentes. A situação se arrastou. Foi quando o G-12 me convidou e disse: ‘O cavalo está selado, quer montar?’ Eu disse que sim.

Como ficou o relacionamento do sr. com o Executivo após oficialização da vitória?
O Grana me ligou, parabenizando. É lógico que deve ter escutado um monte de questionamentos e opiniões. Não sei a maneira como ele recebeu a derrota. Mas eu escutei que ele não se julgou derrotado, porque a eleição de prefeito será daqui a dois anos. O que for em benefício da cidade nós vamos colaborar com o governo. Eu farei uma visita ao Grana para colocarmos o Legislativo à disposição. O G-12 tem essa responsabilidade e muito empenho.

Seu antecessor, o vereador Donizeti Pereira (PV), garantiu que trabalharia para a permanência de apenas 21 cadeiras no Legislativo. O sr., enquanto presidente, defende essa posição?
Veio essa chance no passado de aumentar mais seis cadeiras, mas não ocorreu, passou. Eu não vou encampar isso. Por mais que a legislação garanta o direito, por conta do nosso número de habitantes. Outro ponto é o que acontece na política de hoje, uma desmotivação grande. Na última eleição, por exemplo, registrou-se um grande número de abstenções. A população está desencantada. Era para servir e ajudar e não está acontecendo. Por isso encampar 27 vereadores é absurdo. Eu não encabeço isso.
Vinte e um vereadores é o número suficiente para atender às demandas do município?
Sim. Vejo 21 vereadores como suficientes.

Um de seus primeiros trabalhos será estar à frente da reforma da Câmara e construção de anexo. Essas obras visam adequar o prédio para aumento futuro de parlamentares?
Não. Inclusive o anexo será para adequar o setor administrativo, que sofre problemas estruturais. Serão reformas necessárias. Nos gabinetes, por exemplo, quero colocar TV para assistir à sessão. Teremos o painel eletrônico e outras realizações. Esperamos ter melhor convívio dentro da Casa. Eu, quando comecei a exercer meu mandato de vereador, achei o prédio bem deteriorado, em espaços no gabinete, internet e outros problemas.

Sobre o painel eletrônico, há estimativa de quando irá se gastar?
O Tribunal de Contas já fez avaliação e a gente se adequou. O valor não deve passar de R$ 400 mil.

E em relação ao custo todo da reforma, já se sabe o valor do montante a ser gasto?
É em torno de R$ 2,4 milhões, pois há serviços necessários. Como, por exemplo, uma pilastra que apresenta fissuras. O custo desta intervenção está em torno de R$ 900 mil. Esse total é só para a primeira parte. Depois eu mesmo vou precisar contratar para obras de modernização. Essa etapa inicial será mais estrutural. Vamos implementar ar-condicionado, o plenário será reformado, a introdução de novo pacote de velocidade para internet. Acho que isso será concluído em fevereiro.

O G-12 iniciou vistorias em equipamentos públicos, assim como fez em 2013. Esse trabalho terá continuidade?
Começamos a realizar essa ação no Natal e já visitamos três PAs (Prontos Atendimentos): Bangu, da Vila Luzita e Central. É um trabalho muito nobre dos médicos e enfermeiras. E o que vemos de estrutura é muito precário. Às vezes, o morador quer desabafar naquele servidor que está lhe atendendo, não enxergando o que está por trás, que é a má gestão. Não adianta eu falar que trata-se de um problema do País todo. Isso é desculpa? O imposto que se paga que precisa se investir.

O sr. considera que a Saúde de Santo André não está sendo bem gerida?
Acho que não está sendo bem administrada.

O sr. defende a saída do secretário, então?
Eu acho que tem de trocar o secretário (Homero Nepomuceno Duarte). Essa, inclusive, é uma fala que vem surgindo dentro do G-12. Não temos nada contra a pessoa. Mas para gestão da Saúde é necessário ir lá para resolver. A situação é desesperadora. Você vê, por exemplo, infestação de mosquito em algumas unidades. A médica relatou para nós que vai para casa toda picada. Outro exemplo é a poltrona destinada para as mães, próximo à pediatria, que está toda rasgada e em péssimas condições de uso. Quer dizer, são dois anos já. Poxa, são móveis, é necessário trocar, possibilitar uso para o profissional. Vimos no PA Central uma mulher aguardando por duas horas o médico para mostrar uma chapa de raio X. O marido, já nervoso, deixou ela lá, foi até São Bernardo e quando voltou não havia sido realizado atendimento.

De que maneira o G-12 vai trabalhar com toda a informação coletada, in loco, nas unidades de Saúde?
Nós estamos reunindo todas as informações. Em cada local fizemos relatório e depois faremos um apanhado de todos (os documentos) a fim de cobrar ações do Executivo. Não tenho nada contra o secretário, mas ele está omisso. Não sei se tem autonomia para agir. Vamos seguir fiscalizando. Tem unidade, do Parque Capuava, que já tem denúncia de enxurrada dentro dela. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘Vinte e um vereadores são suficientes’

Leandro Baldini
Do Diário do Grande ABC

07/01/2015 | 07:00


Recém-empossado presidente da Câmara de Santo André para o biênio 2015-2016, Bispo Ronaldo de Castro (PRB) afirmou que não defende o aumento no número de vereadores, de 21 para 27 vagas, durante sua legislatura.

Em visita à sede do Diário, o parlamentar assegurou que o momento é desfavorável, lembrando que a Casa rejeitou a proposta em 2011. “Veio essa chance no passado de aumentar em mais seis cadeiras, mas não ocorreu, passou. Eu não vou encampar isso. Outro ponto é o que acontece na política de hoje, uma desmotivação grande. Vejo como mais que suficientes 21 vereadores”, justificou o republicano.

Como marca, Ronaldo prometeu revolucionar o trabalho na Casa, revelando que seu mandato vai ser mais ativo nas ruas da cidade, junto à população. “Vou proporcionar uma Câmara itinerante. O Legislativo ficará mais próximo da população, indo até o cidadão e as entidades da cidade. Eu creio que esse seja um trabalho diferenciado. Essa nova presidência vai a esses lugares para ouvir e vai se colocar à disposição para ajudar no quer for necessário”, considerou.

O novo chefe do Legislativo relatou os bastidores de sua vitória, ocorrida no mês passado, contra Elian Santana (Pros), por 12 votos a nove, admitindo que não tinha desejo de ser candidato. “Foi uma coisa que caiu no colo. Não tinha pretensão, mas é claro que se recebesse a chance não iria recusar. E eu recebi o convite”, argumentou.

Integrante da comissão que passou a vistoriar equipamentos de Saúde na cidade, o parlamentar revelou situação “desesperadora” nos PAs (Prontos Atendimentos) e destacou que uma das medidas seria a demissão do secretário da Pasta, Homero Nepomuceno Duarte. “Eu acho que tem de trocar o secretário. Não tenho nada contra, mas ele está omisso. Não sei se tem autonomia para agir”, determinou.

Confira entrevista completa

Qual será a principal mudança que o sr. pretende fazer à frente da Câmara?
Vou proporcionar uma Câmara itinerante. O Legislativo ficará mais próximo da população, indo até o cidadão e as entidades da cidade. Eu creio que este seja um trabalho diferenciado. Porque instituições sociais são fundamentais no município, cada um com seu valor e prestígio, e precisam ser ouvidas. Essa nova presidência vai a esses lugares para ouvir e se colocará à disposição para ajudar no quer for necessário.

Como partiu essa iniciativa de trabalho?
Eu já tinha esse pensamento. Mas tudo foi uma construção com os demais vereadores do G-12 (ala de vereadores independentes) e dialogando também com a população. Esse será o trabalho que precisa ser feito: a Câmara vai assumir a cidade, fiscalizando e tenho ciência dos problemas.

O sr. acredita em alguma dificuldade no trabalho na Casa por ter vencido o pleito em votação apertada e tensa?
O G-12 me escolheu. Eu nunca tinha participado com este bloco. É natural que, diante disso, divergências possam acontecer. São 21 parlamentares, cada um com uma cabeça, um pensamento. No entanto, tenho de focar no trabalho e vou ser o presidente de todos os vereadores. Democracia é assim. Estou tranquilo para o cotidiano da presidência. Eu costumo recorrer a uma frase: o derrotado sempre procura alguém para acusar, mas o vencedor não precisa dar explicações. Penso que tudo mais tenso que já ocorreu foi no calor da eleição.

Durante as semanas que antecederam a eleição, o sr. não era apontado nem como candidato. Como foi esse processo?
Foi uma coisa que caiu no colo. Não tinha pretensão. Mas é claro que, se recebesse a chance, não iria recusar. E eu recebi o convite do G-12. No outro bloco (governista), seria terceiro secretário, que é (função) inócua.

O sr. então não estava atrelado a nenhum dos grupos?
Isso. Conversava com os dois lados. E a proposta que surgiu, sem a presença do (prefeito, Carlos) Grana (do PT), foi a terceira secretaria, sem conversar. E já tinham me oferecido a primeira secretaria. Quer dizer, mudaram e sem avisar. Nem pergutaram. Faltou articulação. Não houve qualquer debate. Estava disposto a aceitar que outros poderiam ser presidentes. A situação se arrastou. Foi quando o G-12 me convidou e disse: ‘O cavalo está selado, quer montar?’ Eu disse que sim.

Como ficou o relacionamento do sr. com o Executivo após oficialização da vitória?
O Grana me ligou, parabenizando. É lógico que deve ter escutado um monte de questionamentos e opiniões. Não sei a maneira como ele recebeu a derrota. Mas eu escutei que ele não se julgou derrotado, porque a eleição de prefeito será daqui a dois anos. O que for em benefício da cidade nós vamos colaborar com o governo. Eu farei uma visita ao Grana para colocarmos o Legislativo à disposição. O G-12 tem essa responsabilidade e muito empenho.

Seu antecessor, o vereador Donizeti Pereira (PV), garantiu que trabalharia para a permanência de apenas 21 cadeiras no Legislativo. O sr., enquanto presidente, defende essa posição?
Veio essa chance no passado de aumentar mais seis cadeiras, mas não ocorreu, passou. Eu não vou encampar isso. Por mais que a legislação garanta o direito, por conta do nosso número de habitantes. Outro ponto é o que acontece na política de hoje, uma desmotivação grande. Na última eleição, por exemplo, registrou-se um grande número de abstenções. A população está desencantada. Era para servir e ajudar e não está acontecendo. Por isso encampar 27 vereadores é absurdo. Eu não encabeço isso.
Vinte e um vereadores é o número suficiente para atender às demandas do município?
Sim. Vejo 21 vereadores como suficientes.

Um de seus primeiros trabalhos será estar à frente da reforma da Câmara e construção de anexo. Essas obras visam adequar o prédio para aumento futuro de parlamentares?
Não. Inclusive o anexo será para adequar o setor administrativo, que sofre problemas estruturais. Serão reformas necessárias. Nos gabinetes, por exemplo, quero colocar TV para assistir à sessão. Teremos o painel eletrônico e outras realizações. Esperamos ter melhor convívio dentro da Casa. Eu, quando comecei a exercer meu mandato de vereador, achei o prédio bem deteriorado, em espaços no gabinete, internet e outros problemas.

Sobre o painel eletrônico, há estimativa de quando irá se gastar?
O Tribunal de Contas já fez avaliação e a gente se adequou. O valor não deve passar de R$ 400 mil.

E em relação ao custo todo da reforma, já se sabe o valor do montante a ser gasto?
É em torno de R$ 2,4 milhões, pois há serviços necessários. Como, por exemplo, uma pilastra que apresenta fissuras. O custo desta intervenção está em torno de R$ 900 mil. Esse total é só para a primeira parte. Depois eu mesmo vou precisar contratar para obras de modernização. Essa etapa inicial será mais estrutural. Vamos implementar ar-condicionado, o plenário será reformado, a introdução de novo pacote de velocidade para internet. Acho que isso será concluído em fevereiro.

O G-12 iniciou vistorias em equipamentos públicos, assim como fez em 2013. Esse trabalho terá continuidade?
Começamos a realizar essa ação no Natal e já visitamos três PAs (Prontos Atendimentos): Bangu, da Vila Luzita e Central. É um trabalho muito nobre dos médicos e enfermeiras. E o que vemos de estrutura é muito precário. Às vezes, o morador quer desabafar naquele servidor que está lhe atendendo, não enxergando o que está por trás, que é a má gestão. Não adianta eu falar que trata-se de um problema do País todo. Isso é desculpa? O imposto que se paga que precisa se investir.

O sr. considera que a Saúde de Santo André não está sendo bem gerida?
Acho que não está sendo bem administrada.

O sr. defende a saída do secretário, então?
Eu acho que tem de trocar o secretário (Homero Nepomuceno Duarte). Essa, inclusive, é uma fala que vem surgindo dentro do G-12. Não temos nada contra a pessoa. Mas para gestão da Saúde é necessário ir lá para resolver. A situação é desesperadora. Você vê, por exemplo, infestação de mosquito em algumas unidades. A médica relatou para nós que vai para casa toda picada. Outro exemplo é a poltrona destinada para as mães, próximo à pediatria, que está toda rasgada e em péssimas condições de uso. Quer dizer, são dois anos já. Poxa, são móveis, é necessário trocar, possibilitar uso para o profissional. Vimos no PA Central uma mulher aguardando por duas horas o médico para mostrar uma chapa de raio X. O marido, já nervoso, deixou ela lá, foi até São Bernardo e quando voltou não havia sido realizado atendimento.

De que maneira o G-12 vai trabalhar com toda a informação coletada, in loco, nas unidades de Saúde?
Nós estamos reunindo todas as informações. Em cada local fizemos relatório e depois faremos um apanhado de todos (os documentos) a fim de cobrar ações do Executivo. Não tenho nada contra o secretário, mas ele está omisso. Não sei se tem autonomia para agir. Vamos seguir fiscalizando. Tem unidade, do Parque Capuava, que já tem denúncia de enxurrada dentro dela. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;