Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Donisete Braga aumenta taxa de iluminação de Mauá em 6,34% para 2015

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Residências passam a pagar R$ 7,99 ao mês; expectativa é arrecadar R$ 12,8 milhões


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

05/01/2015 | 07:00


O prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), aumentou em 6,34% a CIP (Contribuição de Iluminação Pública), que passa de R$ 7,52, em 2014, para R$ 7,99 para residências neste ano. A expectativa do Executivo é de arrecadar fatia de R$ 12,8 milhões com a taxa no Orçamento de R$ 1,6 bilhão para o período.

A administração petista aplicou o índice do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), vinculado ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), que mediu a variação da inflação de novembro de 2013 a outubro de 2014. A argumentação do Paço é a de que a mudança no valor do imposto é apenas reposição inflacionária.

Para as demais categorias o custo da CIP neste ano será de R$ 19,06 para comércio e prestadores de serviços, R$ 27,74 para a indústria, R$ 19,06 ao poder público, com exceção do municipal, R$ 7,99 para o setor rural e R$ 19,06 para imóveis da AES Eletropaulo.

O imposto foi instituído em 2009, na gestão do ex-prefeito Oswaldo Dias (PT), e passou a ser cobrado em 2010. A taxa sofreu resistência na Câmara, porém foi avalizada por unanimidade.

TAXA DO LIXO
Donisete tentou instituir a taxa do lixo no ano passado que teria custo médio para as residências de R$ 6,60. A expectativa era engordar a receita municipal em cerca de R$ 20 milhões somente no primeiro ano em que o imposto passasse a vigorar.

A proposta, no entanto, enfrentou resistência de vereadores na Câmara e acabou sendo desvinculada do projeto de lei que promoveu reforma tributária no município. Donisete reconheceu que não havia consenso no Legislativo, disse que o recurso era necessário e relatou que será obrigado a remanejar o Orçamento deste ano porque contava com a receita. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Donisete Braga aumenta taxa de iluminação de Mauá em 6,34% para 2015

Residências passam a pagar R$ 7,99 ao mês; expectativa é arrecadar R$ 12,8 milhões

Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

05/01/2015 | 07:00


O prefeito de Mauá, Donisete Braga (PT), aumentou em 6,34% a CIP (Contribuição de Iluminação Pública), que passa de R$ 7,52, em 2014, para R$ 7,99 para residências neste ano. A expectativa do Executivo é de arrecadar fatia de R$ 12,8 milhões com a taxa no Orçamento de R$ 1,6 bilhão para o período.

A administração petista aplicou o índice do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), vinculado ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), que mediu a variação da inflação de novembro de 2013 a outubro de 2014. A argumentação do Paço é a de que a mudança no valor do imposto é apenas reposição inflacionária.

Para as demais categorias o custo da CIP neste ano será de R$ 19,06 para comércio e prestadores de serviços, R$ 27,74 para a indústria, R$ 19,06 ao poder público, com exceção do municipal, R$ 7,99 para o setor rural e R$ 19,06 para imóveis da AES Eletropaulo.

O imposto foi instituído em 2009, na gestão do ex-prefeito Oswaldo Dias (PT), e passou a ser cobrado em 2010. A taxa sofreu resistência na Câmara, porém foi avalizada por unanimidade.

TAXA DO LIXO
Donisete tentou instituir a taxa do lixo no ano passado que teria custo médio para as residências de R$ 6,60. A expectativa era engordar a receita municipal em cerca de R$ 20 milhões somente no primeiro ano em que o imposto passasse a vigorar.

A proposta, no entanto, enfrentou resistência de vereadores na Câmara e acabou sendo desvinculada do projeto de lei que promoveu reforma tributária no município. Donisete reconheceu que não havia consenso no Legislativo, disse que o recurso era necessário e relatou que será obrigado a remanejar o Orçamento deste ano porque contava com a receita. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;