Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Pedro Mariano e Orquestra

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Novo projeto do cantor incluiu shows em sete cidades brasileiras com músicos locais


Andréa Ciaffone
Do Diário do Grande ABC

13/10/2014 | 07:00


Os palcos ficaram pequenos para Pedro Mariano, que fez uma turnê acompanhado por formações com 20 ou 24 músicos. “A experiência de cantar com orquestra é sensacional. Acabei ficando mal-acostumado”, diz com bom-humor o intérprete, que está lançando o CD/DVD Pedro Mariano e Orquestra.

“Gravamos em 2013, mas esperamos até agora para lançar. Pensei comigo: esperei a vida inteira para fazer um projeto assim, não vou me apressar”, conta Mariano. Vale notar que quando o cantor diz “a vida inteira”, o significado da expressão cresce. Ele é o segundo filho de Elis Regina (o primeiro com o pianista e arranjador César Camargo Mariano), irmão mais velho da cantora Maria Rita e meio-irmão do produtor João Marcelo Bôscoli – o primeiro filho da cantora e do instrumentista Marcelo Mariano. “A qualidade das canções da MPB permite que se faça arranjos para orquestra”, conta. No repertório, estão canções de sua autoria e de Ivan Lins, Djavan, Roberto Carlos, Gonzaguinha, Jair Oliveira, Ana Carolina, entre outros.

Ao conceber o projeto, o cantor buscou extrair o melhor do mundo erudito e do popular. Violinos, violas e celos representavam as orquestras clássicas, mas funcionavam em um diálogo criativo com saxofones, flautas, trompetes e trombones com sonoridade mais próxima do popular, puxando para o jazz. “Isso nos deu a flexibilidade necessária para os arranjos”, explica.

Mas, a ousadia do projeto era ainda maior: o show foi feito em sete cidades brasileiras (Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Recife, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo), onde ocorreu a gravação do CD/DVD. Em cada capital, havia colaboração de orquestras locais. “Viajamos com o primeiro violino e o primeiro trompete para que eles fizessem a tradução dos arranjos para as equipes locais. Foi muito trabalhoso, mas o entusiasmo com que o projeto foi recebido em cada cidade foi gratificante”, diz.

Ao longo da viagem, Mariano visitou crianças de comunidades de alto risco para falar sobre o projeto, música e seus fatores transformadores. No fim, quem acabou diferente foi ele. “Não dá para conviver com esses jovens, ver o engajamento deles, e sair a mesma pessoa. É algo transformador em tantos níveis que nem é possível descrever. Ainda mais para alguém que, como eu, vive de emoção.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pedro Mariano e Orquestra

Novo projeto do cantor incluiu shows em sete cidades brasileiras com músicos locais

Andréa Ciaffone
Do Diário do Grande ABC

13/10/2014 | 07:00


Os palcos ficaram pequenos para Pedro Mariano, que fez uma turnê acompanhado por formações com 20 ou 24 músicos. “A experiência de cantar com orquestra é sensacional. Acabei ficando mal-acostumado”, diz com bom-humor o intérprete, que está lançando o CD/DVD Pedro Mariano e Orquestra.

“Gravamos em 2013, mas esperamos até agora para lançar. Pensei comigo: esperei a vida inteira para fazer um projeto assim, não vou me apressar”, conta Mariano. Vale notar que quando o cantor diz “a vida inteira”, o significado da expressão cresce. Ele é o segundo filho de Elis Regina (o primeiro com o pianista e arranjador César Camargo Mariano), irmão mais velho da cantora Maria Rita e meio-irmão do produtor João Marcelo Bôscoli – o primeiro filho da cantora e do instrumentista Marcelo Mariano. “A qualidade das canções da MPB permite que se faça arranjos para orquestra”, conta. No repertório, estão canções de sua autoria e de Ivan Lins, Djavan, Roberto Carlos, Gonzaguinha, Jair Oliveira, Ana Carolina, entre outros.

Ao conceber o projeto, o cantor buscou extrair o melhor do mundo erudito e do popular. Violinos, violas e celos representavam as orquestras clássicas, mas funcionavam em um diálogo criativo com saxofones, flautas, trompetes e trombones com sonoridade mais próxima do popular, puxando para o jazz. “Isso nos deu a flexibilidade necessária para os arranjos”, explica.

Mas, a ousadia do projeto era ainda maior: o show foi feito em sete cidades brasileiras (Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Recife, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo), onde ocorreu a gravação do CD/DVD. Em cada capital, havia colaboração de orquestras locais. “Viajamos com o primeiro violino e o primeiro trompete para que eles fizessem a tradução dos arranjos para as equipes locais. Foi muito trabalhoso, mas o entusiasmo com que o projeto foi recebido em cada cidade foi gratificante”, diz.

Ao longo da viagem, Mariano visitou crianças de comunidades de alto risco para falar sobre o projeto, música e seus fatores transformadores. No fim, quem acabou diferente foi ele. “Não dá para conviver com esses jovens, ver o engajamento deles, e sair a mesma pessoa. É algo transformador em tantos níveis que nem é possível descrever. Ainda mais para alguém que, como eu, vive de emoção.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;