Memória

Em 1968, Arena 5, MDB 0


Nas eleições municipais daquele ano de chumbo da política brasileira, a Aliança Renovadora Nacional ganhou em todos os municípios locais, fato que se repetiu pelo País afora

ELEIÇÃO 30
Pela primeira vez na história das eleições municipais do Grande ABC cinco cidades foram às urnas no mesmo dia, em pleitos domésticos: o ABC de Santo André, São Bernardo e São Caetano, mais Diadema e Rio Grande da Serra. Era 15 de novembro de 1968.
Os prefeitos de Mauá, Elio Bernardi, e Ribeirão Pires, Santinho Carnavale, ainda tinham um ano de mandato e as duas cidades teriam eleições municipais isoladas em 1969.
No bipartidarismo daquele feriado da República, os arenistas começavam a ganhar na apresentação dos candidatos, com as sublegendas Arena 1, Arena 2, Arena 3.
Já o MDB apresentou três candidatos do mesmo partido apenas em São Caetano, com o MDB 1, MDB 2 e MDB 3.

NO ESTADO

Em termos estaduais, 5,5 milhões de eleitores estavam aptos a votar em prefeitos e vereadores em 489 municípios. Em 15 municípios haveria eleições apenas para a escolha de vereadores, caso da Capital.
Pela proximidade do Grande ABC, vale destacar Praia Grande, emancipada em 1966 e que elegeu o primeiro prefeito da sua história, Dorivaldo Loria Junior, da Arena, com 881 votos. 

Pinotti vence Franchini
Massei ganha de Campanella
Duas vereadoras apenas são eleitas
O prefeito que fez campanha de bicicleta


451 – Em Santo André a disputa para prefeito foi entre o arenista Newton Brandão e o emedebista José Cabral de Almeida Amazonas. Deu Brandão, com 74.424 votos, contra 25.336 do Amazonas.
Antonio Pezzolo era o novo vice-prefeito – não precisou ser votado; as regras eleitorais já estabeleciam que os votos eram sempre para o cabeça da chapa, o candidato a prefeito.
452 – Em São Bernardo, três arenistas versus um emedebista. Mas a disputa era mesmo entre os governistas. Pela Arena 1, Jaime Franchini, apoiado pelo prefeito Hygino de Lima, obteve 13.139 votos; pela Arena 2, o vice-prefeito Aldino Pinotti ganhou com 32.461 votos; e pela Arena 3, Felipe Cheidde, 765. Rui Amaral, do MDB, obteve 1.216 votos.
Pinotti elegia-se ao seu segundo mandato como prefeito, com Geraldo Faria Rodrigues de vice.
453 – Em São Caetano, seis candidatos, com a vitória de Oswaldo Massei, da Arena 1, com 28.885 votos contra o deputado federal Anacleto Campanella, do MDB 1, que alcançou 11.058 votos; Joaquim Jacome Formiga, do MDB 2, também foi bem votado, com 10.298 votos.
Pela Arena 2, Odilon de Souza Melo, 1.290 votos; e pela Arena 3, Giro Striani com 1.267 votos; pelo MDB 3, o jovem Floriano Leandrini – futuro deputado estadual – ficou com 3.221 votos.
O advogado Antonio Russo, que rompera com a ala Braido/Massei, acabou se reconciliando e foi eleito vice-prefeito de São Caetano.
454 – Em Diadema, três arenistas contra um emedebista: pela Arena 1, Cid Gomes Fernandes obteve 2.834 votos; pela Arena 2, Evandro Caiafa Esquivel 4.230 – o que lhe deu a segunda vitória como prefeito; e pela Arena 3, Antonio Carlos Freitas Martins com 721 votos.
Pelo MDB, o candidato único de Diadema, Mario Santalucia, ficou com 1.140 votos.
Como companheiro de chapa do professor Evandro, Américo Maffia foi eleito vice-prefeito.
455 – Em Rio Grande da Serra, na segunda eleição municipal local, o jovem funcionário da CTBC (Companhia Telefônica da Borda do Campo) Geraldino Loti Filho, pela Arena 2, obteve 609 votos, contra Adelino Figueiredo, da Arena 1, 585 votos. João Bello foi eleito vice-prefeito. Bello, já falecido, deixou um belo depoimento aqui em Memória.
O MDB simplesmente não apresentou candidatos na cidade em 1968, por isso não teve representatividade na Câmara Municipal.
456 – Contas feitas, 302.477 eleitores estavam em condições de votar na 30ª eleição municipal do Grande ABC: 18 candidatos a prefeito e 274 a vereador, com 878 urnas nas cinco cidades.
457 – O prestígio pessoal dos prefeitos eleitos, segundo os analistas da época, foi mais importante do que a aceitação, pelos trabalhadores locais, da situação nacional comandada pelos militares.
O certo é que o “partido da revolução” foi o vitorioso numa região eminentemente operária e que sequer sonhava com a futura criação de um “partido dos trabalhadores”.
A esquerda, em minoria, puxada pelos comunistas, apoiava o MDB – ou o voto nulo.
458 – Não houve uma tendência definida de renovação nas câmaras municipais. Em Santo André, por exemplo, 11, dos 19 vereadores, foram reeleitos.
459 – Duas mulheres apenas foram eleitas: a emedebista Denise Mori Santalucia em Diadema, e a arenista Irinéia José Midolli em Rio Grande da Serra.
460 – Geraldino Loti Filho, jovem de tudo, concentrou sua campanha nos bairros. “Pobre e sem condução, percorreu casa por casa, de bicicleta, e ganhou do favorito, Adelino Figueiredo, de família tradicional e que concentrou campanha no Centro de Rio Grande da Serra”, conforme informou a reportagem do Diário.

A POSSE
Prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de Santo André, São Bernardo e Diadema tomaram posse em 1º de fevereiro de 1969.
Rio Grande da Serra empossou os eleitos em 21 de março; em São Caetano, a posse ocorreu em 5 de abril de 1969, quase cinco meses após a eleição.

Diário há meio século

Domingo, 21 de fevereiro de 1971 – ano 13, edição 1467
Manchete –São Bernardo abre Carnaval festejado ontem (20 de fevereiro de 1971) em todo o ABC

Em 21 de fevereiro de...

1921 - Itália FC, da Segunda Divisão da Apea, promove festival esportivo em São Caetano, com a participação do São Caetano EC, Flor do Ipiranga, Brasil de Santo André, União Fluminense e o próprio Itália.
Bruxelas, 20 – Centenas de pessoas desempregadas estão sendo aproveitadas nos serviços de demolição das fortificações levantadas para a defesa da Antuérpia no começo da guerra.

Hoje

Dia Nacional do orgulho italiano

Santos do dia

Alexandre e companheiros. Martirizados em 434 no Norte da África.

Avito II

Daniele e Vanda

Felix de Metz

Germano e Randoaldo

 Gumberto

Jorge Amastri 

Comentários


Veja Também


Voltar