Cena Política

Alckmin, PSDB e eleição de 2022


Está ganhando corpo, inclusive com torcida e atuação de figuras do Grande ABC, articulação para que o ex-governador Geraldo Alckmin saia candidato ao Palácio dos Bandeirantes. E pelo PSDB. Alckmin foi governador do Estado por quatro mandatos e caiu em desgraça em 2018, quando teve um desempenho muito aquém do esperado na corrida presidencial. Aliada a essa performance veio a mudança de rumos do tucanato, que se alinhou ao discurso de João Doria (PSDB), antigo afilhado e hoje desafeto político de Alckmin. Doria, atual governador, quer ser candidato a presidente e o processo de sua sucessão está no tabuleiro para atração de aliados para a disputa de 2022. O DEM, de seu vice, Rodrigo Garcia, nutre desejo de lançar candidatura em São Paulo com suporte de Doria. Mas Alckmin tem outros planos. E, pelo Interior, o que não falta é político e prefeito dispostos a encampar o nome de Alckmin no pleito estadual.

Peça-chave
Mas dentro do PSDB o governador João Doria conseguiu escantear boa parte da velha guarda do tucanato. Assim, tem força para fazer valer sua estratégia, também de olho em 2022. Dentro da tática para formar ampla coalizão para impulsionar seu projeto presidencial, uma figura tem sido bastante comentada: o secretário paulista de Desenvolvimento Regional e presidente estadual do tucanato, Marco Vinholi. Vinholi tem sido peça importante para aglutinar forças políticas ao redor de Doria, tanto que tem o nome cotado para estar no projeto de 2022 – seja como candidato a governador ou como vice de Rodrigo Garcia (DEM).

Vacina – 1
O Diário mostrou ontem que dois servidores de São Bernardo furaram a fila e tomaram a vacina contra a Covid-19 mesmo sem estarem no grupo prioritário de imunização. Curiosamente, os dois foram candidatos a vereador em partidos aliados ao prefeito Orlando Morando (PSDB). Wanderley Tavares (Avante), que atua na área burocrática do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), e Marilia Batista (Patriota), que trabalha no Centro de Zoonoses, tentaram vaga de vereador no ano passado. Tavares obteve 326 votos. Marilia, 36.

Vacina – 2
O Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos e Autárquicos) de São Bernardo confeccionou nota na qual repudia a vacinação de servidores que não integram grupo prioritário de imunização da Covid-19. A entidade lembra que os funcionários identificados pelo Diário são comissionados e que disputaram o pleito ao lado de Orlando Morando. “O sindicato tomará as medidas jurídicas necessárias para que os servidores prioritários sejam vacinados, sem que haja qualquer tipo de privilégio por parte do governo municipal.”

Vacina – 3
O vereador Julinho Fuzari (DEM), de São Bernardo, criticou a postura do Sindserv no episódio dos fura-filas da vacina contra a Covid. O democrata classificou de calúnia a fala do sindicato de que servidores comissionados da gestão de Orlando Morando (PSDB) foram vacinados antes de profissionais da área da saúde. “Esses funcionários comissionados precisarão aguardar a vez na fila, seguindo série de critérios rígidos. Temos a perspectiva de que até sexta-feira (amanhã) todos os profissionais da saúde da rede pública sejam vacinados. Mas, infelizmente, alguns propagam fake news e apostam na mentira em tempos de dificuldade como o que estamos vivendo. Eles precisam entender que a eleição acabou e é hora de cuidar de vida e de pessoas, em busca do objetivo de sair desta pandemia.”

Vacina – 3
O vereador Julinho Fuzari (DEM), de São Bernardo, criticou a postura do Sindserv no episódio dos fura-filas da vacina contra a Covid. O democrata classificou de calúnia a fala do sindicato de que servidores comissionados da gestão de Orlando Morando (PSDB) foram vacinados antes de profissionais da área da saúde. “Esses funcionários comissionados precisarão aguardar a vez na fila, seguindo série de critérios rígidos. Temos a perspectiva de que até sexta-feira (amanhã) todos os profissionais da saúde da rede pública sejam vacinados. Mas, infelizmente, alguns propagam fake news e apostam na mentira em tempos de dificuldade como o que estamos vivendo. Eles precisam entender que a eleição acabou e é hora de cuidar de vida e de pessoas, em busca do objetivo de sair desta pandemia.” 

Almoço
O prefeito de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania), reservou horário para almoçar hoje com o vereador César Oliva (PSD). O pessedista é um dos mais ferrenhos opositores a José Auricchio Júnior (PSDB) e figura ligada ao ex-prefeiturável Fabio Palacio (PSD).

Comentários


Veja Também


Voltar