Palavra do Leitor

Padre Zezinho não deixou Jesus morto!


Quem nunca ouviu a música Um Certo Galileu, do padre Zezinho? Conhecidíssima pelas suas letra e melodia, em sua voz agradável, fez sucesso por muito tempo! E ainda faz! Há uns cinco anos, com nova roupagem! A letra original dizia: ...‘um certo dia, a beira mar, apareceu um jovem galileu... e seu nome era Jesus de Nazaré, sua fama se espalhou e todos vinham ver, o fenômeno do jovem pregador, que tinha tanto amor... um certo dia, ao tribunal, alguém levou o jovem galileu...

e terminava assim... e mataram a Jesus de Nazaré, e no meio de ladrões puseram sua cruz, mas o mundo ainda tem medo de Jesus, que tinha tanto amor’.

Sempre achei que não podia acabar com Jesus morto – porque Ele não está morto! E que o povo não podia continuar tendo medo de Jesus!

Até que um tempo atrás ouvi do padre Zezinho, em uma de suas apresentações, a seguinte fala: ‘... como eu sou um compositor obediente, depois de quase 40 anos cantando, os bispos – três ou quatro deles – me disseram:

Você matou Jesus e deixou Jesus morto!

Eu falei: ‘O quê?’
– Você fez Um Certo Galileu e termina com a morte! Cadê os outros dogmas?
Aí eu parei, pensei, rezei e, hoje eu vou cantar oficialmente, a quinta estrofe de Um Certo Galileu.

E cantou, as quatro primeiras estrofes, acompanhado da multidão presente, e, depois, sozinho, cantou pela primeira vez a última estrofe, onde diz, com sabedoria poética, que Jesus está vivo e voltará! Aquela estrofe, que eu tanto esperava, diz assim: ‘Vitorioso, ressuscitou, após três dias à vida Ele voltou; ressuscitado, não morre mais; está bem junto ao Pai, pois Ele é o filho eterno; mas Ele vive em cada lar, e onde se encontrar um coração fraterno; proclamamos que Jesus de Nazaré, glorioso e triunfante Deus conosco está; Ele é o Cristo, é a razão da nossa Fé, e um dia voltará!’ Terminada a música, ele grita no meio do palco: Ele está vivo!!!

Eu, que já era fã do padre Zezinho, louvei a Deus pela sua vida de consagração e pela sua vocação como cantor e compositor.

Realmente a Bíblia Sagrada, nossa única regra de fé e prática, nos diz que Jesus voltará e que não ficou morto, na cruz! De fato Ele está vivo!

São dezenas de versículos bíblicos que falam sobre a volta de Jesus. Se estivesse morto não voltaria! Um dos versículos, no livro de Atos dos Apóstolos, capítulo primeiro, verso 11: ‘...Galileus, por que vocês estão olhando para o céu? Este mesmo Jesus, que dentre vocês foi elevado aos céus, voltará da mesma forma como o viram subir’.

Cristo está vivo e voltará!
Gilson Alberto Novaes é presbítero na IPB e diretor do centro de ciências e tecnologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

PALAVRA DO LEITOR

Fotografia
Ao ver fotos aéreas panorâmicas, da Represa Billings e trecho da Rodovia dos Imigrantes (Primeira Página, dia 5), e do bairro diademense Serraria (dia 8), de autoria do repórter fotográfico Celso Luiz, me dei conta de como o trabalho deste valoroso repórter-fotográfico e dos seus demais parceiros de ofício, Claudinei Plaza – o editor de fotografia –, Nario Barbosa, Denis Maciel e André Henriques, é fundamental para tornar as reportagens jornalísticas mais palpitantes e esclarecedoras, dando oportunidade ao leitor de ter viés mais holístico do tema colocado em pauta, apesar do risco que os repórteres-fotográficos podem ter ao ‘embarcarem’ em máquinas voadoras. Também lembrei que meses atrás vi fotos de casa que pegou fogo em Paranapiacaba, de autoria do repórter-fotográfico André Henriques, que ficaram supimpas (dia 27 de julho)! Que Santa Verônica os tenha como pupilos sempre!
João Paulo de Oliveira
Diadema

Ao normal
Políticos em geral têm falado em ‘voltar ao normal’ enquanto ainda estamos sendo atacados por esse vírus mortal, que trouxe a Covid-19 para matar milhares de pessoas. Só que, para mim, voltar ao normal não é abrir de novo shoppings e comércios como vem acontecendo e, sim, fazer parar de morrer gente por causa dessa doença. E a busca por soluções para esta pandemia, para exterminar o vírus, não tem sido feito por eles.
Felipe Luis Simão
Ribeirão Pires

Injustiça
Discordo da leitora Nice do Carmo Veras (Sombrio, dia 8). O presidente Bolsonaro não tem culpa pelas mortes causadas pela pandemia do coronavírus. A culpa é, sim, dos governadores de cada Estado. Exemplo é a cidade de São Paulo, que está consentindo a abertura de alguns estabelecimentos comercias e o Estado bate diariamente recorde no número de mortes pela doença. Como pode querer abrir se ainda está morrendo tanta gente? O que será daqui a uns dias se essas pessoas que estão indo às ruas agora se infectarem com o vírus? Imaginem a confusão que vai ser se tiver de fechar tudo de novo! Ou seja, os prefeitos e governadores erram e a culpa é do presidente? Injusta essa acusação.
Carla Simone Doti
São Bernardo

Indicadores oficiais
A persistir a ideia de se mudar critérios de apuração de indicadores oficiais para conseguir números mais ‘simpáticos’, como para a pandemia da Covid-19 e a criminalidade, por exemplo, logo se proíbe o uso de todo tipo de termômetro, acabando-se, assim, com a febre no Brasil. Com ironia.
Evaristo de Carvalho Neto
Santo André

Fique alerta
Brasileiros do bem, tomem cuidado. Está criando corpo nova versão do mal similar ao Foro de São Paulo. Trata-se do Internacional Progressista. A Covid-19 assola a face da Terra e, para completar o estrago, surge o Internacional Progressista.
Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha (ES)

Empurrando
Vereadores de Santo André, já bem depois – muito depois – do início da pandemia, após cobrança de parte da população – aquela parcela que acompanha os trabalhos –, iniciaram, muito a contragosto, discussões para doação de porcentagem do salário para, de alguma forma, auxiliar no combate ao coronavírus. Desde então nada mudou. Fazem questão de ‘empurrar com a barriga’, achando que ninguém está percebendo, que são os espertões, malandrões. Reles, desprezíveis, não assumem o compromisso e também não informam que não irão colaborar. Fácil saber que, pela falta daquele ‘aspecto morfológico ou fisiológico utilizado para distinguir indivíduos em uma espécie’, o tal caráter, eles não irão doar nada! Ou quando decidirem pela colaboração já terá acabado a pandemia. Enquanto isso, uma vereadora, que emprestava o gabinete para fraudes ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), está de volta após cumprir uns dias no xilindró, recebendo seus vultosos proventos. Pobre Santo André, muito mal representada pela Câmara.
Monice Santacruz
Santo André
 

Comentários


Veja Também


Voltar