Setecidades

No terminal de ônibus de Diadema, escadas rolantes são problema


Usuários do Terminal Metropolitano Diadema, no Centro, reclamam, há cerca de uma semana, das constantes falhas nas escadas rolantes do local. As interdições prejudicam principalmente idosos e pessoas com mobilidade reduzida.

Segundo trabalhadores do local, há uma semana, “sempre tem uma escada rolante totalmente parada”. A principal dificuldade é observada nos horários de pico. “Eles (EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) sinalizam sobre a manutenção, mas isso atrapalha muito”, comenta um funcionário, sob condição de anonimato. 

Para o aposentado Elísio Eugênio, 57 anos, que é deficiente físico – devido fratura no tornozelo direito – e precisa frequentar o terminal de ônibus pelo menos duas vezes por semana para ir a tratamentos agendados, a escada rolante é essencial. “Tenho dificuldade para andar e sinto muita falta quando uma escada rolante está parada. É nosso suporte e acabo caminhando mais até a plataforma”, comenta. 

Josefa Arlete, 56, desempregada, ressalta que sempre tem pelo menos uma escada rolante parada na estação de ônibus e é “frequente isso acontecer”. “Passo frequentemente pelo terminal para acompanhar meu pai em consultas médicas e sempre vejo esse cenário”, destaca. 

A EMTU esclareceu, por meio de nota, que a única escada rolante que não está funcionando no momento é a que dá acesso à plataforma B, que passa por manutenção e modernização. A empresa pontuou ainda que “o serviço, de responsabilidade da concessionária Metra, inclui desmontagem, lubrificação e troca de peças, com previsão de término para julho”. A escada para chegar às plataformas C e D já foi modernizada e o elevador, localizado no piso térreo, está funcionando normalmente, conforme a EMTU. 

Comentários


Veja Também


No terminal de ônibus de Diadema, escadas rolantes são problema

Usuários do Terminal Metropolitano Diadema, no Centro, reclamam, há cerca de uma semana, das constantes falhas nas escadas rolantes do local. As interdições prejudicam principalmente idosos e pessoas com mobilidade reduzida.

Segundo trabalhadores do local, há uma semana, “sempre tem um...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar