Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

FEI produz etanol a partir da banana


Do Diário do Grande ABC

24/06/2009 | 07:00


Como a banana é considerada a fruta tropical mais popular do mundo, os alunos do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana) resolveram fazer jus ao potencial da fruta: pesquisaram e encontraram na casca alternativa viável para a produção de etanol.

Outra descoberta que os estudantes fizeram é o desenvolvimento de biogás a partir da mistura de esterco bovino e resíduos orgânicos contendo glicerina. Ambos os trabalhos, com foco na sustentabilidade, foram mostrados na sexta-feira no campus São Bernardo, durante a VIII Profeq - Apresentação dos Projetos de Formatura do curso de Engenharia Química da FEI.

Durante os testes de laboratório do projeto Obtenção de Etanol a partir de Casca de Banana, um grupo conseguiu o etanol por meio de fermentação. Com aproximadamente 1 kg de cascas, o teor foi de 10% a 15%, o equivalente a volume entre 127 ml e 190 ml.

ESCALA INDUSTRIAL - Além da pesquisa, os formandos desenvolveram projeto completo para quem quiser fabricar o produto em escala industrial. Para uma produção alimentada com 10 mil kg de cascas por hora, a capacidade de produção será de 1.670,6 kg de etanol por hora, o correspondente a 2.115 litros nesse período. Em um ano, a empresa pode alcançar 14.033 toneladas do produto, o que representa 16,8 milhões de litros.

De acordo com o grupo, o custo do investimento é de R$ 9,5 milhões e inclui equipamentos como difusor, caldeira, dornas, trocadores de calor, torre de resfriamento e colunas de destilação.

"A ideia de produzir etanol a partir da casca de banana surgiu devido à importância mundial do etanol e ao consumo da fruta no Brasil", justifica a formanda Nathália Chizzolini, ao adiantar que o bagaço extraído da fruta pode ser utilizado para queima ou como adubo. "A pesquisa é também uma opção futura para a redução do uso de combustíveis derivados do petróleo", sugere.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

FEI produz etanol a partir da banana

Do Diário do Grande ABC

24/06/2009 | 07:00


Como a banana é considerada a fruta tropical mais popular do mundo, os alunos do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana) resolveram fazer jus ao potencial da fruta: pesquisaram e encontraram na casca alternativa viável para a produção de etanol.

Outra descoberta que os estudantes fizeram é o desenvolvimento de biogás a partir da mistura de esterco bovino e resíduos orgânicos contendo glicerina. Ambos os trabalhos, com foco na sustentabilidade, foram mostrados na sexta-feira no campus São Bernardo, durante a VIII Profeq - Apresentação dos Projetos de Formatura do curso de Engenharia Química da FEI.

Durante os testes de laboratório do projeto Obtenção de Etanol a partir de Casca de Banana, um grupo conseguiu o etanol por meio de fermentação. Com aproximadamente 1 kg de cascas, o teor foi de 10% a 15%, o equivalente a volume entre 127 ml e 190 ml.

ESCALA INDUSTRIAL - Além da pesquisa, os formandos desenvolveram projeto completo para quem quiser fabricar o produto em escala industrial. Para uma produção alimentada com 10 mil kg de cascas por hora, a capacidade de produção será de 1.670,6 kg de etanol por hora, o correspondente a 2.115 litros nesse período. Em um ano, a empresa pode alcançar 14.033 toneladas do produto, o que representa 16,8 milhões de litros.

De acordo com o grupo, o custo do investimento é de R$ 9,5 milhões e inclui equipamentos como difusor, caldeira, dornas, trocadores de calor, torre de resfriamento e colunas de destilação.

"A ideia de produzir etanol a partir da casca de banana surgiu devido à importância mundial do etanol e ao consumo da fruta no Brasil", justifica a formanda Nathália Chizzolini, ao adiantar que o bagaço extraído da fruta pode ser utilizado para queima ou como adubo. "A pesquisa é também uma opção futura para a redução do uso de combustíveis derivados do petróleo", sugere.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;