Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Esclerose múltipla gera dificuldades visuais



31/05/2011 | 00:00


A esclerose múltima atinge cerca de 2,5 milhões de pacientes em todo o mundo. É uma doença do sistema nervoso central inflamatória autoimune (quando as defesas do organismo deixam de reconhecer o próprio corpo passam a atacar tecidos saudáveis do organismo, além dos vírus e bactérias). A esclerose múltipla compromete a qualidade de vida de seus portadores, pois gera dificuldades visuais, sensitivas e motoras. Tais alterações costumam surgir precocemente e se agravam com o passar dos anos, variando de um paciente para outro.

Os sintomas mais comuns da doença são a perda da acuidade visual que pode ocorrer em um ou ambos os olhos; perda de força muscular em um braço ou perna, dificuldade de coordenação motora, tremor, disfunção da bexiga e dos intestinos provocando incontinência. Esses sintomas se desenvolvem em duas a quatro semanas em pacientes jovens, na faixa etária que vai dos 20 aos 40 anos, e podem melhorar espontaneamente nos primeiros anos de doença.

Com o passar dos anos, o paciente pode ainda apresentar apatia, desatenção, euforia, choro súbito, entre outras dificuldades.

O tratamento proporciona uma estabilização da doença e permite que o portador da esclerose múltipla tenha melhor qualidade de vida.

Diagnosticada e tratada precocemente, os medicamentos podem retardar o desenvolvimento de novos surtos e riscos de incapacidade neurológica causada pela doença.

Por Yasmin Barcellos



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Esclerose múltipla gera dificuldades visuais


31/05/2011 | 00:00


A esclerose múltima atinge cerca de 2,5 milhões de pacientes em todo o mundo. É uma doença do sistema nervoso central inflamatória autoimune (quando as defesas do organismo deixam de reconhecer o próprio corpo passam a atacar tecidos saudáveis do organismo, além dos vírus e bactérias). A esclerose múltipla compromete a qualidade de vida de seus portadores, pois gera dificuldades visuais, sensitivas e motoras. Tais alterações costumam surgir precocemente e se agravam com o passar dos anos, variando de um paciente para outro.

Os sintomas mais comuns da doença são a perda da acuidade visual que pode ocorrer em um ou ambos os olhos; perda de força muscular em um braço ou perna, dificuldade de coordenação motora, tremor, disfunção da bexiga e dos intestinos provocando incontinência. Esses sintomas se desenvolvem em duas a quatro semanas em pacientes jovens, na faixa etária que vai dos 20 aos 40 anos, e podem melhorar espontaneamente nos primeiros anos de doença.

Com o passar dos anos, o paciente pode ainda apresentar apatia, desatenção, euforia, choro súbito, entre outras dificuldades.

O tratamento proporciona uma estabilização da doença e permite que o portador da esclerose múltipla tenha melhor qualidade de vida.

Diagnosticada e tratada precocemente, os medicamentos podem retardar o desenvolvimento de novos surtos e riscos de incapacidade neurológica causada pela doença.

Por Yasmin Barcellos

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;