Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Morre queniana Prêmio
Nobel da Paz de 2004

Ambientalista Wangari Maathai, de 71 anos, morreu em um
hospital de Nairóbi, onde travou longa batalha contra câncer



26/09/2011 | 02:22


A ambientalista queniana Wangari Maathai, de 71 anos, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 2004, faleceu nesta segunda-feira em um hospital de Nairóbi onde se submetia a um longo tratamento contra o câncer, informou o diretor executivo do Movimento Cinturão Verde, fundado por ela, Karanja Njoroge.

Além do Movimento Cinturão Verde, no Quênia, ela foi uma ativista dos direitos das mulheres e também atuou como parlamentar em seu país. Maathai era bióloga e veterinária e foi a primeira mulher africana a ser agraciada com o Prêmio Nobel da Paz. No momento de sua morte, estava acompanhada por familiares e amigos.

Maathai combinou em seu trabalho o ambientalismo e o ativismo social. Com o Movimento Cinturão Verde, ela mobilizou durante mais de 30 anos mulheres pobres para que estas plantassem 30 milhões de árvores. O comitê do Nobel destacou, ao agraciá-la em 2004, a resistência dela ao regime repressivo do presidente queniano Daniel arap Moi, que ficou no cargo entre 1978 e 2002.

Em seu discurso na cerimônia de entrega do Nobel, Maathai disse que a inspiração para seu trabalho veio de sua infância no interior do Quênia, onde via florestas sendo derrubadas para darem espaço a plantações comerciais, destruindo a biodiversidade e a capacidade das florestas conservarem água.

Em um segundo momento, o Movimento Cinturão Verde também passou a lutar por democracia no Quênia. O primeiro-ministro queniano, Raila Odinga, lamentou a morte. O arcebispo sul-africano Desmond Tutu, também Nobel da Paz, qualificou Maathai como "uma verdadeira heroína africana". A Fundação Nelson Mandela também lamentou a notícia.

Maathai tornou-se a primeira mulher a obter um título de doutora no leste da África, em 1971, na Universidade de Nairóbi, onde depois foi professora.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morre queniana Prêmio
Nobel da Paz de 2004

Ambientalista Wangari Maathai, de 71 anos, morreu em um
hospital de Nairóbi, onde travou longa batalha contra câncer


26/09/2011 | 02:22


A ambientalista queniana Wangari Maathai, de 71 anos, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 2004, faleceu nesta segunda-feira em um hospital de Nairóbi onde se submetia a um longo tratamento contra o câncer, informou o diretor executivo do Movimento Cinturão Verde, fundado por ela, Karanja Njoroge.

Além do Movimento Cinturão Verde, no Quênia, ela foi uma ativista dos direitos das mulheres e também atuou como parlamentar em seu país. Maathai era bióloga e veterinária e foi a primeira mulher africana a ser agraciada com o Prêmio Nobel da Paz. No momento de sua morte, estava acompanhada por familiares e amigos.

Maathai combinou em seu trabalho o ambientalismo e o ativismo social. Com o Movimento Cinturão Verde, ela mobilizou durante mais de 30 anos mulheres pobres para que estas plantassem 30 milhões de árvores. O comitê do Nobel destacou, ao agraciá-la em 2004, a resistência dela ao regime repressivo do presidente queniano Daniel arap Moi, que ficou no cargo entre 1978 e 2002.

Em seu discurso na cerimônia de entrega do Nobel, Maathai disse que a inspiração para seu trabalho veio de sua infância no interior do Quênia, onde via florestas sendo derrubadas para darem espaço a plantações comerciais, destruindo a biodiversidade e a capacidade das florestas conservarem água.

Em um segundo momento, o Movimento Cinturão Verde também passou a lutar por democracia no Quênia. O primeiro-ministro queniano, Raila Odinga, lamentou a morte. O arcebispo sul-africano Desmond Tutu, também Nobel da Paz, qualificou Maathai como "uma verdadeira heroína africana". A Fundação Nelson Mandela também lamentou a notícia.

Maathai tornou-se a primeira mulher a obter um título de doutora no leste da África, em 1971, na Universidade de Nairóbi, onde depois foi professora.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;