Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Renda sobe para 18,5 mi de brasileiros

Classe de menor rendimento representa 26% da população;
11,7 milhões de brasileiros deixaram classe mais baixa


Sérgio Toledo
Do Diário do Grande ABC

06/11/2009 | 07:00


O aumento da renda da população e as boas condições da economia do País levaram 18,5 milhões de brasileiros a mudar de classe social entre 2005 e 2008. Segundo pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), nesse período, 11,7 milhões de brasileiros abandonaram a faixa mais baixa de renda, cujo rendimento individual é de até R$ 188 mensais, e passaram para os segmentos intermediário e superior, com valor mensal entre R$ 188 e R$ 465 mensais e acima de R$ 465, respectivamente.

"Os programas de transferência de renda condicionada (como Bolsa Família) tiveram grande contribuição para esse avanço", disse a professora de Economia da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marlene Laviola. "A estabilidade econômica também colaborou. Os mais prejudicados com a inflação eram as classes mais baixas, já que não têm como proteger a renda."

Segundo ela, com a estabilidade, as famílias passaram a consumir o que não consumiam antes, pois sobra um pouco mais da renda, o que ativa alguns setores da economia.

De acordo com o Ipea, entre 1997 e 2004, o segmento de baixa renda representava 34% da população, mas desde 2005 passou a reduzir rapidamente a sua participação relativa. Em 2008, o segmento de menor renda representou 26% dos brasileiros, a menor participação desde 1995. Mesmo assim, as pessoas que vivem com menos de R$ 188 por mês representam mais de um quarto da população do País.

No ano passado, a classe intermediária representou 37,4% da população, enquanto em 1995 respondia por 32,9%. Entre 2004 e 2008, ingressaram nessa faixa 7 milhões de brasileiros. Já a renda superior, que apresentava tendência de perda de participação entre 1998 e 2004, iniciou recuperação a partir de 2005 e no ano passado respondeu por 36,6% dos brasileiros. também o nível mais alto desde 1995. Entre 2004 e 2008, essa faixa de renda passou a contar com mais 11,5 milhões de brasileiros

Na ascensão da classe de baixa renda para o nível intermediário, as regiões Sudeste e Nordeste responderam por quase 71% da mudança. A região Sudeste registrou a inclusão de 4,9 milhões (36,3%) de indivíduos na segunda faixa, enquanto no Nordeste 4,6 milhões (34,1%) de pessoas saíram da baixa renda. "No Nordeste, grande parte do aumento de rendimentos ocorre por conta dos programas de renda do governo."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Renda sobe para 18,5 mi de brasileiros

Classe de menor rendimento representa 26% da população;
11,7 milhões de brasileiros deixaram classe mais baixa

Sérgio Toledo
Do Diário do Grande ABC

06/11/2009 | 07:00


O aumento da renda da população e as boas condições da economia do País levaram 18,5 milhões de brasileiros a mudar de classe social entre 2005 e 2008. Segundo pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), nesse período, 11,7 milhões de brasileiros abandonaram a faixa mais baixa de renda, cujo rendimento individual é de até R$ 188 mensais, e passaram para os segmentos intermediário e superior, com valor mensal entre R$ 188 e R$ 465 mensais e acima de R$ 465, respectivamente.

"Os programas de transferência de renda condicionada (como Bolsa Família) tiveram grande contribuição para esse avanço", disse a professora de Economia da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Marlene Laviola. "A estabilidade econômica também colaborou. Os mais prejudicados com a inflação eram as classes mais baixas, já que não têm como proteger a renda."

Segundo ela, com a estabilidade, as famílias passaram a consumir o que não consumiam antes, pois sobra um pouco mais da renda, o que ativa alguns setores da economia.

De acordo com o Ipea, entre 1997 e 2004, o segmento de baixa renda representava 34% da população, mas desde 2005 passou a reduzir rapidamente a sua participação relativa. Em 2008, o segmento de menor renda representou 26% dos brasileiros, a menor participação desde 1995. Mesmo assim, as pessoas que vivem com menos de R$ 188 por mês representam mais de um quarto da população do País.

No ano passado, a classe intermediária representou 37,4% da população, enquanto em 1995 respondia por 32,9%. Entre 2004 e 2008, ingressaram nessa faixa 7 milhões de brasileiros. Já a renda superior, que apresentava tendência de perda de participação entre 1998 e 2004, iniciou recuperação a partir de 2005 e no ano passado respondeu por 36,6% dos brasileiros. também o nível mais alto desde 1995. Entre 2004 e 2008, essa faixa de renda passou a contar com mais 11,5 milhões de brasileiros

Na ascensão da classe de baixa renda para o nível intermediário, as regiões Sudeste e Nordeste responderam por quase 71% da mudança. A região Sudeste registrou a inclusão de 4,9 milhões (36,3%) de indivíduos na segunda faixa, enquanto no Nordeste 4,6 milhões (34,1%) de pessoas saíram da baixa renda. "No Nordeste, grande parte do aumento de rendimentos ocorre por conta dos programas de renda do governo."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;