Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

MP condena alta de IPTU de Diadema

Procuradoria-Geral de Justiça aponta suposto benefício a proprietários de maiores terras; TJ-SP nega liminar, mas abre processo para avaliar acusação


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

17/10/2014 | 07:00


O Ministério Público protocolou no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) ação direta de inconstitucionalidade contra lei de autoria da Prefeitura de Diadema reajustando em 17% a PGV (Planta Genérica de Valores), que serve de base de cálculo do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

A Procuradoria-Geral de Justiça acionou o TJ-SP na terça-feira contra o aumento do imposto e solicitou liminar para reverter o acréscimo do tributo. O relator Arantes Theodoro abriu processo para apurar o caso, porém negou anteontem liminar pedida pelo MP.

Rubricada pelo procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, a ação direta de inconstitucionalidade aponta falhas na Lei Complementar número 379, de 18 de setembro de 2013, de Diadema. Entre os itens questionados estão a violação o princípio da capacidade contributiva presente na Constituição Federal e também benefício tributário irregular a proprietários de terrenos de grande metragem no município.

Ontem, Prefeitura de Diadema e Câmara foram notificadas a respeito da ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo MP no TJ-SP.

A lei que reajustou a PGV foi aprovada em setembro de 2013 pela maioria dos vereadores – recebeu voto contrário somente da bancada petista – e resultou em série de aumentos de IPTU denunciada por moradores. Houve registro de acréscimo de 162% em 12 meses. À ocasião, a administração de Lauro Michels (PV) justificou que outros fatores compuseram o aumento do IPTU, como confirmação de área construída e reiterou que a alta média do imposto era de 17%, percentual da reformulação da Planta Genérica.

Lauro informou que não foi notificado sobre a ação proposta pelo MP.

Presidente do Legislativo, Manoel Eduardo Marinho, o Maninho (PT), afirmou que o processo recomendado pelo MP reflete “erros” cometidos por Lauro na confecção do projeto. “Alertamos sobre os equívocos. Mas por arrogância não ouviu a Câmara. O Legislativo tem de ser estadista, não chefe de torcida organizada e bater palma para tudo que o prefeito faz. A população foi a maior prejudicada.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MP condena alta de IPTU de Diadema

Procuradoria-Geral de Justiça aponta suposto benefício a proprietários de maiores terras; TJ-SP nega liminar, mas abre processo para avaliar acusação

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

17/10/2014 | 07:00


O Ministério Público protocolou no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) ação direta de inconstitucionalidade contra lei de autoria da Prefeitura de Diadema reajustando em 17% a PGV (Planta Genérica de Valores), que serve de base de cálculo do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano).

A Procuradoria-Geral de Justiça acionou o TJ-SP na terça-feira contra o aumento do imposto e solicitou liminar para reverter o acréscimo do tributo. O relator Arantes Theodoro abriu processo para apurar o caso, porém negou anteontem liminar pedida pelo MP.

Rubricada pelo procurador-geral de Justiça, Márcio Fernando Elias Rosa, a ação direta de inconstitucionalidade aponta falhas na Lei Complementar número 379, de 18 de setembro de 2013, de Diadema. Entre os itens questionados estão a violação o princípio da capacidade contributiva presente na Constituição Federal e também benefício tributário irregular a proprietários de terrenos de grande metragem no município.

Ontem, Prefeitura de Diadema e Câmara foram notificadas a respeito da ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo MP no TJ-SP.

A lei que reajustou a PGV foi aprovada em setembro de 2013 pela maioria dos vereadores – recebeu voto contrário somente da bancada petista – e resultou em série de aumentos de IPTU denunciada por moradores. Houve registro de acréscimo de 162% em 12 meses. À ocasião, a administração de Lauro Michels (PV) justificou que outros fatores compuseram o aumento do IPTU, como confirmação de área construída e reiterou que a alta média do imposto era de 17%, percentual da reformulação da Planta Genérica.

Lauro informou que não foi notificado sobre a ação proposta pelo MP.

Presidente do Legislativo, Manoel Eduardo Marinho, o Maninho (PT), afirmou que o processo recomendado pelo MP reflete “erros” cometidos por Lauro na confecção do projeto. “Alertamos sobre os equívocos. Mas por arrogância não ouviu a Câmara. O Legislativo tem de ser estadista, não chefe de torcida organizada e bater palma para tudo que o prefeito faz. A população foi a maior prejudicada.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;