Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Julgamento da chacina na Baixada Fluminense começa nesta segunda


Da Agência Brasil

20/08/2006 | 15:48


A Justiça do Rio de Janeiro iniciará nesta segunda-feira, às 9 horas, o julgamento do primeiro acusado de participar da Chacina da Baixada Fluminense, como ficou conhecido o crime que envolveu a morte de 29 pessoas em Queimados e Nova Iguaçu, municípios da região, em março do ano passado. O soldado da Polícia Militar Carlos Jorge Carvalho pediu para ser julgado separadamente dos outros quatro réus e teve seu pedido aceito pelo Tribunal do Júri de Nova Iguaçu.

Ele é acusado de 29 homicídios triplamente qualificados, uma tentativa de homicídio e formação de quadrilha. Os outros quatro policiais militares acusados dos mesmos crimes, Marcos Siqueira Costa, José Augusto Moreira Felipe, Fabiano Gonçalves Lopes e Júlio César Amaral de Paula, ainda não têm julgamento marcado. Mas, segundo o promotor responsável pelo caso, Marcelo Muniz, eles devem ser julgados no prazo de dois meses.

Muniz explica que o julgamento de Carlos Jorge Carvalho é importante por ser o primeiro e pode, inclusive, influenciar o resultado do júri dos outros quatro acusados. "Até pelo desencadeamento lógico do processo, ele tem influência sobre os demais. Há uma lógica de um grupo, que participou [da chacina], que tem, como um dos integrantes, Carlos Carvalho."

O promotor disse que o Ministério Público usará recursos audiovisuais durante o julgamento para tornar o crime mais fácil de ser compreendido pelo júri. "A gente vai usar recursos visuais, como um documentário sobre a chacina, exibido no exterior, fitas e um datashow, expondo dados da investigação e provas periciais de uma forma mais didática", afirmou Muniz.

Vão a júri popular também os cabos Marco Siqueira Costa e José Augusto Moreira e os soldados Fabiano Gonçalves Lopes e Julio César Amaral de Paula.

Outros dois policiais militares, os cabos Ivonei de Souza e Gilmar Simão, inicialmente denunciados como participantes da chacina, serão julgados apenas pelo crime de formação de quadrilha, por suposto envolvimento com os cinco acusados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Julgamento da chacina na Baixada Fluminense começa nesta segunda

Da Agência Brasil

20/08/2006 | 15:48


A Justiça do Rio de Janeiro iniciará nesta segunda-feira, às 9 horas, o julgamento do primeiro acusado de participar da Chacina da Baixada Fluminense, como ficou conhecido o crime que envolveu a morte de 29 pessoas em Queimados e Nova Iguaçu, municípios da região, em março do ano passado. O soldado da Polícia Militar Carlos Jorge Carvalho pediu para ser julgado separadamente dos outros quatro réus e teve seu pedido aceito pelo Tribunal do Júri de Nova Iguaçu.

Ele é acusado de 29 homicídios triplamente qualificados, uma tentativa de homicídio e formação de quadrilha. Os outros quatro policiais militares acusados dos mesmos crimes, Marcos Siqueira Costa, José Augusto Moreira Felipe, Fabiano Gonçalves Lopes e Júlio César Amaral de Paula, ainda não têm julgamento marcado. Mas, segundo o promotor responsável pelo caso, Marcelo Muniz, eles devem ser julgados no prazo de dois meses.

Muniz explica que o julgamento de Carlos Jorge Carvalho é importante por ser o primeiro e pode, inclusive, influenciar o resultado do júri dos outros quatro acusados. "Até pelo desencadeamento lógico do processo, ele tem influência sobre os demais. Há uma lógica de um grupo, que participou [da chacina], que tem, como um dos integrantes, Carlos Carvalho."

O promotor disse que o Ministério Público usará recursos audiovisuais durante o julgamento para tornar o crime mais fácil de ser compreendido pelo júri. "A gente vai usar recursos visuais, como um documentário sobre a chacina, exibido no exterior, fitas e um datashow, expondo dados da investigação e provas periciais de uma forma mais didática", afirmou Muniz.

Vão a júri popular também os cabos Marco Siqueira Costa e José Augusto Moreira e os soldados Fabiano Gonçalves Lopes e Julio César Amaral de Paula.

Outros dois policiais militares, os cabos Ivonei de Souza e Gilmar Simão, inicialmente denunciados como participantes da chacina, serão julgados apenas pelo crime de formação de quadrilha, por suposto envolvimento com os cinco acusados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;