Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Frio e dólar barato animam vendas de pacotes da CVC para Bariloche


Daniel Trielli
Do Diário do Grande ABC

19/05/2006 | 07:57


O real valorizado pode ser uma tragédia para as exportações, mas representa uma ótima oportunidade para turistas e agências do setor. A CVC Turismo – empresa de Santo André, líder no país – prevê crescimento de 20% no movimento de brasileiros para destinos sul-americanos: Argentina, Chile, Peru e Uruguai.

A valorização da moeda somada ao início do inverno eleva o otimismo da empresa. A CVC espera embarcar, só para Bariloche, na Argentina, 17 mil brasileiros durante o período de junho a setembro. Esses passageiros vão poder partir em 16 vôos semanais programados para sair de 11 cidade brasileiras – inclusive São Paulo, que vai levar 45% dos turistas. Em 2005, os vôos fretados chegavam a 12 por semana, enquanto em 2004, eram oito.

Em Bariloche, um dos pontos mais visitados na Argentina durante o inverno, a CVC fechou parceria com 30 hotéis e vai ocupar mais de mil apartamentos por dia. Lá, 160 guias da CVC estarão preparados para receber os brasileiros.

A empresa também espera levar outros 5 mil passageiros à capital Argentina, Buenos Aires, onde serão auxiliados por 30 profissionais. Mais 3 mil turistas iriam para a região dos Lagos Andinos, no Chile, onde 20 guias brasileiros farão o apoio.

Inverso – A empresa também investe na fluxo inverso de turistas – dos outros países da América do Sul para cá. Para facilitar esse movimento, a CVC tem um escritório em Buenos Aires e montou uma filial em Montevidéu, Uruguai. Outra é planejada em Santiago, no Chile.

A CVC Argentina, já no quarto ano de atividade, pretende dobrar a quantidade de turistas embarcados do país vizinho para o Brasil em relação ao ano passado. Em 2005, foram 5 mil argentinos que chegaram pela CVC. Só nesses primeiros meses de 2006, esse número foi de 2 mil. Esse grupo busca principalmente as praias do Nordeste e do Rio de Janeiro, e cruzeiros com escalas na costa brasileira.

Em Montevidéu, a filial abriu em outubro passado. Desde então, 1,7 mil uruguaios utilizaram a empresa para vir ao Brasil, sendo que 600 só na Páscoa. O resultado surpreendeu a CVC, que esperava uma meta três vezes menor do que na Argentina.

O terceiro escritório da empresa na América Latina fora do Brasil deverá ser em dois meses, em Santiago. Para a capital chilena, a CVC vai explorar os roteiros mais buscados pelos uruguaios e argentinos e já percebem boa receptividade das agências de viagem.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Frio e dólar barato animam vendas de pacotes da CVC para Bariloche

Daniel Trielli
Do Diário do Grande ABC

19/05/2006 | 07:57


O real valorizado pode ser uma tragédia para as exportações, mas representa uma ótima oportunidade para turistas e agências do setor. A CVC Turismo – empresa de Santo André, líder no país – prevê crescimento de 20% no movimento de brasileiros para destinos sul-americanos: Argentina, Chile, Peru e Uruguai.

A valorização da moeda somada ao início do inverno eleva o otimismo da empresa. A CVC espera embarcar, só para Bariloche, na Argentina, 17 mil brasileiros durante o período de junho a setembro. Esses passageiros vão poder partir em 16 vôos semanais programados para sair de 11 cidade brasileiras – inclusive São Paulo, que vai levar 45% dos turistas. Em 2005, os vôos fretados chegavam a 12 por semana, enquanto em 2004, eram oito.

Em Bariloche, um dos pontos mais visitados na Argentina durante o inverno, a CVC fechou parceria com 30 hotéis e vai ocupar mais de mil apartamentos por dia. Lá, 160 guias da CVC estarão preparados para receber os brasileiros.

A empresa também espera levar outros 5 mil passageiros à capital Argentina, Buenos Aires, onde serão auxiliados por 30 profissionais. Mais 3 mil turistas iriam para a região dos Lagos Andinos, no Chile, onde 20 guias brasileiros farão o apoio.

Inverso – A empresa também investe na fluxo inverso de turistas – dos outros países da América do Sul para cá. Para facilitar esse movimento, a CVC tem um escritório em Buenos Aires e montou uma filial em Montevidéu, Uruguai. Outra é planejada em Santiago, no Chile.

A CVC Argentina, já no quarto ano de atividade, pretende dobrar a quantidade de turistas embarcados do país vizinho para o Brasil em relação ao ano passado. Em 2005, foram 5 mil argentinos que chegaram pela CVC. Só nesses primeiros meses de 2006, esse número foi de 2 mil. Esse grupo busca principalmente as praias do Nordeste e do Rio de Janeiro, e cruzeiros com escalas na costa brasileira.

Em Montevidéu, a filial abriu em outubro passado. Desde então, 1,7 mil uruguaios utilizaram a empresa para vir ao Brasil, sendo que 600 só na Páscoa. O resultado surpreendeu a CVC, que esperava uma meta três vezes menor do que na Argentina.

O terceiro escritório da empresa na América Latina fora do Brasil deverá ser em dois meses, em Santiago. Para a capital chilena, a CVC vai explorar os roteiros mais buscados pelos uruguaios e argentinos e já percebem boa receptividade das agências de viagem.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;