Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Erro no IR pode ser corrigido aponta analista


Luiz Federico
Do Diário do Grande ABC

29/04/2006 | 08:45


Na reta final para a entrega das declarações do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física), muitos contribuintes percebem que cometeram erros que podem levá-los à malha fina. Uma vez diagnosticado o equívoco, não entre em desespero. Segundo Glauco Pinheiro da Cruz, diretor regional do Sescon (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis no Estado de São Paulo), o procedimento para retificar a declaração é simples.

“A única coisa que não pode mudar é o tipo de declaração. Se na primeira vez o contribuinte preencheu o formulário simplificado, para corrigir o documento ele deverá usar o mesmo modelo”, explica Cruz.

Cruz, que também é sócio da Candinho Assessoria Contábil, de Santo André, diz que os erros mais comuns referem-se a números de CPF (Cadastro de Pessoa Física) e CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica). Muitas vezes, os erros são cometidos porque o contribuinte deixou para enviar a declaração na última hora. “Às vezes, a pessoa envia o material com erro só para não ter que pagar a multa”, diz ele, de R$ 165,74.

Outro ponto a ser levado em conta é marcar no campo “Identificação do Contribuinte” a opção “Retificatória”. “O prazo para enviar a declaração é de cinco anos, mas é importante que o contribuinte realize o processo rapidamente para não correr o risco de cair na malha fina”, diz consultor financeiro do site www.financeiro24horas.com, Reinaldo Domingos.

Na avaliação do contador Humberto Batella, da HS Contábil, de Santo André, como as informações prestadas à Receita são cruzadas, as chances de cair na malha são grandes no caso de eventuais erros na declaração. “Na correria de entregar o material no último dia, muitas pessoas esquecem de informar uma segunda fonte de renda ou escrevem algum código equivocado. Alguns até informam um dependente errado”, relata.

  

Balanço – Cerca de 22 milhões de contribuintes apresentaram declaração de rendimentos este ano, de acordo com a Receita Federal. Passado o prazo final para a entrega das declarações de rendimentos de 2006 (ano base 2005), cerca de 21,6 milhões contribuintes entregaram o documento pela internet – 98,2% do total.

A Receita prevê que outras 400 mil declarações tenham sido entregues pelo modelo de formulário tradicional em papel, completando 22 milhões de declarações esperadas. Nesta sexta-feira, 2,16 milhões de declarações foram recebidas pela Receita.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Erro no IR pode ser corrigido aponta analista

Luiz Federico
Do Diário do Grande ABC

29/04/2006 | 08:45


Na reta final para a entrega das declarações do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física), muitos contribuintes percebem que cometeram erros que podem levá-los à malha fina. Uma vez diagnosticado o equívoco, não entre em desespero. Segundo Glauco Pinheiro da Cruz, diretor regional do Sescon (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis no Estado de São Paulo), o procedimento para retificar a declaração é simples.

“A única coisa que não pode mudar é o tipo de declaração. Se na primeira vez o contribuinte preencheu o formulário simplificado, para corrigir o documento ele deverá usar o mesmo modelo”, explica Cruz.

Cruz, que também é sócio da Candinho Assessoria Contábil, de Santo André, diz que os erros mais comuns referem-se a números de CPF (Cadastro de Pessoa Física) e CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica). Muitas vezes, os erros são cometidos porque o contribuinte deixou para enviar a declaração na última hora. “Às vezes, a pessoa envia o material com erro só para não ter que pagar a multa”, diz ele, de R$ 165,74.

Outro ponto a ser levado em conta é marcar no campo “Identificação do Contribuinte” a opção “Retificatória”. “O prazo para enviar a declaração é de cinco anos, mas é importante que o contribuinte realize o processo rapidamente para não correr o risco de cair na malha fina”, diz consultor financeiro do site www.financeiro24horas.com, Reinaldo Domingos.

Na avaliação do contador Humberto Batella, da HS Contábil, de Santo André, como as informações prestadas à Receita são cruzadas, as chances de cair na malha são grandes no caso de eventuais erros na declaração. “Na correria de entregar o material no último dia, muitas pessoas esquecem de informar uma segunda fonte de renda ou escrevem algum código equivocado. Alguns até informam um dependente errado”, relata.

  

Balanço – Cerca de 22 milhões de contribuintes apresentaram declaração de rendimentos este ano, de acordo com a Receita Federal. Passado o prazo final para a entrega das declarações de rendimentos de 2006 (ano base 2005), cerca de 21,6 milhões contribuintes entregaram o documento pela internet – 98,2% do total.

A Receita prevê que outras 400 mil declarações tenham sido entregues pelo modelo de formulário tradicional em papel, completando 22 milhões de declarações esperadas. Nesta sexta-feira, 2,16 milhões de declarações foram recebidas pela Receita.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;