Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Espetáculo é adaptação de livro e filme


Caroline Ropero
Do Diário do Grande ABC

12/05/2013 | 07:00


O musical A Princesinha é baseado no conto de mesmo nome escrito pela britânica Frances Hodgson Burnett em 1905 e que ganhou filme em 1995. Rafael de Castro, de Mauá, levou três meses para adaptar a história. "Fiz pesquisas para saber como deveria escrever. Tentei resgatar valores às vezes esquecidos, como a esperança e a importância da família."

O enredo é parecido com o original. A principal diferença é a presença do sábio Ram Dass (Leonardo Miggiorin), um contador de histórias indiano que torna-se narrador em vários momentos do musical. Na literatura e no filme, ele não existe.

Rafael conta que ser roteirista não é fácil, mas adora o que faz. "Para escrever é importante ler todos os dias e estudar sempre. Para A Princesinha, tive de pesquisar sobre a história da Inglaterra. Com isso, aprendi muito."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Espetáculo é adaptação de livro e filme

Caroline Ropero
Do Diário do Grande ABC

12/05/2013 | 07:00


O musical A Princesinha é baseado no conto de mesmo nome escrito pela britânica Frances Hodgson Burnett em 1905 e que ganhou filme em 1995. Rafael de Castro, de Mauá, levou três meses para adaptar a história. "Fiz pesquisas para saber como deveria escrever. Tentei resgatar valores às vezes esquecidos, como a esperança e a importância da família."

O enredo é parecido com o original. A principal diferença é a presença do sábio Ram Dass (Leonardo Miggiorin), um contador de histórias indiano que torna-se narrador em vários momentos do musical. Na literatura e no filme, ele não existe.

Rafael conta que ser roteirista não é fácil, mas adora o que faz. "Para escrever é importante ler todos os dias e estudar sempre. Para A Princesinha, tive de pesquisar sobre a história da Inglaterra. Com isso, aprendi muito."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;