Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Rio Grande dará 36% de aumento


Daniela Dahrouge
Especial para o Diário

21/06/2006 | 08:09


Os salários de 35 funcionários públicos da Câmara de Rio Grande da Serra poderão ser reajustados em 36% ainda neste mês. O aumento é 30% maior do que foi concedido aos 700 servidores da Prefeitura. O presidente da Casa, Roberto de Paula Breyer, o Betinho (PSDB), não soube precisar o impacto desse aumento na folha de pagamento, que atualmente gira em torno de R$ 29 mil mensais (sem considerar os salários dos parlamentares). “O valor do reajuste será maior do que o oferecido pelo Executivo porque nós retiramos a ajuda de custo que a maioria de nossos funcionários recebia, que varia de 10% a 30% do salário”, explica Betinho.

Embora não saiba quanto a Câmara desembolsará a mais com o reajuste, Betinho adianta que o valor da folha de pagamento não ultrapassará os 70% do orçamento da Câmara, limite permitido pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Hoje, os R$ 29 mil empenhados representam 31,6 % do orçamento total da Casa, que é de R$ 91,7 mil.

Além de não seguir o aumento oferecido pela Prefeitura, o projeto no Legislativo não abrirá concurso público para contratar funcionários efetivos, coisa que foi contemplada na reforma realizada pelo Executivo, que abriu 245 novos cargos, totalizando 480 efetivos.

Com isso, a administração reverteu um quadro que até então tinha mais comissionados (400) do que efetivos (235) - situação semelhante à da Câmara, que tem 23 comissionados e 12 efetivos.

Betinho alega que a Câmara não tem obrigação legal de reduzir o número de cargos de confiança (sem concurso público), e que por essa razão não vai mexer no quadro de funcionários. “Achei que não era o momento de abrir concurso, até porque estamos satisfeitos com a situação atual”, afirma o presidente, que se reuniu terça-feira com os vereadores para discutir os últimos detalhes do projeto de reajuste salarial, que será votado na sessão de hoje. (Supervisão de Lola Nicolás)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rio Grande dará 36% de aumento

Daniela Dahrouge
Especial para o Diário

21/06/2006 | 08:09


Os salários de 35 funcionários públicos da Câmara de Rio Grande da Serra poderão ser reajustados em 36% ainda neste mês. O aumento é 30% maior do que foi concedido aos 700 servidores da Prefeitura. O presidente da Casa, Roberto de Paula Breyer, o Betinho (PSDB), não soube precisar o impacto desse aumento na folha de pagamento, que atualmente gira em torno de R$ 29 mil mensais (sem considerar os salários dos parlamentares). “O valor do reajuste será maior do que o oferecido pelo Executivo porque nós retiramos a ajuda de custo que a maioria de nossos funcionários recebia, que varia de 10% a 30% do salário”, explica Betinho.

Embora não saiba quanto a Câmara desembolsará a mais com o reajuste, Betinho adianta que o valor da folha de pagamento não ultrapassará os 70% do orçamento da Câmara, limite permitido pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Hoje, os R$ 29 mil empenhados representam 31,6 % do orçamento total da Casa, que é de R$ 91,7 mil.

Além de não seguir o aumento oferecido pela Prefeitura, o projeto no Legislativo não abrirá concurso público para contratar funcionários efetivos, coisa que foi contemplada na reforma realizada pelo Executivo, que abriu 245 novos cargos, totalizando 480 efetivos.

Com isso, a administração reverteu um quadro que até então tinha mais comissionados (400) do que efetivos (235) - situação semelhante à da Câmara, que tem 23 comissionados e 12 efetivos.

Betinho alega que a Câmara não tem obrigação legal de reduzir o número de cargos de confiança (sem concurso público), e que por essa razão não vai mexer no quadro de funcionários. “Achei que não era o momento de abrir concurso, até porque estamos satisfeitos com a situação atual”, afirma o presidente, que se reuniu terça-feira com os vereadores para discutir os últimos detalhes do projeto de reajuste salarial, que será votado na sessão de hoje. (Supervisão de Lola Nicolás)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;