Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Buscas por meditação batem recorde



25/10/2020 | 16:00


Em meio à pandemia da covid-19, que levou a uma situação de isolamento social e mudanças no ritmo de vida, as buscas pelos termos meditação e mindfulness (ou atenção plena) atingiram o recorde dos últimos 16 anos, segundo levantamento do Google. Em relação ao ano passado, a pergunta "como fazer meditação para ansiedade" cresceu 4.000% e o aumento de "benefícios da meditação" chegou aos 200%.

Especialistas nas práticas ouvidos pelo Estadão afirmam que as pessoas estão procurando formas para lidar com as aflições que têm surgido no período e encontram, nesses métodos, técnicas para tentar manter a calma, diminuir o estresse e focar nas atividades que precisam ser realizadas.

"Há uma sensação de necessidade de buscar alguma ferramenta para lidar com este momento que é estressante para todos, porque houve mudança de padrão de vida. Aqueles que já conheciam, e não estavam fazendo com regularidade, voltaram. E muitas pessoas foram buscar informação. Acho que a curva é ascendente", diz o médico especialista em mindfulness Marcelo Demarzo, coordenador do Centro Mente Aberta, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

De acordo com o Google, as buscas por "como ser uma pessoa mais calma" tiveram um aumento de 3.250% em relação ao ano passado. "Espairecer a mente" cresceu 400%. "Muitos temas dispararam nas buscas durante a pandemia, e o bem-estar físico e mental foi umas das verticais em que esse salto ficou bem claro. As medidas de distanciamento social criaram uma nova rotina na vida das pessoas e elas precisaram se acostumar a novos hábitos, horários e precisaram encontrar novas maneiras de executar determinadas atividades", avalia Marco Túlio Pires, diretor do Google News Lab no Brasil.

Cursos online. Ante a necessidade de distanciamento por causa da covid-19, também cresceu um movimento de cursos online e lives, que atraíram pessoas interessadas em saber mais sobre o tema. "Com a pandemia, as pessoas viram outras possibilidades. Ao mesmo tempo, há uma melhor compreensão sobre o assunto, de entender mindfulness ou atenção plena como estado psicológico". Segundo ele, o estado de mindfulness não é concentração, é um estado de estar consciente do que está acontecendo neste momento". Segundo o médico, o aumento de buscas pelo curso online de oito semanas foi de 50% no período.

Líder de marketing de uma empresa de tecnologia, Michelle Ito, de 35 anos, já tinha familiaridade com a meditação, mas tinha dificuldade de praticar. "Trabalhando em casa, o nível de ansiedade aumentou. Faço ioga há três anos e a professora começou a fazer meditações guiadas aos domingos logo no começo da pandemia. Isso já ajuda a começar a semana bem."

A assistente administrativa Jessica Braga, de 27 anos, descobriu o mindfulness enquanto enfrentava crises de ansiedade e começou a praticar em junho. "Sempre fui de trabalhar, ir ao cinema, sair com meus filhos. Quando veio a pandemia, fiquei trancada e surtando dentro de casa. Tentava treinar e não focava." Ela diz que se adaptou às técnicas e passou a praticar antes de dormir e após acordar. "A ansiedade caiu muito."

Entre os benefícios, Demarzo destaca regulação das emoções e redução da ansiedade. "Na área da educação, melhora atenção, memória e a aprendizagem. Para empresas, diminui o esgotamento profissional e melhora a liderança. Mais consciente, mais humanizado", afirma. "A pessoa pode optar por meditar no campo da religião e da espiritualidade, dentro de um contexto filosófico do que ela se identifica. A proposta moderna é no contexto acadêmico. É uma técnica para qualidade de vida", explica Demarzo.

Prática pode ser cura e se adapta ao perfil 'zen' urbano

Além de poder se encaixar em atividades do dia a dia, as práticas de meditação e mindfulness não precisam ser longas. Recentemente, houve interesse maior pelos programas curtos e por produtos, como incensos e pedras.

"Temos um público zen urbano, que quer encontrar paz no meio da rotina, mas procura uma coisa breve, porque a vida já demanda muito delas", afirma a educadora em meditação e autoconsciência Flávia Cadinelli, criadora da empresa Movimento Zen.

Ela oferece programas de meditação a partir de três minutos de duração, que vão aumentando conforme a prática. "A meditação não é uma prática exclusiva para pessoas calmas. O pré-requisito é ter uma mente. Se a pessoa quiser manter cinco minutos por dia, vai ter efeito. São alguns minutinhos de pausa para se desconectar do mundo externo", reforça.

Flávia conta que também houve aumento na compra de produtos, como incensos, pedras e japamalas (cordão com contas para ajudar na meditação), usados para compor o momento dedicado à busca pelo equilíbrio interior.

"A procura no WhatsApp com interesse pela meditação e nossos produtos cresceu em 45%. A gente aumentou a nossa venda de incensos terapêuticos, aromaterapia, óleos essenciais. Tivemos o crescimento de 470% nas vendas dos incensos terapêuticos de abril a outubro, comparado com o mesmo período de 2019."

Aromaterapia

De acordo com o levantamento do Google, o interesse por aromaterapia atingiu seu nível mais alto dos últimos dez anos no mês de julho, com crescimento das buscas de 79% entre abril e julho.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Buscas por meditação batem recorde


25/10/2020 | 16:00


Em meio à pandemia da covid-19, que levou a uma situação de isolamento social e mudanças no ritmo de vida, as buscas pelos termos meditação e mindfulness (ou atenção plena) atingiram o recorde dos últimos 16 anos, segundo levantamento do Google. Em relação ao ano passado, a pergunta "como fazer meditação para ansiedade" cresceu 4.000% e o aumento de "benefícios da meditação" chegou aos 200%.

Especialistas nas práticas ouvidos pelo Estadão afirmam que as pessoas estão procurando formas para lidar com as aflições que têm surgido no período e encontram, nesses métodos, técnicas para tentar manter a calma, diminuir o estresse e focar nas atividades que precisam ser realizadas.

"Há uma sensação de necessidade de buscar alguma ferramenta para lidar com este momento que é estressante para todos, porque houve mudança de padrão de vida. Aqueles que já conheciam, e não estavam fazendo com regularidade, voltaram. E muitas pessoas foram buscar informação. Acho que a curva é ascendente", diz o médico especialista em mindfulness Marcelo Demarzo, coordenador do Centro Mente Aberta, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

De acordo com o Google, as buscas por "como ser uma pessoa mais calma" tiveram um aumento de 3.250% em relação ao ano passado. "Espairecer a mente" cresceu 400%. "Muitos temas dispararam nas buscas durante a pandemia, e o bem-estar físico e mental foi umas das verticais em que esse salto ficou bem claro. As medidas de distanciamento social criaram uma nova rotina na vida das pessoas e elas precisaram se acostumar a novos hábitos, horários e precisaram encontrar novas maneiras de executar determinadas atividades", avalia Marco Túlio Pires, diretor do Google News Lab no Brasil.

Cursos online. Ante a necessidade de distanciamento por causa da covid-19, também cresceu um movimento de cursos online e lives, que atraíram pessoas interessadas em saber mais sobre o tema. "Com a pandemia, as pessoas viram outras possibilidades. Ao mesmo tempo, há uma melhor compreensão sobre o assunto, de entender mindfulness ou atenção plena como estado psicológico". Segundo ele, o estado de mindfulness não é concentração, é um estado de estar consciente do que está acontecendo neste momento". Segundo o médico, o aumento de buscas pelo curso online de oito semanas foi de 50% no período.

Líder de marketing de uma empresa de tecnologia, Michelle Ito, de 35 anos, já tinha familiaridade com a meditação, mas tinha dificuldade de praticar. "Trabalhando em casa, o nível de ansiedade aumentou. Faço ioga há três anos e a professora começou a fazer meditações guiadas aos domingos logo no começo da pandemia. Isso já ajuda a começar a semana bem."

A assistente administrativa Jessica Braga, de 27 anos, descobriu o mindfulness enquanto enfrentava crises de ansiedade e começou a praticar em junho. "Sempre fui de trabalhar, ir ao cinema, sair com meus filhos. Quando veio a pandemia, fiquei trancada e surtando dentro de casa. Tentava treinar e não focava." Ela diz que se adaptou às técnicas e passou a praticar antes de dormir e após acordar. "A ansiedade caiu muito."

Entre os benefícios, Demarzo destaca regulação das emoções e redução da ansiedade. "Na área da educação, melhora atenção, memória e a aprendizagem. Para empresas, diminui o esgotamento profissional e melhora a liderança. Mais consciente, mais humanizado", afirma. "A pessoa pode optar por meditar no campo da religião e da espiritualidade, dentro de um contexto filosófico do que ela se identifica. A proposta moderna é no contexto acadêmico. É uma técnica para qualidade de vida", explica Demarzo.

Prática pode ser cura e se adapta ao perfil 'zen' urbano

Além de poder se encaixar em atividades do dia a dia, as práticas de meditação e mindfulness não precisam ser longas. Recentemente, houve interesse maior pelos programas curtos e por produtos, como incensos e pedras.

"Temos um público zen urbano, que quer encontrar paz no meio da rotina, mas procura uma coisa breve, porque a vida já demanda muito delas", afirma a educadora em meditação e autoconsciência Flávia Cadinelli, criadora da empresa Movimento Zen.

Ela oferece programas de meditação a partir de três minutos de duração, que vão aumentando conforme a prática. "A meditação não é uma prática exclusiva para pessoas calmas. O pré-requisito é ter uma mente. Se a pessoa quiser manter cinco minutos por dia, vai ter efeito. São alguns minutinhos de pausa para se desconectar do mundo externo", reforça.

Flávia conta que também houve aumento na compra de produtos, como incensos, pedras e japamalas (cordão com contas para ajudar na meditação), usados para compor o momento dedicado à busca pelo equilíbrio interior.

"A procura no WhatsApp com interesse pela meditação e nossos produtos cresceu em 45%. A gente aumentou a nossa venda de incensos terapêuticos, aromaterapia, óleos essenciais. Tivemos o crescimento de 470% nas vendas dos incensos terapêuticos de abril a outubro, comparado com o mesmo período de 2019."

Aromaterapia

De acordo com o levantamento do Google, o interesse por aromaterapia atingiu seu nível mais alto dos últimos dez anos no mês de julho, com crescimento das buscas de 79% entre abril e julho.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;