Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 3 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ralatório mostra como presos comandavam Bangu III


Do Diário OnLine

30/11/2002 | 16:13


Relatório realizado pelo Ministério Público e pelo Departamento do Sistema Prisional revela como os detentos do Presídio de Segurança Máxima de Bangu III, zona Norte do Rio, comandavam as atividades do local. O documento foi encomendado pela Secretaria de Justiça do Rio.

Segundo o relatório, um grupo comandava a cozinha, determinando o que deveria ser preparado e até mesmo cozinhando. Há informações de que até mesmo o fogão industrial localizado no local era de propriedade de um dos detentos.

Depois de sete meses de averiguações, foi constatado também que o sistema de alarmes e o detector de metais não estavam funcionando. Dessa forma, os presos caminhavam com facões entre as celas e tinham a entrada de celulares facilitada.

O relatório diz ainda que até mesmo a hora da conferência do número de presos era determinada pelos detentos. Durante um período de três meses, os agentes penitenciários não conseguiam fazer a revista dos presos.

A Secretaria de Justiça do Rio afirmou ao Jornal Hoje, da Rede Globo, que as irregularidades apontadas no relatório já foram corrigidas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ralatório mostra como presos comandavam Bangu III

Do Diário OnLine

30/11/2002 | 16:13


Relatório realizado pelo Ministério Público e pelo Departamento do Sistema Prisional revela como os detentos do Presídio de Segurança Máxima de Bangu III, zona Norte do Rio, comandavam as atividades do local. O documento foi encomendado pela Secretaria de Justiça do Rio.

Segundo o relatório, um grupo comandava a cozinha, determinando o que deveria ser preparado e até mesmo cozinhando. Há informações de que até mesmo o fogão industrial localizado no local era de propriedade de um dos detentos.

Depois de sete meses de averiguações, foi constatado também que o sistema de alarmes e o detector de metais não estavam funcionando. Dessa forma, os presos caminhavam com facões entre as celas e tinham a entrada de celulares facilitada.

O relatório diz ainda que até mesmo a hora da conferência do número de presos era determinada pelos detentos. Durante um período de três meses, os agentes penitenciários não conseguiam fazer a revista dos presos.

A Secretaria de Justiça do Rio afirmou ao Jornal Hoje, da Rede Globo, que as irregularidades apontadas no relatório já foram corrigidas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;