Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara dos deputados rejeita voto em lista fechada


Do Diário OnLine
Com Agência Câmara

28/06/2007 | 00:35


A Câmara dos Deputados rejeitou na noite desta quarta-feira por 252 votos a 181 e 3 abstenções a proposta de voto em lista fechada nas eleições, o primeiro item a ser votado no projeto de reforma política. Caso fosse aprovada, o eleitor passaria a votar em uma lista fechada elaborada pelo partido, digitando o número da legenda, nas eleições para deputados e vereadores.

A votação do restante da reforma política (fidelidade partidária, federações partidárias, financiamento público de campanhas) ficou para a próxima semana.

Momentos antes, o plenário da Câmara também havia rejeitado, por 240 votos a 203, a emenda substitutiva apresentada por líderes de partidos do DEM, PMDB, PT e PCdoB, que pretendia criar a lista flexível em substituição à lista fechada, cujo projeto original era do deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO).
 
A emenda, surgida de negociações dos partidos em torno de outra emenda apresentada na quinta-feira passada (21), propunha um sistema híbrido de escolha nas eleições proporcionais. Metade das vagas a que o partido ou federação partidária teriam direito seria preenchida obedecendo a ordem da lista apresentada. A outra metade ficaria com os candidatos dessa lista mais votados individualmente pelo eleitor.

Ela previa ainda um financiamento misto de campanhas, com recursos públicos e privados, se arrecadados de pessoas físicas. Os de origem pública poderiam ser usados somente na campanha dos candidatos às eleições majoritárias (cargos de chefe do Poder Executivo e senador) e para a divulgação das listas partidárias das eleições proporcionais.

Já os recursos captados das pessoas físicas ou do próprio candidato somente poderiam ser usados nas campanhas individuais a deputado federal, estadual ou distrital e a vereador.
 
Após a votação, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, afirmou que a Casa continuará "trabalhando para aprimorar o sistema eleitoral e o sistema político, fazendo o papel que é da Câmara".

"Sabíamos que havia divergências sobre esse tema das listas, mas há outros temas importantes, que eu acredito que na próxima semana poderemos votar, como a fidelidade partidária e o fim das coligações proporcionais", afirmou o presidente.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara dos deputados rejeita voto em lista fechada

Do Diário OnLine
Com Agência Câmara

28/06/2007 | 00:35


A Câmara dos Deputados rejeitou na noite desta quarta-feira por 252 votos a 181 e 3 abstenções a proposta de voto em lista fechada nas eleições, o primeiro item a ser votado no projeto de reforma política. Caso fosse aprovada, o eleitor passaria a votar em uma lista fechada elaborada pelo partido, digitando o número da legenda, nas eleições para deputados e vereadores.

A votação do restante da reforma política (fidelidade partidária, federações partidárias, financiamento público de campanhas) ficou para a próxima semana.

Momentos antes, o plenário da Câmara também havia rejeitado, por 240 votos a 203, a emenda substitutiva apresentada por líderes de partidos do DEM, PMDB, PT e PCdoB, que pretendia criar a lista flexível em substituição à lista fechada, cujo projeto original era do deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO).
 
A emenda, surgida de negociações dos partidos em torno de outra emenda apresentada na quinta-feira passada (21), propunha um sistema híbrido de escolha nas eleições proporcionais. Metade das vagas a que o partido ou federação partidária teriam direito seria preenchida obedecendo a ordem da lista apresentada. A outra metade ficaria com os candidatos dessa lista mais votados individualmente pelo eleitor.

Ela previa ainda um financiamento misto de campanhas, com recursos públicos e privados, se arrecadados de pessoas físicas. Os de origem pública poderiam ser usados somente na campanha dos candidatos às eleições majoritárias (cargos de chefe do Poder Executivo e senador) e para a divulgação das listas partidárias das eleições proporcionais.

Já os recursos captados das pessoas físicas ou do próprio candidato somente poderiam ser usados nas campanhas individuais a deputado federal, estadual ou distrital e a vereador.
 
Após a votação, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, afirmou que a Casa continuará "trabalhando para aprimorar o sistema eleitoral e o sistema político, fazendo o papel que é da Câmara".

"Sabíamos que havia divergências sobre esse tema das listas, mas há outros temas importantes, que eu acredito que na próxima semana poderemos votar, como a fidelidade partidária e o fim das coligações proporcionais", afirmou o presidente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;