Fechar
Publicidade

Domingo, 27 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

SP chega às 10 mil mortes por Covid e responde por 1 em cada 10 óbitos no País

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


06/08/2020 | 12:18


A cidade de São Paulo ultrapassou oficialmente a marca das 10 mil mortes por covid-19 na quarta-feira, 5, conforme dados da Secretaria Municipal da Saúde. A capital responde por mais de um em cada dez óbitos no País e representa 41,7% do total de fatalidades no Estado, que lidera em casos e óbitos.

O Brasil é o segundo no mundo em relatos, mas se só a capital paulista fosse um país estaria em 13.º em óbitos, conforme dados oficiais levantados pelo site Worldometers. Superaria, por exemplo, o total de mortos em Chile, Argentina, Alemanha e África do Sul.

São 10.055 vítimas em menos de cinco meses. Conforme um levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo no TabNet, banco de dados oficial da Secretaria Municipal da Saúde - a primeira morte pelo novo coronavírus na capital paulista ocorreu em 12 de março.

A Prefeitura utiliza atualmente o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e o Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade no Município de São Paulo (PRO-AIM), que processa declarações de óbitos, para lançar as informações na base de dados da doença. Assim, os números ficam mais precisos.

Nos gráficos, é possível ver a evolução das mortes por covid-19 na capital paulista com base na data exata de ocorrência do óbito.

Em 26 de março, dois dias após o início do isolamento, com o funcionamento apenas de serviços essenciais, o Município de São Paulo já registrava 185 óbitos.

Foram necessários quatro dias para esse número dobrar. No começo de abril, a cidade ultrapassou os mil mortos, chegando a 1.040.

No dia em que mais de 3,1 mil pessoas já haviam morrido pela doença, em 7 de maio, passou a valer a obrigatoriedade do uso de máscara.

Até o último dia daquele mês, já eram 5.525 vidas perdidas. São Paulo passou das 9 mil no décimo quinto dia de julho.

A cidade completa 10 mil mortos pela doença 141 dias após o anúncio da primeira vítima. Nas últimas semanas, tem se observado uma estabilização de casos, óbitos e redução de internação.

Mas para as famílias dos mortos - de todas as idades, gêneros, raças e áreas da cidade - o luto se mantém.

Perfil

O jornal O Estado de S. Paulo fez um levantamento na base de dados da Prefeitura, atualizada em 30 de julho, sobre o perfil das pessoas que morreram por causa da covid-19 na cidade de São Paulo. São considerados 9.752 registros de mortes confirmadas por declarações de óbitos.

A análise possibilitou ver que 55,8% dos óbitos são de pessoas com 70 anos ou mais. Quase 19% estavam na faixa de 40 a 59 anos e 21,4% tinham entre 60 e 69 anos. Crianças com menos de 1 ano até adultos com 24 anos são os menos afetados e representam 0,5%.

Na idade, o perfil é semelhante à conjuntura nacional e o mesmo vale para quando se analisa o recorte por gênero. A maioria das pessoas que morreram por infecção do novo coronavírus é de homens (5.525, ou 56,7%) enquanto 43,3% (4.225) são mulheres.

Brancos

Os números indicam ainda a prevalência de mortes por covid-19 entre brancos, mas com risco relativo maior para negros (soma de pretos e pardos). Do mesmo modo, embora a doença tenha atingido primeiramente os bairros centrais e mais nobres da cidade, a epidemia se espalhou para as periferias, onde hoje se concentram os números mais altos.

Até 30 de julho, as vítimas do novo coronavírus classificadas por raça/cor eram 5.938 brancas, 913 pretas, 220 amarelas, 2.326 pardas e 7 indígenas.

No recorte por idade e raça/cor, ganha destaque a faixa etária de 40 a 44 anos, em que a soma das mortes de pretos e pardos é pouco maior do que a de brancos: 128 ante 112, respectivamente.

Apesar disso, de acordo com o último boletim epidemiológico da Prefeitura, divulgado em 30 de abril, o risco de morte de negros é 62% maior em relação aos brancos e 23% a mais no caso dos pardos. O jornal O Estado de S. Paulo enviou à gestão municipal um pedido de atualização desses dados, considerando o momento atual, mas não obteve retorno até as 21 horas da quarta-feira.

Pela análise geográfica, é possível entender como a pandemia avançou para a periferia. Os 25 primeiros distritos com mais mortes pelo novo coronavírus estão nas zonas afastadas do centro da cidade e, juntos, somam 4.109 óbitos (42,1% do total). Em primeiro lugar está Sapopemba, seguido por Jardim Ângela, Brasilândia e Capão

Redondo.

É nessas regiões que se encontra a população mais vulnerável em termos sociais, educacionais, econômicos e de saúde. São lugares onde muitas pessoas tiveram de continuar trabalhando durante a quarentena, se expondo ao risco de contágio, e não puderam fazer um isolamento social adequado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

SP chega às 10 mil mortes por Covid e responde por 1 em cada 10 óbitos no País


06/08/2020 | 12:18


A cidade de São Paulo ultrapassou oficialmente a marca das 10 mil mortes por covid-19 na quarta-feira, 5, conforme dados da Secretaria Municipal da Saúde. A capital responde por mais de um em cada dez óbitos no País e representa 41,7% do total de fatalidades no Estado, que lidera em casos e óbitos.

O Brasil é o segundo no mundo em relatos, mas se só a capital paulista fosse um país estaria em 13.º em óbitos, conforme dados oficiais levantados pelo site Worldometers. Superaria, por exemplo, o total de mortos em Chile, Argentina, Alemanha e África do Sul.

São 10.055 vítimas em menos de cinco meses. Conforme um levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo no TabNet, banco de dados oficial da Secretaria Municipal da Saúde - a primeira morte pelo novo coronavírus na capital paulista ocorreu em 12 de março.

A Prefeitura utiliza atualmente o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e o Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade no Município de São Paulo (PRO-AIM), que processa declarações de óbitos, para lançar as informações na base de dados da doença. Assim, os números ficam mais precisos.

Nos gráficos, é possível ver a evolução das mortes por covid-19 na capital paulista com base na data exata de ocorrência do óbito.

Em 26 de março, dois dias após o início do isolamento, com o funcionamento apenas de serviços essenciais, o Município de São Paulo já registrava 185 óbitos.

Foram necessários quatro dias para esse número dobrar. No começo de abril, a cidade ultrapassou os mil mortos, chegando a 1.040.

No dia em que mais de 3,1 mil pessoas já haviam morrido pela doença, em 7 de maio, passou a valer a obrigatoriedade do uso de máscara.

Até o último dia daquele mês, já eram 5.525 vidas perdidas. São Paulo passou das 9 mil no décimo quinto dia de julho.

A cidade completa 10 mil mortos pela doença 141 dias após o anúncio da primeira vítima. Nas últimas semanas, tem se observado uma estabilização de casos, óbitos e redução de internação.

Mas para as famílias dos mortos - de todas as idades, gêneros, raças e áreas da cidade - o luto se mantém.

Perfil

O jornal O Estado de S. Paulo fez um levantamento na base de dados da Prefeitura, atualizada em 30 de julho, sobre o perfil das pessoas que morreram por causa da covid-19 na cidade de São Paulo. São considerados 9.752 registros de mortes confirmadas por declarações de óbitos.

A análise possibilitou ver que 55,8% dos óbitos são de pessoas com 70 anos ou mais. Quase 19% estavam na faixa de 40 a 59 anos e 21,4% tinham entre 60 e 69 anos. Crianças com menos de 1 ano até adultos com 24 anos são os menos afetados e representam 0,5%.

Na idade, o perfil é semelhante à conjuntura nacional e o mesmo vale para quando se analisa o recorte por gênero. A maioria das pessoas que morreram por infecção do novo coronavírus é de homens (5.525, ou 56,7%) enquanto 43,3% (4.225) são mulheres.

Brancos

Os números indicam ainda a prevalência de mortes por covid-19 entre brancos, mas com risco relativo maior para negros (soma de pretos e pardos). Do mesmo modo, embora a doença tenha atingido primeiramente os bairros centrais e mais nobres da cidade, a epidemia se espalhou para as periferias, onde hoje se concentram os números mais altos.

Até 30 de julho, as vítimas do novo coronavírus classificadas por raça/cor eram 5.938 brancas, 913 pretas, 220 amarelas, 2.326 pardas e 7 indígenas.

No recorte por idade e raça/cor, ganha destaque a faixa etária de 40 a 44 anos, em que a soma das mortes de pretos e pardos é pouco maior do que a de brancos: 128 ante 112, respectivamente.

Apesar disso, de acordo com o último boletim epidemiológico da Prefeitura, divulgado em 30 de abril, o risco de morte de negros é 62% maior em relação aos brancos e 23% a mais no caso dos pardos. O jornal O Estado de S. Paulo enviou à gestão municipal um pedido de atualização desses dados, considerando o momento atual, mas não obteve retorno até as 21 horas da quarta-feira.

Pela análise geográfica, é possível entender como a pandemia avançou para a periferia. Os 25 primeiros distritos com mais mortes pelo novo coronavírus estão nas zonas afastadas do centro da cidade e, juntos, somam 4.109 óbitos (42,1% do total). Em primeiro lugar está Sapopemba, seguido por Jardim Ângela, Brasilândia e Capão

Redondo.

É nessas regiões que se encontra a população mais vulnerável em termos sociais, educacionais, econômicos e de saúde. São lugares onde muitas pessoas tiveram de continuar trabalhando durante a quarentena, se expondo ao risco de contágio, e não puderam fazer um isolamento social adequado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;