Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhar em TI requer persistência, diz especialista

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

04/11/2013 | 07:55


Ser profissional de sucesso em TI (tecnologia da informação) e atuar para grandes multionacionais do segmento é sonho distante para jovens de baixa renda? Para o MVP (em inglês, profissional mais valioso) – que corresponde a título de especialista – da Microsoft Corporation, Jamil Lopes, o importante é acreditar que é possível chegar lá. “Às vezes é demorado, mas o que vale é a persistência”, diz. 

Lopes, que ministrou, na terça-feira, palestra gratuita no Teatro Paulo Machado de Carvalho, em São Caetano, para mais de 700 alunos da rede de escolas de informática e idiomas Up Center (que tem filial em São Bernardo), passou aos estudantes essa mensagem, além de mostrar caminhos tecnológicos estudados pela multinacional e que podem se tornar novos aplicativos nos próximos anos.

Ele relembrou um pouco da trajetória da Microsoft, fundada por Bill Gates e Paul Allen, que desde o início tinham a meta grandiosa de ver “um computador em cada mesa de trabalho e em cada casa”, isso em 1975, quando equipamentos de uso doméstico desse tipo não existiam.

Não é preciso ser gênio como Bill Gates, mas é importante não deixar passar oportunidades de ler, se atualizar e procurar fazer além do básico, para se diferenciar, segundo Lopes. Ele lembrou que, quando era criança, seu primeiro brinquedo foi um ferro de soldar e que sempre foi curioso por saber como funcionavam os aparelhos eletrônicos. Quando cresceu, se alistou no Exército, passou no ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e depois fez Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde cursou sistemas de informação. Já obteve, até hoje, cerca de 460 certificados de cursos na área. 

Ele aconselhou também os jovens a entrar no site da Microsoft para saber sobre programas de estágios. “Não é só tecnologia, há vagas desde dentista até oceonógrafo”, disse. Outro link interessante, segundo ele, é o programa de pesquisa em inovação da companhia (http://research.microsoft.com/en-us/collaboration/). Umas das vantagens do Brasil é possuir um dos poucos centros tecnológicos da empresa no mundo, acrescenta o especialista.

Lopes apontou ainda alguns caminhos de TI que seguem promissores, como a computação em nuvem (em que os dados ficam armazenados em servidores de empresas do ramo e não nos computadores dos usuários) e aplicativos para celular. E mostrou tecnologias que podem ser realidade em breve, como, por exemplo, a que permitirá ao consumidor que vai às compras em supermercados verificar no aparelho, ao entrar no estabelecimento, em que prateleiras estão os produtos, e depois, pegar os itens e ir embora, com a cobrança em débito automático, sem a necessidade de passar pelo caixa. “O futuro parece distante, mas está bem mais próximo do que a gente pode imaginar”, diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhar em TI requer persistência, diz especialista

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

04/11/2013 | 07:55


Ser profissional de sucesso em TI (tecnologia da informação) e atuar para grandes multionacionais do segmento é sonho distante para jovens de baixa renda? Para o MVP (em inglês, profissional mais valioso) – que corresponde a título de especialista – da Microsoft Corporation, Jamil Lopes, o importante é acreditar que é possível chegar lá. “Às vezes é demorado, mas o que vale é a persistência”, diz. 

Lopes, que ministrou, na terça-feira, palestra gratuita no Teatro Paulo Machado de Carvalho, em São Caetano, para mais de 700 alunos da rede de escolas de informática e idiomas Up Center (que tem filial em São Bernardo), passou aos estudantes essa mensagem, além de mostrar caminhos tecnológicos estudados pela multinacional e que podem se tornar novos aplicativos nos próximos anos.

Ele relembrou um pouco da trajetória da Microsoft, fundada por Bill Gates e Paul Allen, que desde o início tinham a meta grandiosa de ver “um computador em cada mesa de trabalho e em cada casa”, isso em 1975, quando equipamentos de uso doméstico desse tipo não existiam.

Não é preciso ser gênio como Bill Gates, mas é importante não deixar passar oportunidades de ler, se atualizar e procurar fazer além do básico, para se diferenciar, segundo Lopes. Ele lembrou que, quando era criança, seu primeiro brinquedo foi um ferro de soldar e que sempre foi curioso por saber como funcionavam os aparelhos eletrônicos. Quando cresceu, se alistou no Exército, passou no ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) e depois fez Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde cursou sistemas de informação. Já obteve, até hoje, cerca de 460 certificados de cursos na área. 

Ele aconselhou também os jovens a entrar no site da Microsoft para saber sobre programas de estágios. “Não é só tecnologia, há vagas desde dentista até oceonógrafo”, disse. Outro link interessante, segundo ele, é o programa de pesquisa em inovação da companhia (http://research.microsoft.com/en-us/collaboration/). Umas das vantagens do Brasil é possuir um dos poucos centros tecnológicos da empresa no mundo, acrescenta o especialista.

Lopes apontou ainda alguns caminhos de TI que seguem promissores, como a computação em nuvem (em que os dados ficam armazenados em servidores de empresas do ramo e não nos computadores dos usuários) e aplicativos para celular. E mostrou tecnologias que podem ser realidade em breve, como, por exemplo, a que permitirá ao consumidor que vai às compras em supermercados verificar no aparelho, ao entrar no estabelecimento, em que prateleiras estão os produtos, e depois, pegar os itens e ir embora, com a cobrança em débito automático, sem a necessidade de passar pelo caixa. “O futuro parece distante, mas está bem mais próximo do que a gente pode imaginar”, diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;