Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A Capital busca soluções para a crise


Simpi

08/07/2015 | 07:03


Diante dos números alarmantes constatados pelas últimas pesquisas Simpi/DataFolha, demonstrando que 66% das micro e pequenas indústrias estão correndo sério risco de sobrevivência, Artur Henrique da Silva Santos, o atual Secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo do município de São Paulo, afirma que, através da Agência São Paulo de Desenvolvimento, está trabalhando diretamente em duas grandes vertentes.

“A primeira é a garantia de crédito, mesmo no difícil cenário nacional, através do microcrédito orientado para os pequenos empreendimentos. A segunda é a criação de um marco regulatório, exigindo que parte das compras públicas da cidade de São Paulo sejam feitas de micro e pequenas empresas” explica.

Segundo ele, para enfrentar a atual situação, nada mais importante que fomentar a categoria econômica que contrata mais de 70% da mão de obra no Brasil. “Estamos construindo uma proposta de articular crédito, desenvolvimento local e compras públicas para quem mais gera emprego e trabalho decente”, explica o secretário, que espera implementar essas ações no curtíssimo prazo.

“O desenvolvimento local é a base para o estímulo às micro e pequenas empresas, num modelo de desenvolvimento diferente do atual e que possa produzir a vocação da região, do território, a partir das próprias pessoas que nelas estão vivendo. Costumo dizer que não adianta irmos para Parelheiros e discutir a implementação de uma indústria, independentemente de seu ramo, se a vocação daquela região é trabalhar com a agricultura familiar. No entanto, na Zona Leste, precisamos levar indústrias, empresas do setor industrial” esclarece.

Por fim, Artur Henrique explica que este é o modelo que o prefeito Fernando Haddad prioriza para a cidade de São Paulo. “Fico muito feliz de estar participando desse processo, juntamente com outras secretarias”, afirma ele, informando que, no próprio portal da Cidade de São Paulo (www.prefeitura.sp.gov.br), há um link sobre as várias novas iniciativas que estão sendo tomadas, para suporte ao desenvolvimento das micro e pequenas empresas paulistanas.

Recursos para pesquisa em pequenas empresas

A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) está recebendo propostas para o programa Pipe (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas), com a finalidade de apoiar a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em pequenas empresas, sediadas no estado. Neste edital, a fundação reservou até R$ 15 milhões para atendimento às propostas vencedoras.

As solicitações de financiamento serão recebidas exclusivamente por meio eletrônico (www.fapesp.br/sage) até 03 de agosto de 2015 e deverão apresentar projetos de pesquisa, desenvolvidos por pesquisadores que tenham vínculo empregatício com empresas de pequeno porte (com até 250 empregados) ou que estejam associados a elas para sua realização. Empresas não constituídas formalmente também poderão apresentar propostas, desde que sua formalização ocorra após a aprovação da proposta e antes da celebração do Termo de Outorga. Mais informações, detalhes e o manual para solicitação do apoio poderão ser obtidos no site da Fapesp (www.fapesp.br/pipe).
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A Capital busca soluções para a crise

Simpi

08/07/2015 | 07:03


Diante dos números alarmantes constatados pelas últimas pesquisas Simpi/DataFolha, demonstrando que 66% das micro e pequenas indústrias estão correndo sério risco de sobrevivência, Artur Henrique da Silva Santos, o atual Secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo do município de São Paulo, afirma que, através da Agência São Paulo de Desenvolvimento, está trabalhando diretamente em duas grandes vertentes.

“A primeira é a garantia de crédito, mesmo no difícil cenário nacional, através do microcrédito orientado para os pequenos empreendimentos. A segunda é a criação de um marco regulatório, exigindo que parte das compras públicas da cidade de São Paulo sejam feitas de micro e pequenas empresas” explica.

Segundo ele, para enfrentar a atual situação, nada mais importante que fomentar a categoria econômica que contrata mais de 70% da mão de obra no Brasil. “Estamos construindo uma proposta de articular crédito, desenvolvimento local e compras públicas para quem mais gera emprego e trabalho decente”, explica o secretário, que espera implementar essas ações no curtíssimo prazo.

“O desenvolvimento local é a base para o estímulo às micro e pequenas empresas, num modelo de desenvolvimento diferente do atual e que possa produzir a vocação da região, do território, a partir das próprias pessoas que nelas estão vivendo. Costumo dizer que não adianta irmos para Parelheiros e discutir a implementação de uma indústria, independentemente de seu ramo, se a vocação daquela região é trabalhar com a agricultura familiar. No entanto, na Zona Leste, precisamos levar indústrias, empresas do setor industrial” esclarece.

Por fim, Artur Henrique explica que este é o modelo que o prefeito Fernando Haddad prioriza para a cidade de São Paulo. “Fico muito feliz de estar participando desse processo, juntamente com outras secretarias”, afirma ele, informando que, no próprio portal da Cidade de São Paulo (www.prefeitura.sp.gov.br), há um link sobre as várias novas iniciativas que estão sendo tomadas, para suporte ao desenvolvimento das micro e pequenas empresas paulistanas.

Recursos para pesquisa em pequenas empresas

A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) está recebendo propostas para o programa Pipe (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas), com a finalidade de apoiar a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em pequenas empresas, sediadas no estado. Neste edital, a fundação reservou até R$ 15 milhões para atendimento às propostas vencedoras.

As solicitações de financiamento serão recebidas exclusivamente por meio eletrônico (www.fapesp.br/sage) até 03 de agosto de 2015 e deverão apresentar projetos de pesquisa, desenvolvidos por pesquisadores que tenham vínculo empregatício com empresas de pequeno porte (com até 250 empregados) ou que estejam associados a elas para sua realização. Empresas não constituídas formalmente também poderão apresentar propostas, desde que sua formalização ocorra após a aprovação da proposta e antes da celebração do Termo de Outorga. Mais informações, detalhes e o manual para solicitação do apoio poderão ser obtidos no site da Fapesp (www.fapesp.br/pipe).
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;