Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 1 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Três índios se suicidam na aldeia Panambizinho, no MS


Do Diário do Grande ABC

09/09/1999 | 20:35


Cinco índios da aldeia Panambizinho, a 25 quilômetros da cidade de Dourados, no sul do Mato Grosso do Sul, tentaram o suicídio nessa quarta-feira (08). Eles beberam cachaça misturada com os herbicidas Novacron e Secante. Morreram três - Sivone Aquino, de 15 anos, Sulmara Arce, 12 anos, e Valdelen Juca Pedro, 20. Os corpos foram sepultados nesta quinta-feira (9) no cemitério da aldeia.

O grupo ainda chegou com vida ao Hospital da Missao Evangélicas Kaiowas, em Dourados. Luciene Arce, de 15 anos, está internado em coma e um índio nao identificado recebeu tratamento e foi dispensado.

Segundo o chefe do núcleo da Fundaçao Nacional do Indio (Funai) em Dourados, Wilson Matos, os cinco índios resolveram juntos o envenenamento. Este ano já foram registrados quatro suicídios na mesma aldeia. Matos atribui as mortes à tensao na aldeia por causa da falta de espaço para que os índios possam viver com dignidade. O ambiente tenso foi confirmado pelo chefe do posto indígena da Panambizinho, Alexandre Croner de Abreu.

Em Dourados vivem 7 mil índios em pouco mais 6 mil hectares e bem próximos da área urbana. Essa aproximaçao facilita a introduçao de bebidas alcóolicas na aldeia. Quanto à facilidade de se conseguir veneno para os suicídios Abreu explicou que os produtores rurais da regiao nao dao a destinaçao adequada às embalagens de agrotóxicos, deixando-as jogadas no campo com restos de produtos.

Os dois funcionários da Funai explicaram que há 40 anos a aldeia Panambizinho ficou sem 1.180 hectares de área, transformados em assentamento da reforma Agrária pelo entao presidente Getúlio Vargas, O governo de Vargas dividiu os 1.180 hectares em 38 lotes, concedendo títulos definitivos das terras para o mesmo número de colonos. Sao 38 produtores brancos ocupando quase 1.200 hectares e 250 índios guarani-kaiowa vivendo em apenas 60 hectares. A Funai delimitou a área que é contígua à aldeia, registrou e liberou para os índios. Mas decisao do ex-ministro da Justiça Nelson Jobim reconsiderou o direito dos fazendeiros de permanecer na área.

No final do mês passado, um grupo de 200 guarani-kaiowas deteve três funcionários do governo na aldeia. Os servidores estaduais foram avisar os índios sobre o cancelamento da visita do ministro da Justiça, José Carlos Dias, que havia prometido ir à aldeia resolver o problema. Com os reféns, os kaiowas negociaram uma outra data para a visita do ministro, que seria dia 4 último, também cancelada.

Os produtores rurais querem indenizaçoes das benfeitorias, cerca de R$ 5 milhoes para deixar o local. Segundo Wilson Matos um comunicado recebido no início desta semana informa que o Ministério da Justiça vai comprar a Fazenda Sao Paulo, vizinha da aldeia, para assentar os colonos e liberar a gleba para os índios. Segundo informaçoes obtidas no Conselho Indigenista Missionário existem na regiao nove áreas indígenas que foram usadas para assentamentos naépoca de Getúlio Vargas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Três índios se suicidam na aldeia Panambizinho, no MS

Do Diário do Grande ABC

09/09/1999 | 20:35


Cinco índios da aldeia Panambizinho, a 25 quilômetros da cidade de Dourados, no sul do Mato Grosso do Sul, tentaram o suicídio nessa quarta-feira (08). Eles beberam cachaça misturada com os herbicidas Novacron e Secante. Morreram três - Sivone Aquino, de 15 anos, Sulmara Arce, 12 anos, e Valdelen Juca Pedro, 20. Os corpos foram sepultados nesta quinta-feira (9) no cemitério da aldeia.

O grupo ainda chegou com vida ao Hospital da Missao Evangélicas Kaiowas, em Dourados. Luciene Arce, de 15 anos, está internado em coma e um índio nao identificado recebeu tratamento e foi dispensado.

Segundo o chefe do núcleo da Fundaçao Nacional do Indio (Funai) em Dourados, Wilson Matos, os cinco índios resolveram juntos o envenenamento. Este ano já foram registrados quatro suicídios na mesma aldeia. Matos atribui as mortes à tensao na aldeia por causa da falta de espaço para que os índios possam viver com dignidade. O ambiente tenso foi confirmado pelo chefe do posto indígena da Panambizinho, Alexandre Croner de Abreu.

Em Dourados vivem 7 mil índios em pouco mais 6 mil hectares e bem próximos da área urbana. Essa aproximaçao facilita a introduçao de bebidas alcóolicas na aldeia. Quanto à facilidade de se conseguir veneno para os suicídios Abreu explicou que os produtores rurais da regiao nao dao a destinaçao adequada às embalagens de agrotóxicos, deixando-as jogadas no campo com restos de produtos.

Os dois funcionários da Funai explicaram que há 40 anos a aldeia Panambizinho ficou sem 1.180 hectares de área, transformados em assentamento da reforma Agrária pelo entao presidente Getúlio Vargas, O governo de Vargas dividiu os 1.180 hectares em 38 lotes, concedendo títulos definitivos das terras para o mesmo número de colonos. Sao 38 produtores brancos ocupando quase 1.200 hectares e 250 índios guarani-kaiowa vivendo em apenas 60 hectares. A Funai delimitou a área que é contígua à aldeia, registrou e liberou para os índios. Mas decisao do ex-ministro da Justiça Nelson Jobim reconsiderou o direito dos fazendeiros de permanecer na área.

No final do mês passado, um grupo de 200 guarani-kaiowas deteve três funcionários do governo na aldeia. Os servidores estaduais foram avisar os índios sobre o cancelamento da visita do ministro da Justiça, José Carlos Dias, que havia prometido ir à aldeia resolver o problema. Com os reféns, os kaiowas negociaram uma outra data para a visita do ministro, que seria dia 4 último, também cancelada.

Os produtores rurais querem indenizaçoes das benfeitorias, cerca de R$ 5 milhoes para deixar o local. Segundo Wilson Matos um comunicado recebido no início desta semana informa que o Ministério da Justiça vai comprar a Fazenda Sao Paulo, vizinha da aldeia, para assentar os colonos e liberar a gleba para os índios. Segundo informaçoes obtidas no Conselho Indigenista Missionário existem na regiao nove áreas indígenas que foram usadas para assentamentos naépoca de Getúlio Vargas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;