Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Peixe homenageia Léo e a Vila

Santos FC/Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Amistoso com Benfica será despedida do
ex-lateral e parte das celebrações de centenário


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

08/10/2016 | 07:00


O Santos viverá dia histórico hoje, quando enfrentará amistosamente o Benfica, de Portugal. O duelo, que será realizado às 16h05, na Vila Belmiro, servirá para homenagear o centenário do estádio – que será completado no dia 12 – um dos mais famosos do mundo e também para marcar a despedida do ex-lateral-esquerdo Léo, bicampeão brasileiro e campeão da Libertadores com a camisa santista.

Mesmo com a festa, Dorival Júnior não pôde poupar a equipe e convocou todos os jogadores. A expectativa é que ele use o time titular no primeiro tempo e depois dê oportunidade para os reservas. Léo vai iniciar a partida pelo Benfica e voltará para o segundo tempo com a camisa do Santos. O ex-meia Giovanni deve entrar no decorrer do primeiro tempo.

Ontem, três veteranos do elenco do Peixe homenagearam Léo. Renato, Elano e Ricardo Oliveira contaram alguns momentos marcantes do ex-lateral-esquerdo, que atuou no Santos por dez temporadas (2000/2005 e 2009/2014).

“Ele sempre foi desse jeitão dele meio rabugento. O pessoal brincava muito com ele. Eu coloquei um apelido que a molecada gostava demais, que era o de ‘Julião Petruchio’, da novela O Cravo e a Rosa”, brincou Ricardo Oliveira. “Ele era medroso. Eu falava que ia matá-lo. Fui para o lanche e fechei a cara, peguei uma chave e disse que ia matá-lo de noite. Peguei faca de cozinha e coloquei ao lado da minha cama. Ele não dormiu de tanto medo”, lembrou Elano.

Renato foi outro que recordou causos de Léo. “Ele era ranzinza. Meninos pegavam muito no pé dele. Robinho o infernizava. Mas é um cara que sempre trabalhou sério desde quando chegou”, elogiou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Peixe homenageia Léo e a Vila

Amistoso com Benfica será despedida do
ex-lateral e parte das celebrações de centenário

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

08/10/2016 | 07:00


O Santos viverá dia histórico hoje, quando enfrentará amistosamente o Benfica, de Portugal. O duelo, que será realizado às 16h05, na Vila Belmiro, servirá para homenagear o centenário do estádio – que será completado no dia 12 – um dos mais famosos do mundo e também para marcar a despedida do ex-lateral-esquerdo Léo, bicampeão brasileiro e campeão da Libertadores com a camisa santista.

Mesmo com a festa, Dorival Júnior não pôde poupar a equipe e convocou todos os jogadores. A expectativa é que ele use o time titular no primeiro tempo e depois dê oportunidade para os reservas. Léo vai iniciar a partida pelo Benfica e voltará para o segundo tempo com a camisa do Santos. O ex-meia Giovanni deve entrar no decorrer do primeiro tempo.

Ontem, três veteranos do elenco do Peixe homenagearam Léo. Renato, Elano e Ricardo Oliveira contaram alguns momentos marcantes do ex-lateral-esquerdo, que atuou no Santos por dez temporadas (2000/2005 e 2009/2014).

“Ele sempre foi desse jeitão dele meio rabugento. O pessoal brincava muito com ele. Eu coloquei um apelido que a molecada gostava demais, que era o de ‘Julião Petruchio’, da novela O Cravo e a Rosa”, brincou Ricardo Oliveira. “Ele era medroso. Eu falava que ia matá-lo. Fui para o lanche e fechei a cara, peguei uma chave e disse que ia matá-lo de noite. Peguei faca de cozinha e coloquei ao lado da minha cama. Ele não dormiu de tanto medo”, lembrou Elano.

Renato foi outro que recordou causos de Léo. “Ele era ranzinza. Meninos pegavam muito no pé dele. Robinho o infernizava. Mas é um cara que sempre trabalhou sério desde quando chegou”, elogiou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;