Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA negociavam entrega de Bin Laden há três anos


Do Diário OnLine

29/10/2001 | 11:47


Os Estados Unidos negociavam com o Talibã há mais de três anos a extradição do terrorista Osama Bin Laden. Oficiais teriam se encontrado por mais de 20 vezes, no Afeganistão, Paquistão, Estados Unidos e Alemanha, com representantes do regime extremista islâmico para discutir como o terrorista poderia ser entregue.

De acordo com a edição desta segunda-feira do jornal americano Washington Post, as conversas continuaram até dias antes dos ataques de 11 de setembro. Representantes do Talibã continuavam a dizer que entregariam Bin Laden se concordassem com as condições.

Apesar da disposição de entregar Bin Laden, o Talibã nunca teria feito uma oferta concreta para entregá-lo, exigindo provas sobre sua culpa em ações terroristas. No entanto, os EUA não aceitavam as condições talibãs, exigindo sua captura.

As primeiras tentativas para extraditar Bin Laden começaram em 1996, quando ele ainda não havia mudado para o Afeganistão. No entanto, a questão tomou maior dimensão com os ataques às embaixadas americanas no Quênia e Tanzânia, que mataram 224 pessoas em 1998.

Em 1999, Bill Clinton enviou dois representantes Islamabad, no Paquistão, para entregar a seguinte mensagem: se Bin Laden cometer algum ato terrorista o Talibã será responsabilizado.

No mesmo ano, a ONU determinou que Bin Laden fosse entregue, mas deixou que o terrorista fosse julgado em uma corte islâmica. Os Estados Unidos não aceitaram o pedido e os talibãs voltaram a exigir provas contra o terrorista.

O Afeganistão está sendo bombardeado há três semanas por uma coalizão antiterrorista liderada pelos EUA. A ação busca Bin Laden e seu grupo, Al Qaeda, responsabilizados pelos ataques do dia 11 de setembro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;