Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com 97% dos votos contados, mais de 75% dos chilenos aprovam nova constituição



26/10/2020 | 00:25


Mais de dois terços dos chilenos votaram pela redação de uma nova constituição para o país, informou o serviço eleitoral que apurou mais de 97% das urnas do plebiscito realizado neste domingo. A autoridade eleitoral afirmou que de 7,3 milhões de votos contados, 78% favoreciam uma nova constituição e menos de 21,7% a opunham.

A maneira de se fazer a nova constituição também estava em jogo. Os resultados preliminares revelaram 79% votos favoráveis à que a lei seja elaborada por um grupo 155 cidadãos que serão eleitos apenas para esse propósito em abril e 20,76% votaram pela redação da lei por um grupo de 172 pessoas - dividido igualmente entre delegados eleitos e parlamentares.

Entre os 60.000 chilenos que vivem fora do país, o voto foi de 86% por uma nova constituição e 13% contra, afirmaram as autoridades. Cerca de 15 milhões de chilenos estavam aptos a votar e participação era voluntária. O resultado do referendo é vinculativo, ou seja, deve ser respeitado.

A votação estava inicialmente marcada para abril, mas foi adiada em virtude da pandemia do novo coronavírus. O governo conservador do país concordou com a oposição de centro-esquerda em permitir o plebiscito após a eclosão de vastos protestos de rua realizados há um ano. Em discurso ao país, após a votação, o presidente Sebastián Piñera, que se opôs a uma nova Carta Magna, reconheceu o resultado, mas advertiu que é apenas o início de um longo processo. "Este plebiscito não é o fim. É o início de um caminho que devemos percorrer juntos para chegar a um acordo sobre uma nova constituição para o Chile", afirmou, enquanto milhares de chilenos comemoravam o resultado nas praças de Santiago.

Após a aprovação da medida, uma convenção especial começará a redigir uma nova constituição que será submetida ao voto em 2022. A constituição atual do Chile foi feita durante o governo ditatorial de Augusto Pinochet, e foi colocada em votação num período em que partidos políticos haviam sido banidos e o país estava sujeito a censura pesada. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com 97% dos votos contados, mais de 75% dos chilenos aprovam nova constituição


26/10/2020 | 00:25


Mais de dois terços dos chilenos votaram pela redação de uma nova constituição para o país, informou o serviço eleitoral que apurou mais de 97% das urnas do plebiscito realizado neste domingo. A autoridade eleitoral afirmou que de 7,3 milhões de votos contados, 78% favoreciam uma nova constituição e menos de 21,7% a opunham.

A maneira de se fazer a nova constituição também estava em jogo. Os resultados preliminares revelaram 79% votos favoráveis à que a lei seja elaborada por um grupo 155 cidadãos que serão eleitos apenas para esse propósito em abril e 20,76% votaram pela redação da lei por um grupo de 172 pessoas - dividido igualmente entre delegados eleitos e parlamentares.

Entre os 60.000 chilenos que vivem fora do país, o voto foi de 86% por uma nova constituição e 13% contra, afirmaram as autoridades. Cerca de 15 milhões de chilenos estavam aptos a votar e participação era voluntária. O resultado do referendo é vinculativo, ou seja, deve ser respeitado.

A votação estava inicialmente marcada para abril, mas foi adiada em virtude da pandemia do novo coronavírus. O governo conservador do país concordou com a oposição de centro-esquerda em permitir o plebiscito após a eclosão de vastos protestos de rua realizados há um ano. Em discurso ao país, após a votação, o presidente Sebastián Piñera, que se opôs a uma nova Carta Magna, reconheceu o resultado, mas advertiu que é apenas o início de um longo processo. "Este plebiscito não é o fim. É o início de um caminho que devemos percorrer juntos para chegar a um acordo sobre uma nova constituição para o Chile", afirmou, enquanto milhares de chilenos comemoravam o resultado nas praças de Santiago.

Após a aprovação da medida, uma convenção especial começará a redigir uma nova constituição que será submetida ao voto em 2022. A constituição atual do Chile foi feita durante o governo ditatorial de Augusto Pinochet, e foi colocada em votação num período em que partidos políticos haviam sido banidos e o país estava sujeito a censura pesada. Fonte: Associated Press.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;