Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Após um mês, Karmann Ghia segue ocupada

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Funcionários acamparam na fábrica para cobrar o pagamento de salários e verbas rescisórias


Natália Scarabotto
Especial para o Diário

15/06/2016 | 07:00


O clima de incerteza toma conta dos trabalhadores da fábrica de autopeças Karmann Ghia, em São Bernardo, que estão acampados na sede da empresa há um mês. “A maior dificuldade é o cansaço em esperar o desfecho dessa história. Nos primeiros dias, tudo bem. Agora, já começamos a nos perguntar até quando ficaremos aqui. Há um desgaste físico e psicológico”, comenta o técnico de processo pleno Willians Ribeiro, 34 anos.

Operários da ativa e ex-funcionários ocupam o local com objetivo de cobrar o pagamento de salários e verbas rescisórias. Desde março, os 330 trabalhadores não recebem.

Os dias têm sido longos e cheios de improvisos. Para as refeições, uma marmita para duas pessoas. A energia elétrica é produzida por gerador e a água vem de caminhão-pipa. Para passar o tempo, há mesas de sinuca e tênis de mesa. “A gente joga e faz ronda pela fábrica e eu até estudo a matéria da faculdade. Tudo para distrair. O que nos mantém aqui é a esperança de a empresa se manifestar. Não vamos largar essa luta”, diz Ribeiro.

Em casa, a dificuldade também bate à porta. Muitas famílias sobrevivem de doações. “Mesmo assim, o salário faz falta. Eu preciso pagar a pensão da minha filha e corro risco de ser preso se atrasar”, relata Diego Honorato Moreira, 27.

“Pode demorar, mas vamos continuar mobilizados. Enquanto isso, as dívidas aumentam”, reforça o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Carlos Caramelo.

HISTÓRICO

Além da queda nas vendas para as montadoras, a Karmann Ghia é alvo de impasse na Justiça envolvendo dois grupos empresariais. O antigo dono Eudes Maria Regnier Pedro José de Orleans e Bragança acusa a empresária Maristela Nardini, que comprou a companhia em 2014, de não pagar as parcelas acertadas. Em maio. o Judiciário decidiu que Eudes – que é trineto do imperador Dom Pedro II – é o proprietário de fato. Mesmo assim, diz o sindicato, ninguém ligado a ele apareceu para negociar com os trabalhadores. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Após um mês, Karmann Ghia segue ocupada

Funcionários acamparam na fábrica para cobrar o pagamento de salários e verbas rescisórias

Natália Scarabotto
Especial para o Diário

15/06/2016 | 07:00


O clima de incerteza toma conta dos trabalhadores da fábrica de autopeças Karmann Ghia, em São Bernardo, que estão acampados na sede da empresa há um mês. “A maior dificuldade é o cansaço em esperar o desfecho dessa história. Nos primeiros dias, tudo bem. Agora, já começamos a nos perguntar até quando ficaremos aqui. Há um desgaste físico e psicológico”, comenta o técnico de processo pleno Willians Ribeiro, 34 anos.

Operários da ativa e ex-funcionários ocupam o local com objetivo de cobrar o pagamento de salários e verbas rescisórias. Desde março, os 330 trabalhadores não recebem.

Os dias têm sido longos e cheios de improvisos. Para as refeições, uma marmita para duas pessoas. A energia elétrica é produzida por gerador e a água vem de caminhão-pipa. Para passar o tempo, há mesas de sinuca e tênis de mesa. “A gente joga e faz ronda pela fábrica e eu até estudo a matéria da faculdade. Tudo para distrair. O que nos mantém aqui é a esperança de a empresa se manifestar. Não vamos largar essa luta”, diz Ribeiro.

Em casa, a dificuldade também bate à porta. Muitas famílias sobrevivem de doações. “Mesmo assim, o salário faz falta. Eu preciso pagar a pensão da minha filha e corro risco de ser preso se atrasar”, relata Diego Honorato Moreira, 27.

“Pode demorar, mas vamos continuar mobilizados. Enquanto isso, as dívidas aumentam”, reforça o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Carlos Caramelo.

HISTÓRICO

Além da queda nas vendas para as montadoras, a Karmann Ghia é alvo de impasse na Justiça envolvendo dois grupos empresariais. O antigo dono Eudes Maria Regnier Pedro José de Orleans e Bragança acusa a empresária Maristela Nardini, que comprou a companhia em 2014, de não pagar as parcelas acertadas. Em maio. o Judiciário decidiu que Eudes – que é trineto do imperador Dom Pedro II – é o proprietário de fato. Mesmo assim, diz o sindicato, ninguém ligado a ele apareceu para negociar com os trabalhadores. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;