Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Saulo admite cancelar Festival do Chocolate

Orlando Filho/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de Ribeirão cita falta de recursos para realizar evento neste ano; custo estimado é de R$ 2 mi


Vitória Rocha
Especial para o Diário

27/04/2016 | 07:00


O prefeito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides (PMDB), afirmou que é grande a possibilidade de a cidade não realizar a 11 edição do Festival do Chocolate neste ano. Tradicional no município, o evento chegou a ser cancelado em 2013 pelo mesmo motivo alegado atualmente: falta de recursos e endividamento da Prefeitura.

Segundo Saulo, “tudo indica” que não haverá festa. “Não temos condições financeiras. O festival custa, em média, R$ 2 milhões e mais da metade disso saem dos cofres públicos”, argumentou. Para o prefeito, seria irresponsabilidade fazer evento “nessas condições”. “O que nós temos de recursos vamos direcionar para outras áreas, como Educação e Saúde.”

Segundo informações oficiais do Paço, por meio da assessoria de imprensa, há chance de o festival ser organizado, mas de maneira tímida, sem grandes artistas. “A Prefeitura de Ribeirão Pires confirma o cancelamento do Festival do Chocolate 2016 no formato que tem sido realizado nos anos anteriores, ou seja, um grande evento. A Prefeitura está estudando realizar o evento no estilo do aniversário da cidade, dando destaque aos artistas e bandas locais”, informou.

Em 2013, depois de reunião com a administração, o governo anunciou optar por “dar prioridade para outras áreas” e cancelar o festival. À época, estimava-se que a seriam gastos R$ 2 milhões com o evento, sendo pelo menos 90% custeados pela administração, segundo o chefe do Executivo. Apesar disso, mais tarde, Saulo lamentou o cancelamento do evento “em cima da hora”.

No ano passado, em meio a grave crise financeira, a gestão peemedebista gastou R$ 770 mil em contrato com a empresa T.F. de Carvalho, responsável por trazer série de artistas para o Festival do Chocolate de 2015, como Titãs, NXZero e Marcos e Belutti.

Conforme relatou Saulo, o governo ainda não conseguiu sequer quitar R$ 1 milhão em dívidas da atividade do ano passado. Entre os credores está o Rotary Club da cidade, que auxiliou no pagamento de despesas. No ano passado, Saulo estimava que a venda completa de ingressos para todos os dias da atração seria suficiente para cobrir os custos do festival, porém, foram raros os fins de semana com lotação máxima.

QUESTIONAMENTOS

Quando decidiu não realizar o Festival do Chocolate em 2013, Saulo foi bastante criticado pelo seu antecessor, Clóvis Volpi (PSDB). O tucano, que administrou Ribeirão entre 2005 e 2012, garantiu que o evento era superavitário porque a movimentação financeira que era gerada com a atividade pagava, com sobras, os custos de estrutura e contratação dos artistas.

À época, Saulo colocou parte da culpa em Volpi pelo cancelamento daquela edição. Ele citou que havia herdado o governo com R$ 41,4 milhões em restos a pagar, o que inviabilizou qualquer investimento próprio. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saulo admite cancelar Festival do Chocolate

Prefeito de Ribeirão cita falta de recursos para realizar evento neste ano; custo estimado é de R$ 2 mi

Vitória Rocha
Especial para o Diário

27/04/2016 | 07:00


O prefeito de Ribeirão Pires, Saulo Benevides (PMDB), afirmou que é grande a possibilidade de a cidade não realizar a 11 edição do Festival do Chocolate neste ano. Tradicional no município, o evento chegou a ser cancelado em 2013 pelo mesmo motivo alegado atualmente: falta de recursos e endividamento da Prefeitura.

Segundo Saulo, “tudo indica” que não haverá festa. “Não temos condições financeiras. O festival custa, em média, R$ 2 milhões e mais da metade disso saem dos cofres públicos”, argumentou. Para o prefeito, seria irresponsabilidade fazer evento “nessas condições”. “O que nós temos de recursos vamos direcionar para outras áreas, como Educação e Saúde.”

Segundo informações oficiais do Paço, por meio da assessoria de imprensa, há chance de o festival ser organizado, mas de maneira tímida, sem grandes artistas. “A Prefeitura de Ribeirão Pires confirma o cancelamento do Festival do Chocolate 2016 no formato que tem sido realizado nos anos anteriores, ou seja, um grande evento. A Prefeitura está estudando realizar o evento no estilo do aniversário da cidade, dando destaque aos artistas e bandas locais”, informou.

Em 2013, depois de reunião com a administração, o governo anunciou optar por “dar prioridade para outras áreas” e cancelar o festival. À época, estimava-se que a seriam gastos R$ 2 milhões com o evento, sendo pelo menos 90% custeados pela administração, segundo o chefe do Executivo. Apesar disso, mais tarde, Saulo lamentou o cancelamento do evento “em cima da hora”.

No ano passado, em meio a grave crise financeira, a gestão peemedebista gastou R$ 770 mil em contrato com a empresa T.F. de Carvalho, responsável por trazer série de artistas para o Festival do Chocolate de 2015, como Titãs, NXZero e Marcos e Belutti.

Conforme relatou Saulo, o governo ainda não conseguiu sequer quitar R$ 1 milhão em dívidas da atividade do ano passado. Entre os credores está o Rotary Club da cidade, que auxiliou no pagamento de despesas. No ano passado, Saulo estimava que a venda completa de ingressos para todos os dias da atração seria suficiente para cobrir os custos do festival, porém, foram raros os fins de semana com lotação máxima.

QUESTIONAMENTOS

Quando decidiu não realizar o Festival do Chocolate em 2013, Saulo foi bastante criticado pelo seu antecessor, Clóvis Volpi (PSDB). O tucano, que administrou Ribeirão entre 2005 e 2012, garantiu que o evento era superavitário porque a movimentação financeira que era gerada com a atividade pagava, com sobras, os custos de estrutura e contratação dos artistas.

À época, Saulo colocou parte da culpa em Volpi pelo cancelamento daquela edição. Ele citou que havia herdado o governo com R$ 41,4 milhões em restos a pagar, o que inviabilizou qualquer investimento próprio. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;