Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Família de pinguins aumenta na Sabina

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Três filhotes nasceram nesta semana em Sto.André; outros três ovos estão prestes a eclodir


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

17/12/2015 | 07:00


A alegria da chegada de um bebê veio em dose tripla no pinguinário da Sabina Escola Parque do Conhecimento, em Santo André, com o nascimento de três pinguins. Filó, a primeira filhote nascida na Sabina, em dezembro de 2013, ganhou dois irmãozinhos, um que saiu do ovo no último domingo e o outro ontem, filhos do casal Kowalskinha e Buzininha. O outro filhote, dos pais de primeira viagem Magali e Batman, nasceu na terça-feira. E o grupo aumentará nos próximos dias: a previsão é que dois bebês-pinguins quebrem a casca dos ovos amanhã e o terceiro na segunda-feira.

O sexo dos novos integrantes só será descoberto daqui a alguns meses, através de exame de sangue. “Como são muito pequenininhos, cada gotinha de sangue é muito valiosa. Vamos esperar até estarem mais fortinhos”, disse a veterinária Diana Becker.

No pinguinário, que existe desde 2009, vivem 23 pinguins de Magalhães, originária da Patagônia, na América do Sul. Os que não nasceram em solo andreense foram encontrados debilitados no litoral do Brasil e, após serem resgatados e receberem tratamento, foram trazidos para a Sabina, já que não tinham condições de retornar à natureza.

A reprodução dos animais acontece sempre na primavera. No fim de outubro, as fêmeas botam dois ovos, mas é comum que só um sobreviva. O filhote leva 40 dias para nascer.

A administradora Adriana Lilian Schone, 43 anos, veio da Capital à Sabina após saber sobre o nascimento dos pinguins em rede social. Porém, não conseguiu ver os bebês. “Devem estar lá com a mamãe, escondidinhos”, falou.

E estavam mesmo. Com pais zelosos, os pequenos ficam acolhidos no ninho. “O pai e a mãe protegem muito, ficam em cima do bebê, se revezando nos cuidados e regurgitando o alimento para ele. Em janeiro, os filhotes já estarão maiores e mais na porta do ninho, será mais fácil de vê-los. Quando trocarem a pluma por pena impermeável, aí, entram na água”, explica a veterinária.

A Sabina entrará em recesso a partir de amanhã, voltando às atividades no dia 5 de janeiro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Família de pinguins aumenta na Sabina

Três filhotes nasceram nesta semana em Sto.André; outros três ovos estão prestes a eclodir

Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

17/12/2015 | 07:00


A alegria da chegada de um bebê veio em dose tripla no pinguinário da Sabina Escola Parque do Conhecimento, em Santo André, com o nascimento de três pinguins. Filó, a primeira filhote nascida na Sabina, em dezembro de 2013, ganhou dois irmãozinhos, um que saiu do ovo no último domingo e o outro ontem, filhos do casal Kowalskinha e Buzininha. O outro filhote, dos pais de primeira viagem Magali e Batman, nasceu na terça-feira. E o grupo aumentará nos próximos dias: a previsão é que dois bebês-pinguins quebrem a casca dos ovos amanhã e o terceiro na segunda-feira.

O sexo dos novos integrantes só será descoberto daqui a alguns meses, através de exame de sangue. “Como são muito pequenininhos, cada gotinha de sangue é muito valiosa. Vamos esperar até estarem mais fortinhos”, disse a veterinária Diana Becker.

No pinguinário, que existe desde 2009, vivem 23 pinguins de Magalhães, originária da Patagônia, na América do Sul. Os que não nasceram em solo andreense foram encontrados debilitados no litoral do Brasil e, após serem resgatados e receberem tratamento, foram trazidos para a Sabina, já que não tinham condições de retornar à natureza.

A reprodução dos animais acontece sempre na primavera. No fim de outubro, as fêmeas botam dois ovos, mas é comum que só um sobreviva. O filhote leva 40 dias para nascer.

A administradora Adriana Lilian Schone, 43 anos, veio da Capital à Sabina após saber sobre o nascimento dos pinguins em rede social. Porém, não conseguiu ver os bebês. “Devem estar lá com a mamãe, escondidinhos”, falou.

E estavam mesmo. Com pais zelosos, os pequenos ficam acolhidos no ninho. “O pai e a mãe protegem muito, ficam em cima do bebê, se revezando nos cuidados e regurgitando o alimento para ele. Em janeiro, os filhotes já estarão maiores e mais na porta do ninho, será mais fácil de vê-los. Quando trocarem a pluma por pena impermeável, aí, entram na água”, explica a veterinária.

A Sabina entrará em recesso a partir de amanhã, voltando às atividades no dia 5 de janeiro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;