Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

País não terá impacto da crise europeia



26/05/2010 | 07:00


O diretor-geral do FMI (Fundo Monetário Internacional), Dominique Strauss-Kahn, disse ontem não acreditar que a crise econômica na Europa possa trazer prejuízos ao Brasil. Segundo ele, é possível que alguns setores da economia brasileira sofram com consequências pontuais do abalo nos mercados europeus. Porém, isso não deve ter impactos importantes na situação do País.

"Talvez algum problema na área do crédito ou comércio exterior atinja o Brasil, porém, até agora, eu não acho que há perigo com relação ao que acontece na Europa", afirmou o executivo.

Strauss-Kahn disse ainda que as medidas que já vinham sendo adotadas favoreceram o País no momento da recessão mundial causada pela crise. "A economia brasileira não foi fortemente atingida pela crise devido ao esforço feito anteriormente. O Brasil equilibrou o Orçamento, implantou políticas corretas, e isso trouxe benefícios", avaliou o diretor.

Ele ressaltou, no entanto, que o atual cenário da economia não imuniza o Brasil. "Prejuízos podem acontecer. Depende de como a situação na Europa evoluir."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

País não terá impacto da crise europeia


26/05/2010 | 07:00


O diretor-geral do FMI (Fundo Monetário Internacional), Dominique Strauss-Kahn, disse ontem não acreditar que a crise econômica na Europa possa trazer prejuízos ao Brasil. Segundo ele, é possível que alguns setores da economia brasileira sofram com consequências pontuais do abalo nos mercados europeus. Porém, isso não deve ter impactos importantes na situação do País.

"Talvez algum problema na área do crédito ou comércio exterior atinja o Brasil, porém, até agora, eu não acho que há perigo com relação ao que acontece na Europa", afirmou o executivo.

Strauss-Kahn disse ainda que as medidas que já vinham sendo adotadas favoreceram o País no momento da recessão mundial causada pela crise. "A economia brasileira não foi fortemente atingida pela crise devido ao esforço feito anteriormente. O Brasil equilibrou o Orçamento, implantou políticas corretas, e isso trouxe benefícios", avaliou o diretor.

Ele ressaltou, no entanto, que o atual cenário da economia não imuniza o Brasil. "Prejuízos podem acontecer. Depende de como a situação na Europa evoluir."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;