Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Candidata a miss balanço


Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

26/03/2010 | 07:00


Clara Moreno cresceu ouvindo boa música. Filha da cantora Joyce e do violonista Nelson Ângelo, a intérprete carioca nascida em 1971 já testou o repertório clássico brasileiro de diversas maneiras. Dedicou-se, principalmente, à bossa nova e à música eletrônica. Agora, com "Miss Balanço" (Biscoito Fino, preço médio R$ 34,90), explora o samba e o suingue que, na década de 1970, teve entre seus principais expoentes Jorge Ben Jor e Wilson Simonal.

À frente da receita da bolachinha estão os maiores clássicos e compositores do período. De Ben Jor a Simonal, passando por Gilberto Gil, João Donato e Tito Madi, Clara visita ainda gente como Luiz Claudio, um compositor e cantor que estudou com o maestro Moacir Santos e acabou entrando para o ramo da arquitetura, e Orlandivo. Os violões e a co-produção ficam a cargo de Joyce, que, além de mestra em voz e letra, tem um violão afinadíssimo.

De recheio, a voz de Clara. Com um timbre particular, grave, mas suave, ela se ajusta ao balanço e prova que é capaz de ir muito além da bossa. E por isso transita, navegando suavemente, pelas 14 canções do álbum.

Nas faixas, brinca com a salsa, abrasileirando-a. Sai com um quase samba de breque e chega a outro mais tradicional. Moderniza as levadas e lança a cuíca a seguir.

Ao lado do piano de Tiago Costa, que já tocou com Maria Rita, protagoniza pelo menos três momentos especiais, em "Uala Ualalá" (Jorge Ben Jor), "Vai Devagarinho" (Orlandivo e Roberto Jorge) e "Jeito Bom de Sofrer" (Wilson Simonal e Jorge Luiz). O baixo acústico de Zé Alexandre de Carvalho soma o clima intimista, quase jazzístico, das canções.

O luxo só vem com a participação do compassado piano de João Donato, em "Que Besteira", uma das raras parcerias do instrumentista com Gilberto Gil. Novamente, nesse momento, baixo, piano e bateria endossam o acabamento refinado do trabalho.

Em "Balanço Zona Sul" (Tito Madi), a intérprete explora violão e sopros. A canção é como a prima menos famosa de "Garota de Ipanema" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Explora, fielmente, os maiores clichês da bossa, em ritmo, voz e tema.

"Deixa a Nega Gingar" (Luiz Claudio), que abre o disco, e "Bebete Vãobora" (Jorge Ben Jor), já dão o recado.

A primeira, em ritmo latino e a segunda, com um jogo de voz entre a cantora e o cantor Skowa, que são a ginga e o suingue em forma de música, fecham o quadro e endossam que balanço não é só ritmo, é renovar, e inovar, a bossa e o samba, o que temos de mais tradicional na música, mas sem descompassar a batida.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;