Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Cameron defende seu plano de referendo

Da AP Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/04/2013 | 01:44


O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, defendeu sua promessa de realizar um referendo nacional sobre a adesão britânica na União Europeia, segundo entrevistas a jornais europeus.

 

Cameron disse que ignorar o fato de que o apoio do Reino Unido sobre a adesão no bloco de 27 países diminuiu criará mais incerteza do que enfrentá-lo.

 

"É muito melhor ter um plano de como fazer mudanças para a União Europeia, como fazer alterações à adesão do Reino Unido, como garantir a adesão do Reino Unido em uma União Europeia reformada", disse ele, de acordo com trechos de uma entrevista em cinco jornais da França, Alemanha, Itália, Espanha e Polônia, que foram liberados com antecedência pelo seu gabinete.

 

Em janeiro, Cameron disse que se ele vencer a próxima eleição geral, em 2015, renegociará a relação do Reino Unido com a UE e, em seguida, realizará um referendo sobre a participação do país no bloco sob as novas condições até o final de 2017.

 

Cameron deve se reunir nesta semana com os líderes da Espanha, França e Alemanha para explicar seu ponto de vista sobre a forma como o bloco deve ser mais aberto, competitivo e flexível.

 

Cameron deve fazer uma visitar a Madri para se encontrar com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, na segunda-feira e, em seguida, viajará para Paris para conversar com o presidente francês, François Hollande. O premiê britânico vai viajar para Berlim para se encontrar com a chanceler alemã, Angela Merkel, no final da semana.

 

Cameron disse aos jornais europeus que a UE estava "madura para a reforma", e afirmou que, para competir com nações em desenvolvimento como a Índia, China, Indonésia e Malásia, a UE necessita ser mais aberta, pensar mais sobre os custos que está colocando em empresas e interferir menos nos assuntos nacionais dos Estados membros. As informações são da Dow Jones.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;