Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Prefeitura sabia sobre casa na banca, diz moradora

Mulher continua no local, mas Prefeitura quer que ela saia de lá


Guilherme Monfardini
Especial para o Diário

02/04/2013 | 07:00


Marinês Pereira Santos, 56 anos, afirma que a Prefeitura de Santo André sabia sobre sua moradia, construída em cima de banca de jornal no cruzamento da Rua das Figueiras com a Avenida José Antonio de Almeida Amazonas, antes de aparecer em reportagem do Diário. "Eles fecharam a loja que montei dentro da banca, então sabiam que eu estava aqui." Marinês afirma que todas as noites funcionários da administração municipal vão até o barraco onde ela vive tentar convencê-la a sair.

A Prefeitura voltou a afirmar ontem que não sabia da presença da moradora no local, mas que o setor de Habitação está analisando o caso para ver quais medidas podem ser tomadas. A administração salientou novamente que o local é considerado inadequado para moradia.

"Só quero abrir minha loja, trabalhar e ganhar o meu dinheiro honestamente, mas eles não deixam. Não estou fazendo nada de errado", lamentou Marinês.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Prefeitura sabia sobre casa na banca, diz moradora

Mulher continua no local, mas Prefeitura quer que ela saia de lá

Guilherme Monfardini
Especial para o Diário

02/04/2013 | 07:00


Marinês Pereira Santos, 56 anos, afirma que a Prefeitura de Santo André sabia sobre sua moradia, construída em cima de banca de jornal no cruzamento da Rua das Figueiras com a Avenida José Antonio de Almeida Amazonas, antes de aparecer em reportagem do Diário. "Eles fecharam a loja que montei dentro da banca, então sabiam que eu estava aqui." Marinês afirma que todas as noites funcionários da administração municipal vão até o barraco onde ela vive tentar convencê-la a sair.

A Prefeitura voltou a afirmar ontem que não sabia da presença da moradora no local, mas que o setor de Habitação está analisando o caso para ver quais medidas podem ser tomadas. A administração salientou novamente que o local é considerado inadequado para moradia.

"Só quero abrir minha loja, trabalhar e ganhar o meu dinheiro honestamente, mas eles não deixam. Não estou fazendo nada de errado", lamentou Marinês.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;