Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Corintianos presos voltarão ao local de crime na Bolívia



29/03/2013 | 08:23


O dia 8 de abril pode ser decisivo para o futuro dos 12 torcedores do Corinthians presos na Bolívia desde 21 de fevereiro, acusados pela morte do garoto Kevin Espada, de 14 anos, durante a partida contra o San Jose, pela primeira rodada da Copa Libertadores. Os brasileiros voltarão ao estádio Jesús Bermúdez, localizado a apenas 200 metros do presídio San Pedro, onde estão detidos, para a reconstituição do crime. "Essa perícia é chave para nós porque lá vão saber que eles não participaram do crime e quem participou está no Brasil", disse o advogado boliviano Jaime Flores, que tem atuado na defesa dos torcedores.

 

Alguns dos presos - como Macedo Andrade, de 30 anos, e Rafael Machado Castilho Araújo, de 18 anos, por exemplo - alegam que nem estavam no estádio no momento do disparo do sinalizador que atingiu Kevin.

 

Apesar de o Ministério Público de São Paulo ter atendido às solicitações da Justiça boliviana e já ter encaminhado para Oruro cópias do depoimento do jovem de 17 anos, sócio da Gaviões da Fiel, que confessou o crime e do vídeo da entrevista que o menor deu à TV Globo, o advogado dos torcedores alega que a defesa não pode se limitar a esses fatos.

 

"Estamos tentando todas as instâncias legais. Já pedimos para que os peritos analisassem as imagens. A perícia e a reconstituição vão apontar a mesma coisa, ou seja, que eles não participaram do crime. Com isso, teriam de, pelo menos, dar a prisão domiciliar", justificou Jaime Flores.

 

SEM PRAZO - A Gaviões da Fiel alugou uma casa em Cochabamba para tentar provar que os 12 corintianos têm endereço fixo na Bolívia, não vão fugir para o Brasil e ficarão à disposição da Justiça enquanto o processo não for concluído. O advogado, inclusive, já enviou à Justiça fotos e a planimetria do imóvel. "Após a reconstituição, não haverá motivos para manter a prisão já que não haverá elementos suficientes de convicção de que eles participaram do crime. Queremos gerar uma convicção no juiz para que ele ao menos lhes dê a detenção domiciliar", disse Jaime Flores.

 

Mesmo se a defesa obtiver êxito, o advogado afirma não ter previsão de quando os corintianos poderão sair do presídio. De acordo com as leis bolivianas, a prisão preventiva pode durar seis meses. "O problema é que o relaxamento da prisão não depende de nós, mas sim da agenda do juiz, das audiências..."

 

Outro entrave pode ser a troca de fiscal de investigação. Na última quarta-feira, o Ministério Público boliviano substituiu Abigail Saba, que acompanhava o caso desde o início, por Alfredo Santos. "O novo fiscal pode pedir novas provas, depoimentos. É complexo", lamentou Flores.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;