Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Ata do Copom deve sinalizar rumo econômico

Reunião do Banco Central será na terça e quarta-feira e analisará sustentabilidade da recuperação econômica



30/08/2009 | 07:00


A ata do Copom (Comitê de Política Monetária) será o principal instrumento de comunicação do Banco Central com o mercado entre o encontro do comitê, na terça e na quarta-feira, e a sua divulgação no dia 10 de setembro. Será a ata, de acordo como economista-chefe da Convenção Corretora de Valores e Câmbio, Fernando Montero, que vai balizar a forma como o BC avalia os sinais e a sustentabilidade da recuperação econômica.

O economista impõe um peso maior à ata porque, a seu ver, o comunicado que a diretoria do BC distribui tão logo termina a reunião do Copom não acrescentará muita informação. A decisão em si, segundo Montero, será pela manutenção da Selic nos atuais 8,75% ao ano por unanimidade e sem viés. Para ele, se fosse para o Copom cortar mais a taxa básica de juros, já teria sinalizado para essa possibilidade.

"Desde a última reunião, os sinais da demanda surpreenderam para melhor, especialmente em indicadores importantes para o consumo como o varejo, o mercado de trabalho e os rendimentos. Também na confiança, no crédito à pessoa física e nos gastos federais", lista o chefe do Departamento Econômico da Convenção Corretora.

PIB MELHOR - Na avaliação de Montero, não se pode subestimar o impacto da queda exportadora na indústria ainda que, paradoxalmente, se espere uma contribuição externa bastante positiva - via contração das importações. Esta demanda externa líquida deve contribuir para um PIB melhor no segundo trimestre. "Os investimentos continuam de lado, o que é natural neste ciclo em que eles precisarão ser puxados pela economia muito antes de qualquer coisa", diz Montero, para quem a produção industrial de julho, a ser conhecida na segunda-feira, deverá ser influenciada pela recuperação de segmento pesados de intermediários que a modelagem da Convenção tem dificuldade de capturar.

De qualquer forma, diz o economista, as expectativas de crescimento no mercado vêm melhorando e a economia global, por fim, assusta menos. "O quadro de inflação melhorou, mas não o suficiente para justificar uma mudança de cenário básico que, no comunicado de julho, declarava que ‘esse patamar de taxa básica de juros é consistente com um cenário inflacionário benigno, contribuindo para assegurar a convergência da inflação para a trajetória de metas ao longo do horizonte relevante, bem como para a recuperação não inflacionária da atividade econômica'", destaca Montero.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;