Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Medo nas telonas paulistanas

E também o bizarro e o místico no novo festival de cinema SP Terror, que terá apresentação de 34 títulos


Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

24/06/2009 | 07:00


Seres e situações nada normais são tema do mais novo festival cinematográfico paulista. A partir de sexta, os fãs do grotesco poderão acompanhar o "SP Terror - Festival Internacional de Cinema Fantástico", que ocorre nas salas da Reserva Cultural (Avenida Paulista, 900. Tel.: 3287-3529).

A ideia de se criar um evento destinado especialmente para filmes trash veio da influência de atrações do tipo espalhadas por Estados Unidos, Espanha, Inglaterra e Portugal, entre outras partes do mundo. "Viajando por diversos lugares, descobri festivais por todos os cantos. Quando voltei a São Paulo, vi que temos potencial para abrigar um evento desses", explica Betina Goldman, idealizadora e diretora do SP Terror. Originalmente, ela trabalha como agente de vendas de produções de diversos diretores, entre eles José Mojica Marins, mestre do horror brasileiro.

O GÊNERO - Betina adianta o que o público vai encontrar no festival. "É um gênero do cinema que aborda coisas irreais, como as figuras dos vampiros e histórias de ficção científica. Ele é recheado de tudo que é exótico, esotérico e que tem hiper-realismo". Esse tipo de produção atrai a atenção principalmente dos jovens. "A cidade tem uma grande população jovem e bem informada. Trata-se de uma geração que vê o terror como algo divertido, uma espécie de transgressão."

Apesar de ser a primeira edição, o evento recebeu cerca de 550 produções querendo fazer parte da programação. No total, apenas 34 títulos, entre eles curtas e longa-metragens nacionais e internacionais, foram selecionados. Um júri presidido por José Mojica irá avaliar 15 filmes que participam das duas mostras competitivas, uma internacional e outra ibero-americana. O restante fará parte das apresentações de exibição. Haverá também uma mostra especial destinada a consagrados títulos nacionais e clássicos estrangeiros.

O acervo é vasto e promete agradar a um leque amplo de fãs. Será possível assistir a produções que mobilizaram público e crítica (seja de forma positiva ou negativa), como "Mangue Negro", do capixaba Rodrigo Aragão, e "O Gigante Japonês", do diretor Hitoshi Matsumoto. Algumas atrações inéditas, caso de "Os Matadores de Vampiras Lésbicas", Eden Log e Strange Girls, também fazem parte da programação.

"Esperamos que todos os jovens congreguem para a Avenida Paulista, grande símbolo da cidade, e aproveitem o terror ao máximo. Queremos que o público marque presença", diz a idealizadora do festival.

As apresentações dos longas e curtas-metragens ocorrem em diversas sessões até o dia 2. As entradas custam R$ 13 por filme, sendo possível adquirir um passaporte especial, que dá direito a assistir 10 produções a sua escolha (exceto as sessões de abertura e encerramento), ao preço de R$ 50. A programação completa do festival pode ser consultada no site (www.spterror.com).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;