Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Teatro experimental na Internet

Web é palco do pioneiro Teatro para Alguém, criado pela atriz e diretora paulistana Renata Jesion


Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

08/06/2009 | 07:01


A internet é o palco do pioneiro Teatro para Alguém, desenvolvido pela atriz e diretora paulistana Renata Jesion. Cansada de plateias vazias e disposta a testar as possibilidades cênicas oferecidas pelas ferramentas digitais, ela decidiu promover espetáculos na sala de casa, na Capital, com transmissão gratuita na web.

O site (www.teatroparaalguem.com.br) tem formato de moradia e é dividido em sete cômodos. Na seção Porão, fica o arquivo das produções. O destaque da Grande Sala é Corpo Estranho, do prestigiado dramaturgo Lourenço Mutarelli (autor do livro O Cheiro do Ralo, que inspirou filme homônimo).

Na Sala de E-Star, por exemplo, o internauta pode assistir à peça Maçã Argentina. Dirigida por Renata e escrita especialmente para o espaço virtual pela autora Índigo (pseudônimo de Ana Cristina Araújo Ayer de Oliveira), a produção traz Maria Manoella como protagonista e aborda os questionamentos de valores feitos por uma mulher bêbada num bar em Buenos Aires.

Transmitida pela primeira vez dia 5, a peça poderá ser conferida, em versão editada e previamente gravada, durante um mês. Ou seja: assim como ocorre nos teatros, preserva-se a magia da estreia e a energia dos atores nas apresentações ao vivo.

Para Renata, que começou a experiência em novembro de 2008, esses são aspectos positivos da iniciativa. "Teve um ator que ensaiou durante um mês e, na hora em que foi fazer ao vivo, estava com tanta adrenalina que me falou: ‘Parece que eu fiz para 400 pessoas", afirma.

Mas apesar das características teatrais, a diretora preocupa-se com experimentalismos e patrocínios para novas empreitadas. "Estamos em busca de uma nova linguagem, que não é a do teatro convencional. Tem um pouco de TV e cinema, mas a gente não sabe exatamente o nome disso."

As peças não são abertas ao público e contam apenas com cerca de dez convidados. O site recebe, em média, 150 acessos diários. Em semanas de estreia, o número sobe para 300 visitações.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Teatro experimental na Internet

Web é palco do pioneiro Teatro para Alguém, criado pela atriz e diretora paulistana Renata Jesion

Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

08/06/2009 | 07:01


A internet é o palco do pioneiro Teatro para Alguém, desenvolvido pela atriz e diretora paulistana Renata Jesion. Cansada de plateias vazias e disposta a testar as possibilidades cênicas oferecidas pelas ferramentas digitais, ela decidiu promover espetáculos na sala de casa, na Capital, com transmissão gratuita na web.

O site (www.teatroparaalguem.com.br) tem formato de moradia e é dividido em sete cômodos. Na seção Porão, fica o arquivo das produções. O destaque da Grande Sala é Corpo Estranho, do prestigiado dramaturgo Lourenço Mutarelli (autor do livro O Cheiro do Ralo, que inspirou filme homônimo).

Na Sala de E-Star, por exemplo, o internauta pode assistir à peça Maçã Argentina. Dirigida por Renata e escrita especialmente para o espaço virtual pela autora Índigo (pseudônimo de Ana Cristina Araújo Ayer de Oliveira), a produção traz Maria Manoella como protagonista e aborda os questionamentos de valores feitos por uma mulher bêbada num bar em Buenos Aires.

Transmitida pela primeira vez dia 5, a peça poderá ser conferida, em versão editada e previamente gravada, durante um mês. Ou seja: assim como ocorre nos teatros, preserva-se a magia da estreia e a energia dos atores nas apresentações ao vivo.

Para Renata, que começou a experiência em novembro de 2008, esses são aspectos positivos da iniciativa. "Teve um ator que ensaiou durante um mês e, na hora em que foi fazer ao vivo, estava com tanta adrenalina que me falou: ‘Parece que eu fiz para 400 pessoas", afirma.

Mas apesar das características teatrais, a diretora preocupa-se com experimentalismos e patrocínios para novas empreitadas. "Estamos em busca de uma nova linguagem, que não é a do teatro convencional. Tem um pouco de TV e cinema, mas a gente não sabe exatamente o nome disso."

As peças não são abertas ao público e contam apenas com cerca de dez convidados. O site recebe, em média, 150 acessos diários. Em semanas de estreia, o número sobe para 300 visitações.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;