Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Schäuble defende estrutura do acordo do Chipre



19/03/2013 | 04:47


O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, defendeu na terça-feira um pacote de socorro da zona do euro para os bancos cipriotas, o que inclui um imposto sobre os depósitos bancários, dizendo que o movimento era necessário para evitar que a dívida do Chipre aumente e para proteger os contribuintes europeus de carregar o peso do resgate ao Chipre.

"O ônus não pode cair sobre os ombros dos contribuintes europeus por si só", disse Schäuble em uma entrevista à rádio alemã Deutschlandfunk. "O governo alemão sempre foi a favor do bail-in".

Nas negociações em Bruxelas, a Alemanha tinha pressionado em direção ao chamado "bail-in" dos cidadãos cipriotas - forçando o Chipre a arrecadar uma parte significativa do pacote de resgate com os depositantes de bancos - como condição para a ajuda da zona do euro.

Apesar da crítica maciça sobre o acordo, Schäuble defendeu a posição manifestada por autoridades europeias de que a estrutura do acordo - a decisão de que os depósitos seriam tributados - foi feita por Nicósia.

"Essa responsabilidade não está com o governo federal alemão e não está com a Europa, mas com o governo cipriota", disse ele. O ministro das Finanças alemão concedeu a entrevista depois de os ministros das Finanças da zona do euro, em uma conferência por telefone na segunda-feira, concordaram em alterar o acordo para proteger os cidadãos cipriotas com economia de menos de 100.000 euros do imposto sobre os depósitos bancários. As informações são da Dow Jones.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Schäuble defende estrutura do acordo do Chipre


19/03/2013 | 04:47


O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, defendeu na terça-feira um pacote de socorro da zona do euro para os bancos cipriotas, o que inclui um imposto sobre os depósitos bancários, dizendo que o movimento era necessário para evitar que a dívida do Chipre aumente e para proteger os contribuintes europeus de carregar o peso do resgate ao Chipre.

"O ônus não pode cair sobre os ombros dos contribuintes europeus por si só", disse Schäuble em uma entrevista à rádio alemã Deutschlandfunk. "O governo alemão sempre foi a favor do bail-in".

Nas negociações em Bruxelas, a Alemanha tinha pressionado em direção ao chamado "bail-in" dos cidadãos cipriotas - forçando o Chipre a arrecadar uma parte significativa do pacote de resgate com os depositantes de bancos - como condição para a ajuda da zona do euro.

Apesar da crítica maciça sobre o acordo, Schäuble defendeu a posição manifestada por autoridades europeias de que a estrutura do acordo - a decisão de que os depósitos seriam tributados - foi feita por Nicósia.

"Essa responsabilidade não está com o governo federal alemão e não está com a Europa, mas com o governo cipriota", disse ele. O ministro das Finanças alemão concedeu a entrevista depois de os ministros das Finanças da zona do euro, em uma conferência por telefone na segunda-feira, concordaram em alterar o acordo para proteger os cidadãos cipriotas com economia de menos de 100.000 euros do imposto sobre os depósitos bancários. As informações são da Dow Jones.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;