Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Locação de imóveis tem aquecimento na região


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

06/02/2009 | 07:00


O mercado de locação de imóveis residenciais no Grande ABC mostra aquecimento no início deste ano, depois de uma forte queda nos meses finais de 2008, segundo o Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo).

 O conselheiro do Creci-SP João Batista Bonadio, que é empresário do ramo imobiliário em São Caetano, afirma que a crise financeira internacional afetou lançamentos e a venda de imóveis usados na região, mas as locações em janeiro já registra expansão, de 15%, frente ao mesmo período de 2008.

 A explicação, segundo o conselheiro, são os efeitos da crise financeira internacional, que tem abalado a confiança dos consumidores para a compra da casa própria por conta das perspectivas em relação à economia. "Todo ano, nesta época, aumenta a procura por imóveis mas, hoje em dia, as pessoas estão sem coragem para fazer financiamento e optam por alugar", disse.

 O aquecimento ocorre, após uma forte retração nos meses que se seguiram ao acirramento da turbulência global, em meados de setembro. Em novembro, a entidade registra que houve uma queda de 67,94% frente a outubro no número de imóveis alugados na área de abrangência que inclui Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Guarulhos e Osasco. O percentual de queda é bem maior do que o observado em todo o Estado, em que houve retração de 31,85% no mês.

 As vendas de imóveis usados, de acordo com o Creci, apresentavam diminuição de 12,51% no Estado, enquanto na área que inclui o Grande ABC, a baixa na procura foi de 23,10%.

 Segundo o presidente da entidade, José Augusto Viana Neto, o desempenho fraco do mercado não chegou a ser uma surpresa. "A crise estava em expansão, apesar das medidas de socorro dos governos e ainda tivemos as férias e o início do verão, que costumam afugentar potenciais compradores", disse.

 Para Augusto Viana, a melhora nas vendas de imóveis dependerá de vários fatores, como a manutenção dos níveis de emprego e renda e, especialmente, das medidas que facilitem o crédito. Segundo ele, a baixa dos juros, a facilitação para a comprovação de renda e para a oferta de garantias, a ampliação dos prazos de pagamentos e o financiamento de 100% do valor do imóvel são essenciais para uma ‘virada de jogo' do segmento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;