Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Às vésperas de acordo, BrT aponta lucro de R$ 248,3 mi



23/04/2008 | 07:06


A Brasil Telecom divulgou ontem que no primeiro trimestre do ano registrou lucro líquido de R$ 248,3 milhões, resultado 46,2% superior ao do mesmo período do ano passado. Além da melhoria no perfil de endividamento, a empresa avançou em telefonia móvel, onde elevou em 25,8% sua base de clientes, que passou para 4,577 milhões, quantidade ainda pequena em relação à base nacional, em torno de 120 milhões de clientes.

Para 2 de maio está prevista a divulgação do balanço da Telemar Participações, que controla o grupo Oi. Antes disso, provavelmente ainda esta semana, os acionistas das duas operadoras assinam o acordo com o compromisso futuro de incorporação da BrT pela Oi, que ainda ficará à espera da mudança do PGO (Plano Geral de Outorgas) pela Anatel para ter condições de entrar em vigor.

O acordo está para ser assinado há mais de um mês. Os advogados envolvidos na operação ainda estão cautelosos em fixar uma nova data, mas os principais sócios da Brasil Telecom e do Grupo Telemar já dão como certa a assinatura esta semana da reestruturação acionária das duas companhias. A expectativa dos sócios é de que o anúncio oficial à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) seja feito entre a amanhã à noite e sexta-feira.

Segundo fontes, a compra da Brasil Telecom vai sair ao redor de R$ 4,9 bilhões. Para a conclusão do negócio serão assinados cerca de 18 acordos, envolvendo a reestruturação acionária da Telemar Participações.

Entre os acordos estão, por exemplo, a desistência de ações judiciais que os sócios da BrT moveram entre si. A briga opôs, basicamente, o Citigroup e os fundos de pensão Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras) e Funcef (Caixa Econômica Federal) ao Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas. Os sócios decidiram abrir mão das ações em que exigiam indenizações mútuas, por divergências com relação à gestão e atos societários.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Às vésperas de acordo, BrT aponta lucro de R$ 248,3 mi


23/04/2008 | 07:06


A Brasil Telecom divulgou ontem que no primeiro trimestre do ano registrou lucro líquido de R$ 248,3 milhões, resultado 46,2% superior ao do mesmo período do ano passado. Além da melhoria no perfil de endividamento, a empresa avançou em telefonia móvel, onde elevou em 25,8% sua base de clientes, que passou para 4,577 milhões, quantidade ainda pequena em relação à base nacional, em torno de 120 milhões de clientes.

Para 2 de maio está prevista a divulgação do balanço da Telemar Participações, que controla o grupo Oi. Antes disso, provavelmente ainda esta semana, os acionistas das duas operadoras assinam o acordo com o compromisso futuro de incorporação da BrT pela Oi, que ainda ficará à espera da mudança do PGO (Plano Geral de Outorgas) pela Anatel para ter condições de entrar em vigor.

O acordo está para ser assinado há mais de um mês. Os advogados envolvidos na operação ainda estão cautelosos em fixar uma nova data, mas os principais sócios da Brasil Telecom e do Grupo Telemar já dão como certa a assinatura esta semana da reestruturação acionária das duas companhias. A expectativa dos sócios é de que o anúncio oficial à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) seja feito entre a amanhã à noite e sexta-feira.

Segundo fontes, a compra da Brasil Telecom vai sair ao redor de R$ 4,9 bilhões. Para a conclusão do negócio serão assinados cerca de 18 acordos, envolvendo a reestruturação acionária da Telemar Participações.

Entre os acordos estão, por exemplo, a desistência de ações judiciais que os sócios da BrT moveram entre si. A briga opôs, basicamente, o Citigroup e os fundos de pensão Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras) e Funcef (Caixa Econômica Federal) ao Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas. Os sócios decidiram abrir mão das ações em que exigiam indenizações mútuas, por divergências com relação à gestão e atos societários.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;