Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Dívidas geram embate em Diadema

Em audiência pública, PT contesta valor do passivo e secretário alfineta herança de Reali


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

28/02/2013 | 07:00


Presente em peso na primeira audiência pública de Finanças do governo de Lauro Michels (PV), a bancada do PT de Diadema pressionou o secretário Francisco José Rocha. Petistas contestaram o valor da dívida apresentada por Lauro de R$ 1,7 bilhão, minimizou os R$ 82 milhões em restos a pagar deixados pelo ex-prefeito Mário Reali (PT) e questionou atraso em pagamento a fornecedores e entidades conveniadas com o Paço.

Rocha apresentou informações financeiras do último quadrimestre do mandato de Reali, que fechou com R$ 451 milhões em dívida consolidada - R$ 1,2 bilhão a menos do que a anunciada por Lauro e levado pelo prefeito ao Ministério Público. As contas do verde, além dos passivos reconhecidos pela administração, incluem débitos da ETCD (Empresa de Transporte Coletivo de Diadema) e da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema) com a Sabesp.

Presidente do PT diademense e líder da comissão de Finanças da Casa, o vereador Josa Queiroz foi um dos mais enfáticos. "Muito se falou da dívida e vemos agora que ela é de R$ 451 milhões. O restante está sendo contestado na Justiça."

Rocha rebateu, dizendo que os débitos da Saned já estão executados pela Sabesp e que só não subtraíram recursos dos cofres públicos devido a um efeito suspensivo. Além disso, ele ressaltou ter herdado R$ 82 milhões em restos a pagar de Reali com R$ 617 mil presentes nos cofres.

"Não podemos entrar no mérito de quem fez ou não fez a dívida. Precisamos encontrar uma maneira de equacionar e estamos trabalhando para isso. Sabemos que a sociedade é que vai pagar", alertou o titular da Pasta de Finanças.

Os vereadores petistas José Antônio da Silva e Lilian Cabrera cobraram o pagamento a creches e entidades conveniadas. Líder da bancada do PT na Câmara, Zé Antônio afirmou haver instituições alegando falta de repasse de janeiro e fevereiro. Rocha discorreu que alguns recursos foram retidos por problemas em documentações de ONGs (Organizações Não Governamentais).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dívidas geram embate em Diadema

Em audiência pública, PT contesta valor do passivo e secretário alfineta herança de Reali

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

28/02/2013 | 07:00


Presente em peso na primeira audiência pública de Finanças do governo de Lauro Michels (PV), a bancada do PT de Diadema pressionou o secretário Francisco José Rocha. Petistas contestaram o valor da dívida apresentada por Lauro de R$ 1,7 bilhão, minimizou os R$ 82 milhões em restos a pagar deixados pelo ex-prefeito Mário Reali (PT) e questionou atraso em pagamento a fornecedores e entidades conveniadas com o Paço.

Rocha apresentou informações financeiras do último quadrimestre do mandato de Reali, que fechou com R$ 451 milhões em dívida consolidada - R$ 1,2 bilhão a menos do que a anunciada por Lauro e levado pelo prefeito ao Ministério Público. As contas do verde, além dos passivos reconhecidos pela administração, incluem débitos da ETCD (Empresa de Transporte Coletivo de Diadema) e da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema) com a Sabesp.

Presidente do PT diademense e líder da comissão de Finanças da Casa, o vereador Josa Queiroz foi um dos mais enfáticos. "Muito se falou da dívida e vemos agora que ela é de R$ 451 milhões. O restante está sendo contestado na Justiça."

Rocha rebateu, dizendo que os débitos da Saned já estão executados pela Sabesp e que só não subtraíram recursos dos cofres públicos devido a um efeito suspensivo. Além disso, ele ressaltou ter herdado R$ 82 milhões em restos a pagar de Reali com R$ 617 mil presentes nos cofres.

"Não podemos entrar no mérito de quem fez ou não fez a dívida. Precisamos encontrar uma maneira de equacionar e estamos trabalhando para isso. Sabemos que a sociedade é que vai pagar", alertou o titular da Pasta de Finanças.

Os vereadores petistas José Antônio da Silva e Lilian Cabrera cobraram o pagamento a creches e entidades conveniadas. Líder da bancada do PT na Câmara, Zé Antônio afirmou haver instituições alegando falta de repasse de janeiro e fevereiro. Rocha discorreu que alguns recursos foram retidos por problemas em documentações de ONGs (Organizações Não Governamentais).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;